Connect with us

Coberturas

SDCC 2019 | Painel de Westworld discute mudanças na série da HBO

Série volta em 2020 e ganhou trailer inédito

Com a presença de elenco e criadores, o painel de Westworld, hit distópico da HBO, discutiu a nova fase da história e a adição de um novo importante personagem, Cabeb, interpretado por Aaron Paul. Também foram liberados novos pôsteres promocionais da série e um trailer recheado de cenas.

O palco estiveram os atores Jeffrey Wright (Bernard), Thadie Newton (Maeve), Evan Rachel Wood (Dolores/Wight), Tessa Tompson (Charlotte/Dolores), Aaron Paul (Caleb) e os co-criadores Lisa Joy e Jonathan Nolan.

A conversa começou com Nolan e Joy deixando suspense sobre a volta de Logan, personagem de Ben Barnes. O pai dele pelo menos, William/Man in Black, estará de volta como mostrado no trailer. Segundo Joy e Nolan o subtítulo e tema central da nova temporada será “A New World”. Pode subir a eterna referência à A. Huxley.

Sobre os parques, Nolan disse que não confirmaria se a terceira temporada deixaria, mas, conforme mostrado no trailer, Maeve, personagem de Thandie Newton ainda está servindo como atracão num parque da Delos, ainda sem nome, mas que retrata a Segunda Guerra, repleto de nazis. O personagem de Rodrigo Santoro, Hector, também foi visto no trailer encontrando Maeve.

Rachel Wood falou sobre a nova empreitada de Dolores, agora no mundo real “ela é um peixe fora d’água nessa temporada. Ela está mesmo sozinha… Ainda é cheia de surpresas e implacável, mas eu acho que suas interações com Aaron (Paul) a farão reavaliar o que acha da humanidade”.

O personagem de Paul, Caleb, é um trabalhador da construção civil, cheio de mistérios, mas que não frequentaria parques da Delos. Ele tem um robô com cara de robô chamado George, que trabalha junto com ele nas obras. Robôs aliás, estão por toda parte no mundo real, não os andróides dos parques. Um deles é inclusive abatido por guardas em uma das cenas dos trailers.

Sobre o desenvolvimento da história de Westworld, Nolan disse que a série “comeu como uma distopia”, mas a terceira temporada é “o melhor cenário”. “As AI que temos são reflexivas, mortais, mas reflexivas”.

Se a primeira temporada foi sobre o completo de divindade de Ford e o trato desumano de humanos para com andróides, a segunda sobre roubo de dados de clientes e vingança, a terceira será sobre “algoritmos deterministas”. Nolan, jogando um share na concorrência, disse que é o que a Netflix faz quando diz para o cliente o que deve assistir em seguida.

Jonathan adicionou que esta nova temporada é menos filosófica que as anteriores, lidando com coisas mais palpáveis. “Um das coisas divertidas da terceira temporada é que descartamos a ideia de metáfora e lidamos com o mundo como ele é, um enorme show de merda”.

A próxima a falar foi Tessa Thompson. Ela contou sobre como gostou de interpretar Charlotte por ser uma mulher de cor com muito poder dentro de uma empresa tão grande como a Delos. Thompson confessou que nem ela sabia que parte da segunda temporada ela era também Dolores, mas que agora pediu para Rachel Wood dicas sobre como interpretar a anti-heroína.

Jeffrey Wright se esquivou da questão sobre seu personagem, Bernard, ter sido programado para ser empático ou ter desenvolvido empatia. “Essa é a questão central da história, não?”.

Seguindo, Thandie Newton falou sobre os desafios que sua personagem passou na segunda temporada. Ela disse ter sido um dos momentos mais desafiadores de sua carreira. Newton deu pistas sobre a expansão da consciência de Maeve: “ela sabe agora que um peça de hardware muito cara, ainda assim ela é tratada com nenhum valor. Então eu amo como agora ela terá chance de barganhar seu valor pessoal”.

O moderador do painel perguntou aos conferencistas quais deles tinham auto-falantes inteligentes em casa, quais deles tinham carros automáticos e quais haviam se submetido aos testes de DNA em voga. A ideia foi mostrar para a plateia o quão próximos estamos do mundo de Westworld, uma visão do ano de 2050.

O último a falar foi Aaron Paul. Ele disse sempre ser atraído por personagens “com profundas e complicadas emoções”. Segundo ele, o papel de Caleb na história é “dar uma ideia de como é ser um humano vivendo nesse mundo louco e futurista”.

