Connect with us

Últimas

The New Pope apresenta dois papas no Vaticano

Com estréia hoje (17), a continuação da série The Young Pope traz aberturas para debates e questionamentos

Foto: Divulgação

Primeiro Jonathan Pryce e Anthony Hopkins encantaram com uma conversa ficcional entre Francisco e Bento VI retratada em “Dois Papas”, filme de Ferdando Meirelles que, segundo autor, fala sobre “o momento em que perdemos a fé”. Agora outros dois pontífices, ambos ficcionais, serão protagonistas de “The New Pope”, que estreia no Fox Premium 1, na sexta (17), às 22h30.

A série que apresentará Pio XIII e João Paulo III é uma continuação de “The Young Pope”, que em 2016 teve Jude Law como um papa americano, jovem e conservador. The New Pope agora conta a história de Pio XIII (Lenny Belardo, seu nome real) que está em coma após um ataque cardíaco, e o Vaticano, pressionado por colocar um sucessor em seu lugar, opta por Sir John Brannox (John Malkovich), um aristocrata inglês. A série mostra que além de um semblante de sofisticação, João Paulo III tem suas inseguranças e vaidades, assim como seu antecessor.

Os confrontos e debates de ambos, mostrando sua visão de mundo, é o gancho do criador Paolo Sorrentino (vencedor do Oscar por “A Grande Beleza”) para tratar de assuntos como terrorismo, abusos sexuais ocultados pela Igreja Católica, fundamentalismo cristão, e principalmente, sobre amor.

Entretanto, engana-se aqueles que pensam que a intenção é chocar ou escandalizar abordando esses temas. O intuito será outro e o ator espanhol Javier Cámara, que dá vida ao cardeal Gutierrez, fiel escudeiro de Lenny aponta: “Nesta segunda temporada, vamos descobrir a humanidade de muitos sacerdotes, e isso significa falar de suas dúvidas sobre fé, sexo, religião e suas vidas. Discutem-se alguns temas do momento, como se padres podem se casar ou não, se podem dedicar suas vidas a Deus e a uma mulher ou a um homem. Mas não acho que isso vá gerar polêmicas, acho que vai gerar perguntas”.

Javier Càmara

Cámara também trabalhou na série “Narcos” e no filme “Fale com Ela”, de Pedro Almodóvar. O ator concedeu entrevista a algumas mídias utilizando-se de videoconferência diretamente de sua casa, na Espanha, um dos países europeus mais afetados pela pandemia do Covid-19. Ele deixou claro que nunca havia falado com tantos veículos de comunicação como agora e levanta a possibilidade de que a crise causada pelo novo Corona Vírus possa ter mexido na fé das pessoas.

“Na época da primeira temporada, não tivemos nada assim, que traga o que imagino ser uma necessidade de crer em alguma coisa. Talvez as pessoas estejam buscando mais fé na ficção”. Comenta o ator, que se define religiosamente como cético e assumi não frequentar uma igreja há anos. “Passei uns três, quatro anos em um colégio de padres quando era pequeno e, ao sair, disse para minha mãe: ‘não quero ir mais para a missa, não vou a uma missa nunca mais na vida’. E assim foi. Não me convenceram de sua estratégia. Mas a fé eu tenho”.

Javier compreende a necessidade humana de crer em algo, por isso aponta o poder da Igreja Católica. “O catolicismo perdeu muito poder no mundo, porque agora há outras ideologias e outras igrejas, mas todos precisamos ter fé em algo. Tem gente que tem fé em Deus, gente que tem fé nas pessoas… Então, sempre que grandes artistas tocam nessa questão, gera interesse”.

E Paolo Sorrentino é, segundo Javier, um dos maiores cienastas de sua geração. “Ele tem um olhar muito profundo sobre a humanidade dos personagens e tenta dissecar a magia e o mistério desse lugar, [mostrar] o que sentem as pessoas em um lugar tão milagroso, misterioso e mágico como é o Vaticano.

