Connect with us

Últimas

Primeiro dia de CCXP19 marcado com muitas novidades

O primeiro dia do CCXP19 começou com força total.

Com os ingressos já esgotados, a fila do lado de fora dos portões do maior festival de cultura pop do mundo, deram a ideia de como será essa sexta edição.

O primeiro dia trouxe painéis, exibições de filmes, experiências sensoriais, sessões de fotos e autógrafos, performances, campeonato de games e várias outras coisas que reuniram diversas áreas da cultura pop.

Palco Creators

Com o humorista Rafa Cortes e Gabi Fernandes, youtuber do canal Depois das Onze, a abertura do palco Creators by Trigg, apresentou um show de ilusionismo com Henry Vargas e Klaus Duraes, que transformam as representações do clássico Houdini em brincadeiras com o público.

Esse é o segundo ano que a CCXP organiza o Creators Stage que tem como objetivo gerar espaço para conteúdos espontâneos de influenciadores e personalidadesde televisivas.

“Neste ano, trouxemos mais conteúdo de bandas que também estão no meio digital e de influendiadores”, é o que explica Roberto Fabri, curador do espaço.

Um ponto muito forte do palco foi a acessibilidade, já que contou com um intérprete para traduzir todo o conteúdo para libras.

Com o palco tomado por youtubers e figuras da internet, o lançamento do clipe Feelings, do feat Zeeba, Le Bid e Pontifexx foi o gatilho para que ocorresse um debate sobre como as redes impactam a vida do jovem, a conexão entre o real e o virtual.

“A letra de feelings, que tem um contexto de amor e boas vibrações, norteou todo o clipe”, comenta Le Dib sobre a produção. O DJ Pontifexx conta que as gravações foram ao encontro da letra, pois eles literalmente se desligaram do universo virtual para se sincronizarem. “Para estar com seus amigos e sua família, você precisa estar presente. É impressionante como as redes sociais te distraem do que é real. No clipe tivemos a oportunidade de ver como estes momentos são necessários”, comenta Pontifexx.

Além das estrelas da internet, o palco contou com outras presenças, como por exemplo, o ator Duda Nagle que bateu um papo com dois dublês famosos: Bobby Holand Hanton – Thor, Capitão América e 007 – e Renan Medeiros, que fez o filme brasileiro Aldo.

“Queremos trazer esta cultura da ação do cinema e promover mais dublês no Brasil”, conta Nagle. Durante o papo, eles explicaram, no entanto, que o grande desafio é tornar a profissão segura mesmo nas cenas mais intensas.

Para animar ainda mais a plateia, uma das atrações mais esperadas da noite foi a presença dos irmãos Castro, do famoso canal do Youtube Castro Brothers. O elenco, com a ajuda da plateia, improvisou a apresentação com palavras aleatórias e fizeram inúmeros trocadilhos, reproduzindo o quadro de maior sucesso do canal.

Para fechar a primeira noite, a banda Far From Alaska deu um show de rock n’ roll com seu repertório mais aclamado.

Auditório Prime

O terceiro maior auditório da CCXP19 recebeu o quadrinista gaúcho Rafael Albuquerque, desenhista exclusivo da DC Comics, para uma masterclass da técnica aguada que possui o mesmo efeito da aquarela, mas a base de água e ensinou a desenhar o Batman, personagem favorito de muitos fãs.

Em seguida, foi a vez de Laerte e Rafael Coutinho, grandes artistas brasileiros que conversaram sobre a relação dos quadrinhos e política, falando sobre o papel do humor como formador de opinião, de como os memes falam sobre política e a participação das redes sociais no processo de inclusão. Papo que fez com que os artistas deixassem o palco sendo aplaudidos de pé pela plateia.

Após, André Dahmer, um dos principais desenhistas do país e criador da tirinha Malvados, teve uma conversa cheia de humor com o público sobre como a internet está interferindo na sociedade. Depois, o músico Chorão foi homenageado em um dos momentos mais esperados, no bate-papo com João Gordo, Sarah Oliveira, Hugo Prata e Felipe Novaes sobre o filme “Chorão – Marginal Alado“. Eles contaram histórias do eterno vocalista da banda Charlie Brown Jr. e falaram sobre as emoções que sentiram durante as gravações.