Westworld volta na HBO, HBO Go e HBO Max em 2020. Confira o trailer.

Continue lendo
Advertisement

Coberturas

Cinemark leva experiência ainda mais imersiva para a CCXP19

Rede de cinemas assina o principal auditório do festival e oferece experiência de alta qualidade ao público.

Por

Um dos espaços mais disputados da CCXP, o Auditório Cinemark XD retorna em 2019 ainda mais tecnológico. Parceira do festival desde 2015, a Rede Cinemark acaba de anunciar novidades que vão proporcionar uma experiência ainda mais real e imersiva para o público. Os conteúdos dos grandes estúdios, publishers e players do entretenimento mundial serão apresentados em uma nova tela de projeção, a Severtson SAT 4K, que é considerada uma das melhores do mundo. Já as projeções ficam por conta da Christie, empresa de tecnologia que leva para o festival o inovador sistema Laser RGB e garante uma qualidade maior de luz na tela, com 30 mil lumens. 

A cenografia será outro ponto alto do auditório, que é o maior da América Latina e tem capacidade para mais de três mil pessoas. Os cubos que aparecem no palco e no teto voltam com o dobro da quantidade em relação ao ano passado, tornando o espaço ainda mais imersivo e proporcionando ao público um verdadeiro show de cores. Em sua 6ª edição, o maior festival de cultura pop do planeta acontece entre 5 e 8 de dezembro, no São Paulo Expo. 

Além do auditório, a parceria entre a Cinemark e a CCXP também contará com as tradicionais pipocas salgadas e doces, refrigerantes, combos e outros produtos de snack bar nos diversos pontos de venda que estarão espalhados pelo evento. No lado externo, o Popcorn Truck está de volta, além de mais 11 carrinhos oferecendo os produtos da marca. Outra ação muito esperada pelo público é o lançamento dos produtos ligados ao universo geek que a rede leva especialmente para a CCXP – como baldes de pipocas e óculos 3D de Star Wars, Aquaman e da Capitã Marvel, lançados em edições anteriores. Em 2019, o tema ainda será revelado. 

“Desde o início buscamos uma parceria que oferecesse uma experiência inesquecível para o público. A CCXP e o Cinemark se unem a cada ano para criar ineditismo, mais qualidade, conforto e tecnologia para o Auditório Cinemark XD. É um case de como as marcas podem gerar valor e se superar a cada ano, criando detalhes que surpreendam os visitantes”, conta Otávio Juliato, CCO do Omelete&CO.

“Com a parceria consolidada, a Cinemark e a CCXP se unem mais uma vez com o objetivo de proporcionar ao público uma experiência especial do início ao fim. Este ano, o Auditório Cinemark XD vem com tecnologia, qualidade e conforto ainda maiores. Estar na CCXP e nos conectar com o universo pop é um momento ‘épico’ para a marca já que os fãs de quadrinhos, games e filmes são os mesmos que frequentam as nossas salas”, ressalta Bettina Boklis, diretora de Marketing da Rede Cinemark.

Continue Reading

Coberturas

CCXP19 entra no calendário oficial dos 80 anos do Batman e anuncia tema das credenciais

As reinterpretações das artes clássicas do Homem-Morcego são assinadas por Rodrigo Bastos Didier.

Por

Lá se vão 80 anos desde que Bruce Wayne apareceu pela primeira vez em “Detective Comics #27”, como símbolo de bravura, determinação e justiça. Para celebrar o marco, a DC Comics preparou um ano inteiro de comemorações ao redor do mundo, com direito a hashtags especiais (#Batman80 e #LongLiveTheBat), parcerias com grandes marcas para venda de produtos licenciados, participações em eventos e maratonas em canais de TV.

E quem acaba de entrar para esse calendário oficial é a CCXP19, que acontece entre 5 e 8 de dezembro, no São Paulo Expo. O anúncio do Batman como tema das credencias, realizadas em parceria com o Telecine, patrocinador do evento, é a primeira ação comemorativa anunciada pelo festival.

Ao longo dos últimos 80 anos, os traços do personagem mudaram e seu uniforme ganhou novos contornos. Por isso, cada um dos sete tipos de credencial irá homenagear uma fase diferente do Batman.

As reinterpretações das artes clássicas do Homem-Morcego são assinadas por Rodrigo Bastos Didier, ilustrador convidado exclusivamente para elaborar as credenciais. No site da CCXP, os fãs terão uma área exclusiva com a história de cada uma das ilustrações, além de todos os detalhes que forem divulgados sobre a programação da comemoração do aniversário do Batman. Basta acessar www.ccxp.com.br/batman80anos.