A segunda temporada, assim como a primeira, teve suas gravações na Cinecittà, complexo de estúdios na Itália, onde foram gravadas algumas das maiores películas do cinema italiano, como exemplo, “A Doce Vida” em 1960, de Frederico Fellini.

Porém, o interior da capela de São Pedro, que aparece em “The New Pope”, foi reproduzido dentro do Estúdio 5, o mesmo usado em grandes obras do cineasta italianos. Javier Cámara comenta a experiência de estar no estúdio: “De repente, eu estava no centro nevrálgico de arte, da religião dramática. Foi tão avassalador, em todos os sentidos, que não fazia tanta diferença atuar em um idioma diferente”.

O ator espanhol se referente no fato da série ser gravada inteiramente em inglês, tendo um elenco tão plural em questão de origens, como exemplo da belga Cécile de France e o italiano Silvio Orlando. “Tanto Jude quanto John foram muito generosos, perdoavam todos os erros gramaticais que cometíamos. A verdade é que o Vaticano é um caldeirão de pessoas com diferentes sotaques, e isso enriqueceu ainda mais a série”.

“The New Pope” contará com duas participações especiais um tanto inusitadas. A atriz Sharon Stone e o cantor Marilyn Manson, que movimentaram bastante o set de filmagens.

A ilustre Sharon Stone

Javier contou sobre a presença de ambos, sobre Sharon ele disse: “Eu e Maurício Lombardi estávamos gravando uma cena, e John Malkovich já havia terminado sua parte. Então, ela se sentou na cadeira do papa. Maurício ficou nervoso com a presença de Sharon, mas ela estava lá. É um dos persentes da nossa profissão”.

O excêntrico cantor Marilyn Manson

Sobre Manson, ele afirmou: “Ele surgiu maquiado, com um par de óculos incrível e ficou apaixonado pelos trajes medievais da primeira temporada. Disse: ‘Quero fazer um show com tudo isso’. Ele foi muito engraçado”.

A temporada completa estará disponível sexta-feira (17) para assinantes premium do app da Fox.

Maranhão

Seminário de arte e cultura aborda práticas coletivas, subjetividade e resistência

O objetivo é fomentar a partilha de experiências e a produção do pensamento crítico acerca da Arte, Educação e Cultura.

Por

O Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM) realizará,  nos dias 21 e 22 de outubro deste ano, das 19h às 21h, o  I Seminário de Arte, Educação e Cultura: Práticas Coletivas – Criação, Subjetividade e Resistência. 

Organizado em duas rodas de conversa, o seminário propõe fomentar a partilha de experiências e a produção do pensamento crítico acerca da Arte, Educação e Cultura, no campo do fazer coletivo. Serão abordados temas e questionamentos acerca dos conceitos de coletividade, experiência e subjetividade, criação e resistência.

O que as experiências coletivas de grupos, tradicionais ou não, podem nos revelar sobre as dinâmicas dos afetos na restauração do sujeito consigo e com o outro? Para que outros horizontes, essas práticas colaborativas podem nos direcionar? São possíveis novas alternativas para as relações sociais? Estas e mais perguntas serão respondidas durante as conversas.

PROGRAMAÇÃO

21/10 – 19h às 21h

Roda de Conversa 1 – Espaços de Restauração e Reinvenção dos Sujeitos

No encontro, os convidados falarão, sob o prisma da experiência, sobre a importância da colaboração como ética social e a urgência desses valores para a nossa formação cidadã

Convidados: Gustavo Silvestre – Designer, Artesão, Professor e idealizador do projeto Ponto Firme (SP), Mônica Nador – Artista Plástica e idealizadora do projeto JAMAC (Jardim Miriam Arte Clube – SP), Jamira Muniz – Pedagoga, Professora e idealizadora da Escola Comunitária Luiza Mahim e do projeto REPROTAI (BA).

