Crítica | 13 Reason Why – Temporada 4

Tentando corrigir abordagem equivocada, Netflix nadou, nadou e morreu na praia.

Entre as virtudes da Netflix está a coragem de abordar assuntos sensíveis em produções dos mais diferentes gêneros. Em 2017, no entanto, a companhia se envolveu em uma dor que parece não ter sido superada até hoje: a polêmica sobre a equivocada abordagem dada aos temas altamente inflamáveis trazidos na trama de 13 Reasons Why, que chegou injustificadamente à quarta e última temporada em 2020.

Acusada de irresponsável, a Netflix viu a ousadia — feita com a melhor das intenções, acreditamos — tornar-se uma mancha na boa reputação da empresa, que tentou apagar essa má impressão até o último episódio da quarta temporada, que trouxe as consequências do assassinato de Bryce Walker (Justin Prentice) como faísca da trama e a problemática saúde mental de Clay Jensen (Dylan Minnette) como a gasolina. Vistos os 10 episódios finais, podemos concluir, com absoluto respeito aos profissionais que fizeram essa obra tão complexa acontecer, o óbvio é o real: essa história não precisava ser contada.

Ainda que bem conduzida na primeira temporada, a história de 13 Reasons Why foi absolutamente ofuscada pelas cenas explícitas de estupro e suicídio. Um gosto amargo que a Netflix tentou consertar com altas doses de avisos, documentários e episódios mais responsáveis.

Mas não há tema complexo que sustente uma temporada com falta de assunto. A 4ª temporada da trama de Clay Jensen foi a Netflix diluindo um pacotinho de Tang em um galão de 20 litros de água. E, sim, assistir é o equivalente a tomar esse suco ralo sem açúcar.

O que, se você parar para pensar, é um tanto contraditório. A série tem uma cartela extensa de boas possibilidades: um protagonista com sérios problemas mentais, outro que é dependente químico, passa de leve por assuntos como feminismo, xenofobia, homossexualidade, enfim, mas prefere desenrolar a temporada inteira num grande “quem matou?” cansativo esticado pelo filtro confuso do olhar de Clay.

O discurso de conscientização é o que a série traz melhor. E a fotografia também. Ainda que o senso de responsabilidade desses adolescentes pareça incompatível com a idade que têm, não ficou clara a mensagem de esperança que os produtores tanto queriam passar nesse desfecho. Há grandes momentos com discursos bastante diretos e importantes, mas incoerentes com a tristeza sem fim retratada em todos os outros episódios. Foi uma sensação de nadar, nadar e morrer na praia. O que foi feito, infelizmente, não vai conseguir impedir que 13 Reasons Why envelheça cada vez pior.

Total
2
Shares
Prévia

Livros para conhecer Octavia Butler, a Grande Dama da Ficção Científica

Próxima Notícia

5 ótimos documentários para você assistir na Netflix