Nossas Redes

Música

O que esperar de ‘The New Abnormal’, novo álbum dos The Strokes

Com uma discografia controversa, The Strokes se prepara para fazer seu retorno após quatro anos.

Na terça-feira (11) passada, a banda de indie-rock The Strokes divulgou o primeiro single da nova era, ‘At The Door’. A canção veio logo após a banda protagonizar um momento icônico em um show realizado no começo da semana anterior em New Hampshire, EUA. Ao notar que a polícia havia subido ao palco e estava pronta para barrar a apresentação, Julian Casablancas, vocalista da banda, convocou o público para ocupar o palco durante a música ‘New York City Cops’, canção que ironiza a polícia novaiorquina.

Voltando em grande estilo, os The Strokes também divulgaram o nome do seu sexto disco de inéditas, que se chamará ‘The New Abnormal’, e com previsão de lançamento para 10 de abril. Os fãs foram pegos de surpresa. O último trabalho do quinteto foi o elogiado EP ‘Future Present Past’ (2016). Mas o que os precursores do indie-rock vão trazer ao público após quatros anos sem entregar material novo?

Sonoridade retrô?

Desde o primeiro álbum, a banda formada por Julian Casablancas (voz); Albert Hammond Jr (guitarra); Nick Valensi (guitarra); Nikolai Fraiture (baixo); e o brasileiro Fabrizio Moretti (Bateria); pincela suas canções com sintetizadores tão característicos da new wave e dialoga com o legado sonoro deixado por bandas como The Velvet Underground. Contudo, eles sempre se propuseram a dar um acabamento mais moderno e orgânico ao seus trabalhos, os riffs entrecruzados dos dois guitarristas da banda é um bom exemplo.  

Mas isso parece se reverter logo nos minutos iniciais do novo single. Em ‘At The Door’, os sintetizadores são explorados de forma mais destacada, abrindo a canção com uma camada sintética robusta, que facilmente lembra os jogos de Atari, console de video-game famoso dos anos 1980. E a faixa vai se tornando num verdadeiro experimento imersivo, seja pelos vocais distorcidos ou pelos riffs de guitarra que despontam de forma singela durante a audição, criando uma sonoridade sutilmente atmosférica.       

Somado a isso, a banda entregou, no mesmo dia em que divulgou o single, o videoclipe para faixa. A produção é uma animação psicodélica recheada de cenários e personagens coloridos. O clipe dirigido por Mike Burkarof resgata os traços clássicos de animações oitentistas como He-Man e Thundercats.     

Será que vai dá ruim?

Por outro lado, quando os The Strokes se propuseram a inserir recursos eletrônicos em seus registros e trabalhá-los de forma mais destacada, a crítica e o público não gostaram nenhum pouco da proposta. Conhecidos pela rebeldia e as influência do pós-punk, logo quando surgiram, os Strokes foram aclamados por diversos veículos especializados em música, que os consideraram como a “salvação do rock”. O público também os adotou, dando origem a uma tribo um tanto peculiar no cenário musical: os indies.

Após entregar dois ótimos álbuns, consolidando a banda no topo da música alternativa dos anos 2000, ‘Angles’ (2011), quinto disco de estúdio da banda, reafirmou uma sensação já pressentida por muitos desde o trabalho que o antecedeu. O quinteto que revolucionou o rock na virada do século 21 estava se perdendo em meio ao seu processo criativo. Faixas que soavam como descarte de antigos trabalhos e o flerte com o synthpop deixaram a banda dividida entre uma aparente incapacidade inventiva e um errôneo desbravamento por territórios desconhecidos. O disco foi taxado como uma extensão do primeiro trabalho solo de Julian Casablancas, que também explorou a música eletrônica em seu registro. Enquanto poucos aprovaram a nova fase, mas ainda sim se propuseram a acompanhá-los, a maioria exigia pelo o espírito dos The Strokes presente nos dois primeiros registros.

Mas os donos de hits como ‘Last Nite’ conseguiram contornar os deslizes cometidos no álbum seguinte. ‘Comewdown Machine’ (2013) foi um registro para agradar gregos e troianos, graças a gradativa transição entre a agressividade de outrora com o imergir nas novas experimentações. Mas ainda que tenha uma estrutura coesa, o álbum não foi tão bem recebido pelos fãs veteranos. A repentina ascensão dos Strokes que, infelizmente, se encaminhou para uma estagnação musicalmente desde o seu terceiro álbum, deu vida a uma leva de fãs saudosistas, presos a crença de que tudo o que os norte-americanos poderiam entregar ficou em ‘Is This It’ (2001), primeiro álbum da banda.  

‘The New Abnormal’

Como já apresentado pelo primeiro single desta era, os veteranos não devem retornar a sonoridade que tanto lhe garantiram sucesso e influenciaram bandas que surgiram logo em seguida, como os Arctic Monkeys e os The Killers. O sexto álbum da banda deve empoeirar ainda mais o seu som e contorná-lo por sintetizadores oitentistas, mas, claro, sem deixar que as famosas guitarras de Albert Hammond Jr e Nick Valensi brilhem no novo catálogo de canções. E os brasileiros devem sentir o gostinho do novo material antecipadamente, afinal, a banda é uma das headliners do Lollapaloza 2020, que ocorre nos dias 3,4 e 5 de abril.

‘The New Abnormal’ será lançado em 10/4 via Cult Records. Confira a tracklist do álbum:

01 The Adults Are Talking
02 Selfless
03 Brooklyn Bridge To Chorus
04 Bad Decisions
05 Eternal Summer
06 At The Door
07 Why Are Sunday’s So Depressing
08 Not The Same Anymore
09 Ode To The Mets