22/10 – 19 às 21 h

Roda de Conversa 2 – Tradição e Coletividade: O Terreiro como Espaço de Experiências e Resistências

Referência ao espaço dos terreiros de mina, candomblé, capoeira, dos jongos, dos bumba boi e de toda experiência coletiva popular, o encontro discutirá as produções historicamente marginalizadas pelas noções estruturais de poder, mas que sempre se afirmaram na urgência das possibilidades.

Convidados: Luiz Rufino – Escritor, Pedagogo e Professor da UERJ (RJ), Nadir Cruz – Gestora Cultural, Turismóloga, Conselheira Municipal de Cultura de São Luís, Índia e Presidente do Boi da Floresta (MA), Wanderson Flor – Filósofo e Professor de Filosofia Africana, Bioética e Direitos Humanos na UNB (DF).

Número de vagas: 90

Bate-papo

Após as exposições dos convidados, será aberto o bate papo com a participação do público. O Seminário será transmitido pela Plataforma Zoom. Os interessados em participar, devem enviar nome completo, telefone e nome da roda de conversa que deseja participar para contato@ccv-ma.org.br. Inscrições gratuitas.

Mais sobre os convidados

Gustavo Silvestre

Designer, Artesão, Professor e Pós-Graduado em Artes Manuais para a Educação. É idealizador do Projeto Ponto Firme, que ensina o crochê voluntariamente na penitenciária masculina Adriano Marrey, em São Paulo, desde 2015. Inserindo a técnica no campo da experimentação, o projeto cria transformação social e possibilita a ampliação do sujeito por meio da criação e do fazer manual coletivo. Os trabalhos desenvolvidos pelo projeto já foram expostos em Nova York, SP-Arte, Pinacoteca do Estado de São Paulo e são desfilados regularmente na São Paulo Fashion Week, maior evento de moda do Brasil.

Monica Nador

A Artista Plástica Mônica Nador é fundadora do Jardim Miriam Arte Clube (JAMAC), um espaço cultural criado em 2004, localizado na periferia da cidade de São Paulo para onde se mudou e vive até hoje. O JAMAC atua na intersecção de arte e formação para a cidadania, oferecendo oficinas gratuitas de estêncil, serigrafia e cinema para o público em geral. Diversidade, inclusão, direito à cidade e à memória são a base de trabalho do JAMAC, que realiza atividades junto à comunidades em todo o Brasil e no exterior.

Para conhecer mais sobre as histórias por traz das estampas criadas, o Jamac alimenta um podcast super especial! Ouça aqui: https://bit.ly/podcastjamac

Jamira Muniz

Educadora Social, com especialização em gestão do Terceiro Setor, Jamira Muniz foi coordenadora pedagógica da Escola Comunitária Luiza Mahin e atuou na gestão pedagógica da REPROTAI – Rede de Protagonista em Ação de Itapagipe, ambos em Salvador – BA. Atualmente, é coordenadora do Espaço Cultural Alagados, criado em 1989, na Península de Itapagipe (BA), por artistas e articuladores culturais da localidade para atender suas demandas de apresentações, ensaios e mobilização cultural. O espaço é o único equipamento cultural público de toda a Península de Itapagipe, que inclui dez bairros de Salvador.

Luiz Rufino

Escritor, Pedagogo e Professor da UERJ-RJ, é autor de cinco livros e de diversos artigos publicados em revistas e jornais sobre culturas brasileiras, educação, religiosidades, diáspora africana, filosofias e crítica ao colonialismo. Luiz Rufino propõe uma pedagogia alternativa aos saberes postos como universais e a educação como caminho de reconstrução dos seres, a partir de sabedorias e viveres afro-brasileiros, como a capoeira, a umbanda, o candomblé. A Pedagogia das Encruzilhadas, título de seu último livro, é o “balaio conceitual” criado por Rufino e sobre o qual falará no encontro. O autor abordará conceitos que operam no campo do conhecimento, educação, ética e cultura, comunicando outras possibilidades de entendimento e problematização dos acontecimentos e do mundo.