O dia no Auditório Prime foi fechado com uma conversa entre plateia e Andreza Delgado, Leo Hwan, Jefferson Costa e Debs sobre representatividade em cultura pop. Os convidados falaram e responderam perguntas sobre preconceito contra negros, asiáticos e mulheres no universo geek.

Oi Game Arena

Campeonatos de Clash Royale explodiam na Oi Game Arena. No TUES (Torneio Universitário de E-sports), a AAA Vulcano e a INSPER MadFox tiveram uma disputa individual. O representante da AAA Vulcano, Randall, e o da INSPER MadFox, Hindenburg, fizeram um belíssimo confronto. Com uma disputa acirrada do começo ao fim, Randall se sagrou bicampeão de Clash Royale no TUES, por 2×1.

As disputas entre equipes começaram com o embate entre TECMACK – Universidade Presbiteriana Mackenze e a Universidade Positivo CAPYBARAS. Com a vitória do TecMack por 7×5 e 7×1, o grupo se sagrou campeão do Rainbow Six Siege no TUES.

Na última competição da noite, League of Legends, o Falkol Storm, da UFABC, derrotou por 2×1 o DAEG Mackenzie e sagrou-se tricampeão da CCXP e hexacampeão da TUES.

Auditório Ultra

Recebendo os quadrinistas do Stout Club que falaram sobre a trajetória do selo e a importância da HQ Mondo Estranho para eles, o grupo falou sobre os próximos projetos que está com uma parceria com a plataforma de streaming ComiXology para a produção de quatro títulos 100% feitos por brasileiros.

Trabalhando com grandes nomes do cenário mundial como Grant Morrison e Mark Millar, o segundo a subir no palco foi Frank Quitely. Ele revisitou suas principais obras e comentou sobre a oportunidade de desenhar personagens da DC Comics. O artista ainda falou sobre sua nova série na Netflix, Jupiter’s Legacy.

Fechando o dia, a Iron Studios, a dona das estátuas e colecionáveis mais cobiçadas da CCXP, mostrou dioramas e comentou o processo de criação de peças que envolvem personagens da Marvel, Thundercats e Harry Potter. Em uma votação com o público para escolher qual será o colecionável produzido pela Iron Studios para a próxima edição da CCXP, os argumentos de um menino de nove anos definiram que Killer Croc, o Crocodilo inimigo do universo Batman da DC Comics, será o personagem trabalhado. A empresa apresentou ainda projetos envolvendo Mortal Kombat, God of War e Stan Lee.

Auditório Cinemark XD

A abertura do auditório Cinemark aconteceu de modo especial com a presença de Cao Hamburger falando sobre os 25 anos do Castelo Rá-Tim-Bum, como dito nessa matéria AQUI no site Volts. Cao contou que foram produzidos dois programas antes de chegar ao formato final apresentado. Na época da estreia, houve a procura por canais internacionais querendo comprar os direitos globais da história criada, porém não houve negociação. Marcelo Forlani conduziu o painel resgatando vários momentos marcantes do programa, que faz parte da cultura pop nacional. O momento mais emocionante foi o clipe da música do banho, cantada pelo ratinho de stop-motion e acompanhada por todos os presentes.

Em um segundo momento, André Marques foi chamado para trocar de lugar com Forlani e apresentar o novo projeto de Cao Hamburger, a série A5 five – spin-off da temporada de 2017 de Malhação Viva as Diferenças, que estreará pela plataforma de streaming Globoplay. As protagonistas se juntaram aos dois no palco para explicar as diferenças entre os formatos de série e novela. A nova história se passa com um salto de seis anos na história original e já conta com 12 episódios gravados, com estreia para 2020 e uma segunda temporada já confirmada.

Os painéis Rei Leão: Dando Vida à Savana e Homem-Aranha: Desbravando o Aranhaverso trouxeram os incríveis Julien Bolbach e Pav Grochola, respectivamente, para falar sobre os efeitos visuais para a criação dessas duas superproduções. Mostrando várias etapas da animação dos personagens, do cenário, bem como várias técnicas que foram criadas ao longo do processo, para a finalização dos filmes.

