Connect with us

Crítica

Crítica – The Boys S1 (Amazon Prime Video)

Série é um conto sangrento de ficção científica que retrata os super-heróis como a escória da sociedade

Se o cinema é o lugar para amar heróis incondicional e cegamente, a TV é o lugar para odiá-los. A prova disso são as novas produções na tela pequena que desconstroem – na base da porrada – os mitos sobre os super-humanos.

A mais recente estreou no Prime Video e chegou bem perto de ter uma temporada perfeita, mas como prega a própria narrativa de The Boys, não existe isso de perfeição.

Feita por Eric Kripke e estrelada por Karl Urban, muitas coisas podem ser ditas sobre o que The Boys está criticando, mas o que flui em toda a primeira temporada é um comentário brutal sobre os Estados Unidos contemporâneo.

A série é baseada na graphic novel de mesmo nome, escrita por Garth Ennis com arte de Darick Robertson, e conta a história de um grupo patrocinado pela CIA, cujo trabalho é colocar super-heróis de volta nos trilhos, matando-os, se necessário.

A história pega super-heróis e os coloca em uma corporação que produz filmes, comerciais e capitaliza sua força de trabalho nos EUA, uma espécie de Marvel Entertainment que também lida com engenharia genética. A joia da coroa da corporação é conhecida como The Seven, e cada um dos Sete originais emula um personagem da Liga da Justiça, mas, um em especial é uma combinação entre o Super-Homem e o Capitão América: Homelander, o líder deles e a pior pessoa da Terra, perfeitamente interpretado por Antony Starr.

Os outros seis são Queen Maeve (Dominique McElligott), The Deep (Chase Crawford), translúcido (Alex Hassell), A-Train (Flash), Starlight (Erin Moriarty) e Black Noir (Nathan Mitchell).

Os ~mocinhos~ são liderados por Billy Butcher (Karl Urban), um ex-soldado britânico com uma vendeta pessoal contra Supers, Hughie (Jack Quaid), um técnico de informática cuja noiva foi morta por um Super em um acidente horrível, Mother’s Milk (Laz Alonso), um diretor de prisão, Frenchie (Tomer Capon, um francês especializado em tráfico de armas, e Female (Karen Fukuhara) cujo nome real é Kimiko.

A série desconstrói os super-heróis e os heróis da história, já que Homalander é um sádico, mas seu antagonista, Butcher, torna seu sobrenome muito apropriado. O desempenho de Kar Urban faz esse personagem muito parecido com Dean Winchester, de Supernatural, outra criação de Eric Kripke. Ambos são machões carismáticos, com uma tragédia familiar, e os dois são muito bons em derrubar monstros, mas Butcher é ainda mais brutal.

The Boys fala sobre a mercantilização dos super-heróis, a privatização da guerra, o culto às celebridades, o corporativismo, a deificação de super-heróis, o evangelismo fundamentalista nos Estados Unidos, a comercialização do corpo feminino e as mentiras que formam a base do dia a dia no Ocidente.

É um mundo como o nosso, quando a mulher é hiper sexualizada, assediada e controlada por colegas de trabalho homens; um mundo onde o nacionalismo branco e a corrupção religiosa andam de mãos dadas. Mas neste mundo um super-herói é a personificação da nação e comparado a Jesus em uma convenção religiosa onde ele revela sua verdadeira e aterradora face.

Homelander é um show de aberrações sozinho. Fala como Trump, é a imagem do Capitão América, tem os poderes de Superman, é um estuprador, assassino, e não tem nenhum senso de justiça ou moral. Ele é, de fato, um verdadeiro super-herói moderno.

The Boys tem bastante violência e nudez masculina frontal, além de uma cena onde estupro e A Forma da Água convergem. Nada agradável essa parte. As cenas de luta são boas, mas nada de espetacular. A melhor é a primeira, quando Butcher enfrenta um homem que não pode ser visto, e ele derrama sangue de sua própria boca apenas para ver seu oponente. A luta termina com uma bunda sendo eletrocutada.

Em suma, The Boys é um conto sangrento de ficção científica que retrata os super-heróis como a escória da sociedade, a fossa onde a moral é decomposta em excremento. The Boys é gore, satírico, violento, com um realismo ácido, e mesmo assim consegue ser uma peça de entretenimento que não exaure o expectador. É um absurdo caótico, muito bem roteirizado e com algumas ótimas atuações. Como o próprio Bily Butcher diria, é diabólico!

Tayna Abreu é jornalista de entretenimento e também fala sobre ficção especulativa em seu IGTV @oftay_ 

Continue Lendo
Publicidade

Crítica

Crítica | She-Ra e as Princesas do Poder (4ª Temp.)

Nova fase da animação revelou alguns segredos e prepara público para ponto de virada na série.

A Honra de GraySkull está mantida? Talvez. A resposta para a pergunta somente na próxima temporada de She-Ra e as Princesas do Poder em 2020. Um ano depois da estreia da série, a 4ª temporada (que estreou 5 de novembro) deixou um sentimento de “e agora?” muito forte durante o processo de introdução de novos elementos.