Nadir Cruz

Gestora Cultural, Turismóloga, Conselheira Municipal de Cultura de São Luís, é também Índia e Presidente do Boi da Floresta, um dos grupos mais antigos de Bumba meu Boi do Maranhão. Nadir pensa a cultura de forma coletiva, com o objetivo de capacitar, preparar profissionais e contribuir para a formação de cidadãos. Localizado no bairro da Liberdade, quilombo urbano de São Luís (MA), o Ponto de Cultura no barracão do Boi da Floresta guarda e transmite sabedoria e ofícios tradicionais do Bumba meu Boi, sotaque da Baixada, além de estimular a leitura e a inclusão digital. Com as atividades de formação e apresentações temporariamente suspensas durante o isolamento social, as ações sociais do grupo continuam com a distribuição de alimentos e de máscaras para a prevenção de contaminação do COVID-19 para a comunidade.

Wanderson Flor

Filósofo e Professor de Filosofia Africana, Bioética e Direitos Humanos na Universidade de Brasília (UnB), membro no Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UnB (NEAB/UnB) e do Núcleo de Estudos de Filosofia Africana “Exu do Absurdo” (NEFA/UnB). É autor de diversas publicações, entre elas, Entre Apostas e Heranças: Contornos Africanos e Afro-brasileiros na Educação e no Ensino de Filosofia no Brasil (NEFI, 2020), seu mais recente livro e disponível para download gratuito. O professor irá discutir a chamada “cultura de festa”, encontrada nos terreiros e que articula a dimensão da resistência, da criação, da comunitarização, além de ser um dos elementos formativos das comunidades.

Leia Mais

Últimas

Marco Gabriel lança videoclipe de “Chato” resgatando a cultura da periferia

Por

O rapper maranhense Marco Gabriel, lançou na última quinta-feira, 24, o videoclipe de seu mais novo single, “Chato”, trazendo o subúrbio de São Luís como plano de fundo e resgatando uma realidade não mostrada que dá vida à periferia.  

O videoclipe foi gravado nos bairros de Fátima e Bom Milagre. Com referências à filmes do cineasta Spike Lee, obras dos rappers Emicida, Djonga e Don L, em “Chato”, Marco mostra um subúrbio que, muitas vezes, não é visto pela sociedade e que consegue ser bonito e cheio de riquezas culturais, mesmo em meio à pobreza e falta de atenção do estado. 

Com direção e roteiro de Jessica Lauane, que conheceu Marco Gabriel em um curso de atuação para cinema da Escola de Cinema do Maranhão – IEMA. “Chato” é um dos projetos mais pessoais de Jessica e Marco, que são moradores dos bairros de Fátima e Bom Milagre, bairros de muitas manifestações culturais maranhenses, próximo ao centro de São Luís. O videoclipe tem participação especial dos vizinhos e amigos de Marco. Destaque para a poeta Débora Melo que fez uma poesia slam especialmente para o videoclipe. 

Em mais uma produção da ClockWork Filmes, em parceria com o SobreOTatame.com, Akilomba Produções e Bicho D’água Filmes, a direção de produção do videoclipe é assinada por Camila Soares, Paula Beatriz e Walber Sousa, fotografia por Jonas Sakamoto, direção de arte por Camila Soares e Lucas Silva, figurino por Mariana Santos, maquiagem por Paula Ashanti e Rafael Paz e Som Direto por Gabriel Portela. 

Desde 2014 no cenário musical de São Luís, Marco Gabriel colabora e valoriza a cultura do hip-hop, propagando a diversidade do rap nas letras, e cantando a revolução negra. As músicas, todas de composições autorais, falam sobre a identidade da juventude negra, assim como os problemas sociais vivenciados pela periferia atualmente. Em constante evolução, o rapper compõe sempre evoluindo de forma técnica e atual. 