Outro painel recebeu a presença de Takashi Shimizu, diretor de filme de terror, fazendo sucesso com O Grito. Shimizu dirigiu as versões originais japonesas do filme Ju-On (1 e 2), e contou que foi uma surpresa quando os produtores americanos o chamaram para dirigir a versão que fez sucesso mundial em 2004, ficando em primeiro lugar por duas semanas nos EUA. Quando perguntado sobre como é seu processo criativo, Shimizu explicou que usa muito de seus medos de criança para se inspirar. Explicou que foi uma criança muito medrosa e começou a usar, em seus filmes, todas os pensamentos que o assustavam no seu imaginário.

A Riot Games também não ficou de fora e seu painel trouxe muitas novidades para os fãs de League of Legends, como a Riot Forge, nova vertente do jogo original, mostrando que, em parceria com vários produtores a Riot, está criando novos modos de jogar e explorar a aventura do universo do jogo. O foco agora é lançar mais jogos single player e aumentar o storytelling para várias plataformas e contar a sequência da história, após todos esses anos.

Um dos painéis mais esperados do primeiro dia foi o Batman 80 anos. A abertura da Banda Leela contou com as músicas tema do personagem por toda a história, enquanto imagens dos filmes, séries e desenhos mais marcantes passavam na tela. Rafael Grampá, que está produzindo uma nova história do Batman junto com o gênio Frank Miller, faz parte da atual geração de quadrinistas brasileiros que estão ganhando o cenário internacional. Mikel Janín, conhecido pela controversa história onde Batman “se casa” com Mulher-Gato, tentou definir o famoso herói como uma pessoa comprometida com sua promessa.

E para finalizar, de todos os painéis, o mais animado foi sem dúvidas o da Warner. Aves de Rapina juntou as protagonistas e a diretora em uma conversa animada com Marimoon. A primeira frase que Margot Robbie resumiu o painel inteiro: “You guys are insane!” ou “Vocês são insanos!”, já que a animação demonstrada por todos, mesmo no fim do dia, foi enorme. A gritaria atingiu altos níveis quando a cena de abertura e um teaser exclusivos foram apresentados para o auditório lotado.

Continue Reading
Advertisement Image Map

Últimas

São Luís sediará a maior maratona de criação de jogos do mundo

Evento ocorrerá de 31 de janeiro a 02 de fevereiro no Sebraelab.

2019 foi um grande ano para o mundo gamer em São Luís.

2020 pretende ser igual ou ainda melhor que o ano anterior.

E para os apaixonados por jogos o ano já inicia com grandes novidades. São Luís sediará o maior evento do mundo de desenvolvimento de jogos, o Global Game Jam (GGJ). Tradicionalmente em janeiro, o evento funciona como uma hackathon, reunindo programadores, designers e outros profissionais ligados ao desenvolvimento de jogos, onde todos os grupos saem com um produto ao final do evento. Ocorrendo simultaneamente em mais de 112 países, o GGJ envolve mais de 47 mil participantes e esse ano, em São Luís será realizado de 31 de janeiro a 02 de fevereiro no Sebraelab, ambiente de estímulo à criatividade e à inovação do Sebrae-MA, contando com o apoio da Maximize.

O objetivo principal na GGJ é o grande desafio de desenvolver um jogo em 48 horas. O tema do evento só será divulgado no primeiro dia da programação (31 de janeiro), após a divulgação, inicia a contagem regressiva para a produção do protótipo do projeto, que será enviado, no fim do evento, para o site da Global Game Jam e fica disponível para o mundo inteiro conhecer os projetos desenvolvidos. O GGJ não é uma competição, é um evento de colaboração e incentivo a criatividade com o objetivo de criar MVP’s (Produto Mínimo Viável) de jogos de forma rápida e colaborativa.

Promovido pela Associação Maranhense de Desenvolvedores de Jogos (AMAGames) desde 2012, sendo sua 8ª edição em terras ludovicenses, a Associação tem como missão incentivar o mercado de desenvolvimento de jogos no Maranhão atrás de ações e eventos como este. O GGJ também conta com apoio do Laboratório de Pesquisa JOGA-AI (Jogos, Gameficação, Acessibilidade e Autoria Inteligente) do IFMA – Campus São Luís.

As inscrições estão abertas, custam uma taxa de R$ 10 e podem ser realizadas no link abaixo:
http://ggj2020.amagames.com.br

Continue Reading

Últimas

Brasil foi mais ao cinema em 2019, mas viu menos filmes nacionais

Fãs de cinema cresceram em 2019 no Brasil, em contra partida, vendo menos filmes nacionais

Mesmo na era do streaming, cinema continua um sucesso no Brasil.