Ressalto aqui também que quem leu a review da temporada anterior pode perceber que acertei na teoria. A antiga She-Ra daria as caras (embora somente em flashbacks da Madame Rizzo) e a aparição do Rei Micah seria agora justo após a morte de Ângela (que agora tenho minhas dúvidas!). Micah apareceu, mas não como o Cavaleiro Vermelho, como é na trama original. Nem um demérito ao reboot por causa disso. Só na traição de Sombria que minha pergunta permanece no ar. Seguindo!

Das quatro temporadas apresentadas até aqui, a última é a mais intensa. O fato de voltar a ter 13 episódios ajudou bastante. Mais tempo de tela reforça a construção de todas as personagens: protagonistas, coadjuvantes e antagonistas.

Foi o que Noelle Stevenson fez com a sua equipe de roteiristas. Para esse review focaremos em um trio de personagens e um extra: Cintilante, Mara e Scorpia, além de Hordak.

A coroação da jovem Cintilante, após o sacrifício de Ângela, deveria ter amadurecido a personagem. Cintilante, ao meu ver, foi a quem menos evoluiu nesta temporada. Ou melhor, até tenha evoluído, mas em consequência o seu lado mimado acompanhou o processo. Sua compostura diante dos amigos e aliados revela muita insegurança. Normal, se considerarmos que agora como rainha ela não estava preparada para o papel e a perda da mãe. No entanto, seus atos desesperados forçaram toda Etheria conhecer um obstáculo bem mais difícil que Hordak e Felina.

A nova rainha mudou o visual, mas não mudou as atitudes

Por outro lado, conhecemos Mara. Até então apenas citada ou em aparições rápidas, a personagem foi uma das protagonistas do episódio “Heroína” e nos ajudou a entender o que realmente estava se passando no planeta. A She-Ra anterior, que é um acréscimo bem válido à mitologia da franquia, resgata a personagem Mara com muito empenho e nos revela que os “Primeiros” (por que não Eternianos?) tem um propósito não tão nobre e abre espaço para novas apostas e teorias. Sua relação com a Esperança da Luz e Madame Rizzo chegam ao grau de melancolia na trama e dão o tom mais solene à temporada. Impossível não se identificar com ela.

Como já está bem claro, as chances de He-Man fazer ponta na série é mínima, quase zero, mas os elementos que o cercam não. Veremos na próxima fase o Castelo de GraySkull? A Espada do Poder? Ela, a espada, já existe ou será ainda criada? Essa última pergunta é um reboot de mais alto nível à mitologia e portanto pouco provável. O certo é que sabemos que Mara era dos Primeiros e eles serão o próximo foco da trama.

Das três personagens que destaco, Scorpia é quem mais curti na temporada (novamente me rendo ao seus pés garota!). O crescimento de sua personalidade, dado seu lado mais infantil, rendeu uma surpresa maravilhosa ao vermos ela compreendendo o quão tóxica é a figura da Felina. Parabéns Scorpia! E ela é tão amável! Mesmo reconhecendo a toxicidade da outra continua a amando (pode ser um ponto fraco dela, mas sem isso ela não seria a fofa que é). De quebra, não posso esquecer que acertei de novo aqui quando conjecturei que poderíamos vê-la com a Grande Rebelião. Mais um ponto para mim!

O extra pra essa review é Hordak. O lado passional do vilão nem de longe condiz com o bufão da série clássica e isso é maravilhoso. Sua melhor cena é aquela onde as lágrimas mistas de alegria pela não-traição de Entrapta e o ódio pelas mentiras de Felina ficam retidas sobre a face em poucos segundos. Mas não esqueçam: ele ainda é vilão!

Por fim, o que foi Double Trouble?! A nova personagem é o tipo de personagem que mais detesto. Contudo, o metamorfo foi o elemento mais significativo para todos os acontecimentos da temporada. Já espero mais canalhices. Sobre Double Trouble, é necessário dizer que sua introdução na trama, por parte de Noelle Stevenson, não é tão original assim como alguns sites anunciavam. Double Trouble já existia na franquia, mas apenas nos quadrinhos.

Dohble Trouble, em novo design, é símbolo de representatividade na animação de Noelle Stevenson

Antes chegou a ser a prima de Cintilante com altas habilidade de disfarce. Agora Noelle repagina a personagem dando-lhe um outra proposta e fazendo-o assumir características que acredito ser numa referência a uma personagem não-binária. O bônus aqui foi o fato dela representar em suas transformações outra personagem da franquia que ainda não havia aparecido: Flora, a princesa com asas de borboleta, embora ao que parece em apenas um fanservice. Assim como foi com Octavia, capitã das tropas navais da Horda, que também apareceu na série dos anos 1980.

She-Ra e as Princesas do Poder segue firme com uma trama convincente e equilibrada em drama, humor e fanservice (as referências a Vassorito, Corujito e Geninho me animaram). A chegada do Mestre da Horda revela que algo mais sombrio está por vir. Aviso que não acredito na Felina, logo aguardem mais atos egoístas dela.