Sobre as credenciais

EPIC EXPERIENCE – 1939/40, Clássico: Batman surge em 1939 inspirado nas séries pulp e no sucesso estrondoso do Superman. A criação de Bob Kane e Bill Finger ganhou um companheiro de aventuras no ano seguinte, quando Robin foi apresentado em Detective Comics #38. A imagem retrata o personagem em uma de suas primeiras jornadas no combate ao crime, em histórias detetivescas e sombrias como a personalidade do Homem-Morcego daquela época.

FULL EXPERIENCE – 1966 (TV) Adam West: A chamada “Era de Ouro” dos quadrinhos nos EUA terminou com uma verdadeira caça às bruxas: o livro a “A Sedução do Inocente”, do psiquiatra alemão Fredric Wertham, publicado em 1954, acusava as HQs de levar à delinquência juvenil e mesmo a Dupla Dinâmica foi alvo de acusações. O resultado foi uma grande mudança no mundo dos quadrinhos e um retorno às histórias mais leves, marca da Era de Prata das HQs. Foi nesse contexto que a série do Batman ganhou as TVs do mundo todo com muitas cores, onomatopeias e humor camp, dando início à primeira onda da Batmania. É uma das versões do personagem mais lembradas pelo público até hoje.

4 DIAS – 1970, Neal Adams: No início da década de 1970, Neal Adams e o roteirista Dennis O’Neil, sob o comando do editor Julius Schwartz, assumiram a revista do Batman, que voltou a ter histórias mais urbanas, dramáticas e realistas, ganhando inclusive novos personagens, como Ra’s Al Ghul. Era o retorno do Batman detetive, que no desenho de Adams ficou mais atlético e dinâmico, servindo de referência visual para o personagem ao longo de muitas décadas. 

QUINTA – 1986, Frank Miller: O Cavaleiro das Trevas é um marco da cultura pop. Lançado nos EUA em 1986, conseguiu ao mesmo tempo renovar o Homem-Morcego, então um personagem com quase 50 anos de existência, atrair um novo público leitor para os quadrinhos e contribuir para que as HQs fossem vistas como leitura também para adultos e como forma de arte. A obra máxima de Frank Miller é até hoje uma das maiores influências dentro e fora dos quadrinhos.

SEXTA – 1992 (TV), Série Animada: Na estreia do enorme sucesso do filme de 1989, que deu novo fôlego à Batmania no mundo, “Batman: A Série Animada” chegou às TVs em 1992 e rapidamente se tornou uma das mais fiéis representações do personagem fora das HQs. Produzida por Bruce Timm, Alan Burnett e Eric Radomski, com roteiros de Paul Dini, a animação estabelece o Batman em uma Gotham City art déco, com histórias complexas e visual sofisticado, que influenciou boa parte das animações que vieram nos anos seguintes. Foi nessa série de TV que surgiu uma das personagens favoritas dos fãs, a Arlequina.

SÁBADO – 2008 (Cinema), O Cavaleiro das Trevas: Why so serious? O segundo capítulo da trilogia de Christopher Nolan é constantemente citado nas listas dos melhores filmes americanos de todos os tempos. O filme também ficou marcado pela magistral interpretação de Heath Ledger no papel do Coringa, trabalho premiado com um Oscar póstumo de Ator Coadjuvante. 

DOMINGO – 2000 (Atualidade), Jim Lee: Desde a saga de quadrinhos “Silêncio”, de 2002, o desenho de Jim Lee para o Homem-Morcego representa a interpretação moderna do personagem, encontrada tanto nos quadrinhos quanto em uma infinidade de produtos.

Continue Reading

Coberturas

FASE QUATRO & ALÉM | Tudo sobre o Universo Cinematográfico Marvel nos próximos anos

A Fase Quatro foi finalmente anunciada e com ela muitas surpresas esperam os próximos dois anos do MCU

Com o anúncio chocante feito por Kevin Feige na Comic Con, temos oficialmente os filmes e séries que farão parte da consolidação do legado do MCU e constituirão a tão aclamada e, agora, esperada fase quatro. Essa nova era vai contar com um total de dez projetos, havendo uma divisão igualitária entre os filmes da Marvel e agora o novo sistema de streaming, o Disney +, onde cada uma dessas plataformas vai contar com cinco projetos cada. Além disso, algo que ficou claro com o anúncio desse novo catálogo do que esperar da Marvel, é o tempo de duração dessa nova fase. Enquanto os ciclos anteriores (fases 1-3) contavam com longos anos de produção, tendo a última levado quatro anos para se concretizar, a fase quatro da Marvel vai se passar num espaço de tempo de somente dois anos, tendo seu inicio em Maio de 2020 e finalizando em Novembro de 2021.