As telonas no Brasil ganharam destaque em 2019, ironicamente, o público dos filmes brasileiros diminuiu de forma notável desde 2018.

Foram 887 filmes lançados nos cinemas brasileiros no ano passado e cerca de 172,2 milhões de espectadores que ajudaram a arrecadar R$ 2.7 bilhões. Enquanto os filmes estrangeiros tiveram um acréscimo de espectadores, os nacionais sofreram a perda de público.

Foi um aumento de 7,6% que levou o público geral de 160 milhões de 2018 para 172,2 em 2019. Embora tenha recebido um acréscimo de público, 2019 continua tendo o segundo menor público dos últimos cinco anos.

Com os filmes nacionais, o público diminuiu de 22,9 milhões para 22,6 de um ano para outro.

A arrecadação monetária teve o aumento de 13%, com uma renda acumulada que soma mais de 2,7 bilhões em 2019, sendo no ano anterior arrecadado 2,4 bilhões.

O valor total, o registrado em 2019 foi o maior nos últimos 17 anos, segundo a Ancine. Já com os valores atualizados pela inflação de 2019, a bilheteria se torna a quarta maior, atrás apenas de 2017, 2016 e 2015, respectivamente.

Segundo o diretor Paulo Sérgio Almeida, responsável por campeões de bilheteria em anos anteriores como “Xuxa Popstar” (2000) e “Sonho de Verão” (1990), o salto em relação a 2018 está ligado a dois aspectos: O aumento do número de salas de cinema e uma safra lucrativa da Disney. Segundo Paulo Sérgio, também fundador da Filme B, empresa que tem como objetivo analisar o mercado de cinema do Brasil, a Ancine registrou 3201 salas de cinemas até dezembro e apontou que, entre os filmes recordistas de bilheteria estão “Vingadores: Ultimato”, além de “O Rei Leão”, “Aladdin” e “Toy Story 4” que tiveram seu destaque no ano.

Embora com o aumento de público, ir ao cinema se tornou mais caro. O preço médio do ingresso foi de R$ 14,23 para R$ 15,02 em cerca de um ano. O aumento de 5,63% ficou acima da inflação de 2019, que foi de 4,31%. Os filmes brasileiros saíram mais baratos, sendo R$ 2 a menos que os estrangeiros.

Dos estados, o Distrito Federal foi o que pagou mais caro por ingresso, tendo a média registrada de R$ 17,33. E embora a que pagou mais caro, foi a unidade da federação que mais frequentou os cinemas, comparando o número de habitantes. Em seguida, ficaram Rio de Janeiro, São Paulo, Roraima e Amazonas.

Os filmes estrangeiros levaram mais de 12 milhões de pessoas ao cinema do que em 2018, enquanto os filmes nacionais tiveram uma queda de 300 mil espectadores.

Destaque para o filme “Minha Mãe é uma peça 3”, com estreia em 26 de dezembro que conseguiu diminuir essa diferença da bilheteria nacional. Uma semana antes da estreia, 2019 tinha 1,1 milhão de espectadores a menos do que o mesmo período em 2018. O dado reflete a diminuição de 10% nos títulos nacionais entre 2018 e o ano seguinte. Enquanto no primeiro foram 327 filmes nacionais em cartaz, no segundo estrearam 367 produções nacionais nos cinemas.

Até o mês de junho, o Brasil ficou sem a cota de tela, o que estabelece um número mínimo de dias em que filmes nacionais ficam em cartaz. Em 2020 a medida voltará a ser adotada, com mínimo de 27,4 dias de programação nacional por cinema, e pelo menos, três filmes diferentes em cartaz.

Como segunda menor porcentagem dos últimos cinco anos, mesmo maior que 2018, a bilheteria nacional representou apenas 11,5% de vendas de ingresso no país em 2019, com apenas 13% dos frequentadores de cinema assistindo a uma produção nacional.

Maiores públicos no Brasil em 2019:

Vingadores: Ultimato – 19,2 milhões

O Rei Leão – 15,9 milhões

Coringa – 9,4 milhões

Capitã Marvel – 8,8 milhões

Toy Story 4 – 7,8 milhões

Homem Aranha longe de casa – 6,4 milhões

Malévola Dona do mal – 5,6 milhões

Continue Reading

Últimas

Netflix no Brasil | O futuro do serviço de streaming está comprometido?