Com a Espada da Proteção em frangalhos estamos sem She-Ra. Adora será capaz de restaurar a Honra de GraySkull? Esperemos.

Confira as reviews anteriores:

Continue Reading

Coluna Leandro Giometti

Crítica | Watchmen (piloto da série)

Derivado da famosa HQ, o piloto de Watchmen vai na onda de Coringa e entrega uma obra intensa e realista

Watchmen

O piloto de Watchmen termina e você entende exatamente qual é a proposta de Damon Lindelof: a fidelidade pelo conceito criado no universo da clássica HQ de Alan Moore e Dave Gibbons e promover uma trama envolta no mistério característico, marca registrada do diretor e roteirista, criador de Lost e The Leftovers.

De cara, vai chamar a atenção também o visual arrojado e a edição ousada, mas será na atualização relevante da narrativa – com comentários políticos e sociais diretos que podem ser lidos como críticas ao ultaconservadorismo atual – e a abordagem bastante realista a chave que atingirá mentes e corações. E, mesmo que a série se passe em uma realidade alternativa, assim como no filme de Zack Snyder, ela é muito mais semelhante à nossa.

Trinta anos após os eventos finais da HQ (e do filme), os vigilantes mascarados ainda estão nas ruas e ajudam a polícia. Eles são heróis anônimos, mas agora são pessoas comuns, que tem vidas normais, sem o culto de personalidade que outrora tinham Coruja, Comediante e Spectral. Os fãs certamente irão vibrar com a precisão dos detalhes e as referências – um tanto diferente da opção pela estilização do longa assinado por Snyder – onde está explícita a paixão de Lindelof pela obra de Alan Moore. Porém, aos não iniciados no universo da HQ, Watchmen também funciona muito bem como uma série derivada e independe, ainda que possam se sentir interessados a entender certas excentricidades.

Em um momento em que, as obras baseadas em quadrinhos podem entreter a partir de um novo conceito, embaladas pela visceralidade real de Coringa, Watchmen é brilhante na medida em que entrega uma experiência nessa mesma intensidade. Com momentos impactantes, ótimas atuações (Regina King, Jeremy Irons e Don Johnson excelentes) e elementos técnicos irrepreensíveis, a série da HBO sustenta uma história promissora cujo caminho ninguém faz ideia onde vai dar mas, de forma inteligente, instiga a pensar, mantendo a audiência interessada e atenta. 

Expectativa altíssima para os próximos 8 episódios.


Continue Reading

Coluna Leandro Giometti

Crítica | (Des)encanto – 2ª temporada

Quando a primeira temporada de (Des)encanto chegou à Netflix, o hype e a ansiedade atingiram níveis gigantescos. Primeiro, porque se tratava da nova animação de Matt Groening – o criador de Os Simpsons e Futurama – segundo porque o novo universo, um reino místico cuja protagonista era uma princesa má educada e beberrona, parecia promissor para os que adoram um humor ácido e adulto. Dito e feito. A primeira temporada, apesar de alguma inconsistência na narrativa, conseguiu entregar exatamente o que os fãs queriam: irreverência e boas piadas. 

Com a chegada da segunda temporada, era preciso reconectar o público depois de um final curioso, porém um pouco mais dramático do que aquele tom de descaso inicial dos primeiros episódios. Mais do que isso: como retomar aquela maravilhosa química entre o trio de protagonistas? Sem muita surpresa, os primeiros episódios já respondem as pontas soltas e amarra tudo já logo nos dois primeiros capítulos. E a química volta lindamente. É visível, inclusive, que prevalecerá no desenrolar da história uma condução mais confortável e pé no chão, porém não menos descontraída. 

No decorrer da série é possível notar que, nessa temporada, há uma menor predisposição de dialogar apenas com a fantasia. Apesar de ainda beber nessa fonte, há boas referências de outros gêneros que intensificam novas boas ideias como, por exemplo, alguns óbvios paralelos com Game of Thrones. Embora isso não signifique que mantenha-se engajada naquele discurso (interessantíssimo) de como a sociedade medieval se assemelha ao nosso atual modelo de política – democrática, porém cruel para os que não se encaixam nos padrões de normalidade. 

O visual continua sendo uma delícia. Tanto a iluminação quanto o sombreamento distribuem bem a atenção, seja nos momentos de ação ou nos de mais calmaria. E o toque de mestre são as sutilezas digitais que se somam ao estilo tradicional das animações de Matt Groening. 

Resultado de imagem para disenchantment season 2

A parte não tão legal é uma menor inserção de memes nos diálogos da versão dublada, coisa que a primeira temporada deitou e abusou de forma criativa e inteligente. Mesmo assim, o humor nessa segunda temporada parece se encaixar de uma maneira mais natural, até porque as características dos personagens já foram exploradas e a graça agora é, justamente, ver como eles reagem em situações que exigem uma maior intimidade entre si. 

E como a terceira temporada já está confirmada, a tendência é que (Des)encanto siga com sua faceta insana, mas bem mais espontânea e que, assim como em Os Simpsons e Futurama, nesse ritmo, possam ter episódios que funcionem bem de forma isolada. 


Continue Reading

Em alta agora