Leia Mais

Últimas

Cantor Adnon lança clipe do single de estreia ‘My Luv’ – vem assistir

A produção foi gravada na Pousada Portas da Amazônia, no Centro Histórico de São Luís.

Por

O cantor, compositor e produtor maranhense Adnon lançou recentemente o seu videoclipe de estreia intitulado, “My Luv”, uma lovesong que traz a volta da poesia para os ouvidos dos sensíveis de alma e coração. O single faz parte do primeiro álbum de Adnon, que será lançado em breve, o “Inna Brasillian Jamaica”.

O videoclipe foi dirigido por Rairisson Acilon e tem participação de Amanda Bertrand. A produção foi gravada na Pousada Portas da Amazônia, no Centro Histórico de São Luís.

A universalidade sempre presente nos trabalhos do artista pode também ser percebida nos trabalhos com a Soulvenir nos dois álbuns lançados (“Galaxyspecies” 2014 pelo portal Musicoteca e Dosol, “Uterearth” 2017 pela Sony Music), Casaloca (“Um de Onze” 2013, pela Onerpm) e Criola Beat (“Mixtape Vol.01” 2019 e “Mixtape Vol.02” 2020, pelo Upaon Mundo).  

“Inna Brasillian Jamaica” traz o universo musical de Adnon de uma forma bem íntima e pessoal, que expressa como é viver e pertencer à Jamaica Brasileira, título dado a São Luis – MA, sua cidade natal. O álbum, que será dividido nas plataformas digitais em 2 volumes, com 5 tracks em cada um, traz elementos da cultura urbana e uma linguagem musical própria que leva sua música além do Reggae Music universal.

Música para ouvir e amar como “My Luv” (Lofi/RnB), refletir e sentir como “Sulamerica” e “Será Que Somos Guerreiros?” (Dub/Downtempo) dançar e tirar uma panca em “Rubadub” (Dance Hall) e “Eu Nunca Ando Só” (Dub).

Leia Mais

Últimas

Cantora Gabi Carvalho lança single ‘Ressignificar’ – ouça

Com produção de Memel Nogueira, canção fala sobre o vício de fantasiar paixões.

Por

A cantora Gabi Carvalho lançou nesta sexta-feira (28), seu novo single “Ressignificar“. A canção foi escrita em agosto de 2019 e engavetada para projetos futuros. É um dos primeiros trabalhos em que a artista está mais presente nas ideias de arranjo e produção.

“A música fala sobre o vício de fantasiar paixões que só existem na nossa cabeça, quase como aqueles filmes clichês em que tudo são flores e sempre acaba bem, e é aí que a letra traz a mensagem de que precisamos dar novo sentido a esse amor, ressignificar o que foi inventado e seguir”, diz a cantora.

Neste retorno ao segmento orgânico na carreira, quem assina a produção musical é Memel Nogueira, no Estúdio Andar de Cima, com arranjos idealizados por ele e, também, por Gabi. No conteúdo visual, a designer Ana Waléria firma a direção de arte, Gustavo Rock é responsável pela fotografia e Gleno Rodrigues vem na criação de vídeos de pré-lançamento.

Em 2019, Gabi Carvalho se apresentou no Prêmio Volts e concorreu na categoria Melhor Cantora. Veja, abaixo, a apresentação da cantora clicando no vídeo abaixo.

Sobre a artista

Gabi Carvalho é cantora e compositora maranhense, tem 28 anos e está em carreira profissional desde 2017. Embora tenha pouco tempo profissionalmente, a artista começou a cantar aos 12 anos de idade e sua primeira música foi escrita aos 17.

Hoje, Gabi soma seis músicas lançadas nas plataformas de streaming sendo a mais recente, intitulada Ressignificar, parte de seu primeiro álbum que está em processo de gravação, com previsão de lançamento para o final deste ano (2020).

Leia Mais