Crescimento do Globoplay e lançamento de outros streaming prejudicam a Netflix?

A Netflix é uma gigante ao redor do mundo. Em terras tupiquinins, o cenário não é diferente. Segundo dados do relatório The State of Mobile 2019, feito pela App Annie, companhia de análise do mercado mobile, o Brasil é o segundo país do mundo em horas gastas com plataformas de streaming, especialmente nos dispositivos moveis, perdendo apenas para a Índia. Netflix e Globoplay são os serviços mais utilizados no país.

No último balanço divulgado pela Netflix à SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA, eram pelo menos 158 milhões de assinantes ao redor do mundo em setembro. A América Latina era representada por 29,4 milhões de assinantes e a estimativa era que o Brasil possuía de 8 a 10 milhões de assinantes ativos à época do relatório.

O documento revelou que no segundo trimestre do ano passado, houve queda no número de assinantes na região dos EUA e Canadá. Aqui no Brasil, como indicam os dados da empresa SimilarWeb, focada em monitoramento de internet, a gigante dos streamings perdeu 10% dos usuários ativos brasileiros no último trimestre de 2019.

Mas por que essa perda de assinantes em um país que adora esse serviço de streaming? Vejamos: no ano passado tivemos os lançamentos da Disney+, Apple TV+ e o crescimento da Amazon Prime Video. Apesar da plataforma de streaming da Disney ainda não ter chegado ao Brasil, o anúncio de um serviço exclusivo do estúdio foi um golpe no catálogo da Netflix: filmes da saga Star Wars e animação Frozen não constam mais no catálogo desde outubro, por exemplo.

A Warner também anunciou um serviço exclusivo de streaming, HBO Max, com estreia prevista para maio de 2020, o que resulta em mais perdas para os filmes, séries e desenhos oferecidos pela Netflix. A empresa pode sofrer ainda mais perdas, já que outros estúdios também se preparam para lançamentos de plataformas exclusivas.

Amazon e Apple ganham destaque por seus preços competitivos: cada um dos serviços cobra R$9,90, enquanto o plano mais básico da Netflix custa R$21,90. E no Brasil, em tempos de crise financeira, os preços baixos podem falar mais alto.

Mas talvez a justificativa mais forte seja o crescimento de um outro serviço de streaming: O Globoplay. O segundo maior serviço de streaming do Brasil é administrado pelo Grupo Globo e foi lançado em 2015. No catálogo, títulos de sucesso da empresa: O Canto da Sereia, Dona Flor e seus Dois Maridos, A Mulher Invisível, Toma Lá da Cá, Os Normais e até TV Pirata. Para os fãs das telenovelas, é possível encontrar das clássicas até as mais recentes: os episódios exibidos de Amor de Mãe já estão disponíveis no serviço. Para quem consome apenas séries internacionais, o streaming brasileiro não decepciona: The Good Doctor (uma das séries mais assistidas do serviço), Supernatural, Doctor Who, The Vampire Diaries e The Handmaid’s Tale são algumas das opções entre as várias ofertadas.

O Globoplay possui conteúdo gratuito e para assinantes, mas mais de 50% do que é encontrado na plataforma é exclusivo para os usuários pagantes. Os planos podem ser mensais e anuais, e dão direito à transmissão ao vivo do canal Globo (função disponível em alguns estados e cidades). Os preços são competitivos, o que torna o serviço uma opção ainda mais atrativa para os consumidores.

O serviço brasileiro vem crescendo. Em 2019, o streaming do canal aumentou o total de horas consumidas em 69%, em comparação com o ano anterior: de 234 milhões de horas, saltou para 396 milhões.

O Brasil é um mercado importante para a Netflix. Tanto que a empresa resolveu investir na série 3%, a primeira produção brasileira original da Netflix e a segunda produzida na América Latina. Porém, o país também é importante para a Globo, que vai investir R$1 bilhão no Globoplay em 2020.

A intenção da Globo é clara: dominar o mercado de streaming no Brasil. A Netflix pode até ser uma gigante, mas a realidade é que a concorrência está crescendo, e os usuários brasileiros estão atentos às mudanças.

Por enquanto, a Netflix ainda é o streaming número 1 no país, mas é inegável: a Globoplay está chegando.

Continue Reading

Em alta agora