  • Viúva Negra ( 1.5.2020)

Iniciando essa nova fase da Marvel temos o filme solo da Viúva Negra, um projeto que tem sido demandado por anos pelos fãs, e especialmente, por Scarlett Johansson. O filme entretanto não vai servir de ponto de partida na questão de construção de mundo, visto que o filme vai explorar elementos do passado da personagem, especialmente seu relacionamento com o treinamento que recebeu do quarto vermelho KGB. Viúva Negra vai contar também com a presença da expansão no legado do título da agente, visto que a personagem de Florence Pugh foi confirmada como Yelena Belova, outra agente do quarto vermelho que também é designada de Viúva Negra, forçando assim a Romanoff encarar seu passado e o significado de suas origens.

  • O Falcão e o Soldado Invernal (2020)

O primeiro show do Disney+ não poderia ser nenhum outro se não aquele que continuaria o legado de seu Capitão América. Nessa nova propriedade, vemos Bucky Barnes e Sam Wilson seguindo suas aventuras em eventos pós Ultimato, onde não temos mais a presença do símbolo de liderança que era Steve Rogers. O relacionamento entre os personagens vai sofrer alterações, criando uma nova dinâmica, onde não somente os heróis vão sair da sombra do Capitão América como especialmente Sam Wilson, que vai aprender a se tornar seu próprio simbolismo de liberdade e coragem, assumindo de vez o escudo que o foi deixado no final da Saga do Infinito. Além disso, uma das notícias mais interessantes dessa série é o retorno de Daniel Bruhl como Barão Zemo, tendo ainda sido confirmado que o personagem vai ser muito mais fiel aos quadrinhos do que em sua primeira aparição, usando desta vez o traje roxo tão característico do vilão.

  • Eternos (5.11.2020)

Os Eternos são na verdade um grande mistério dentro do MCU, servindo como uma história de origem séculos antes de qualquer evento já apresentado dentro do universo consolidado da Marvel. O filme vai abordar a história de seres celestiais, que possuem grandes poderes e a habilidade de alterar o universo ao seu redor da maneira como bem entenderem. O longa é uma propriedade espacial do MCU, avançando esse ponto focal que tivemos com filmes como Capitã Marvel, Thor e Guardiões da Galáxia. Além de ter uma responsabilidade imensa, sendo um filme que pode alterar nossa visão do MCU e de razões por eventos passados terem acontecidos, Eternos conta com um elenco de peso, tendo nomes importantes como Richard Madden e especialmente Angelina Jolie associados ao projeto.

  • Shang-Chi (12.02.2021)

O primeiro herói asiático a possuir um filme solo de todos, Shang-Chi conta como uma expansão literal, mas especialmente, econômico-cultural para o MCU. Com Simu Liu sendo escalado no papel título e Awkafina sendo sua protagonista oposta, o filme busca uma expansão para o mercado cinematográfico gigantesco da China, criando laços com essa cultura e expandindo a diversidade dentro do Universo da Marvel. O filme contará a história de Shang-Chi, um dos maiores lutadores de todo o universo, que é especialista em todos os tipos de artes marciais e é capaz de derrotar adversários poderosos e detentos de habilidades meta-humanas simplesmente usando seu treinamento. Esse projeto, além de servir como uma grande expansão cultural para a Marvel, vai servir de redenção para um dos personagens mais criticados já estabelecidos pela companhia, com a adição de Tony Leung como o vilão Mandarin, reabilitando assim a imagem do personagem após o fracasso de Homem de Ferro 3.

  • Wanda Vision (2021)

Seguindo o calendário de lançamentos do MCU, temos um dos show mais aguardados Disney+. Wanda Vision tem como foco o personagem de Elizabeth Olsen, Feiticeira Escarlate, e de Paul Bettany, o Visão, e no desenvolvimento do relacionamento dos dois personagens como casal, a série possivelmente vai se passar em flashbacks, usando do tempo que eles se aproximaram ainda mais em intimidade pós Guerra Civil. No entanto, a maior surpresa dessa série é na verdade a introdução de Monica Rambeau, que agora em sua versão adulta, será vivida por Teyonah Parris. A personagem foi nós apresentada primeiro em Capitã Marvel, sendo a “sobrinha” de Carol Denvers, que já apresentava tendências heróicas. Nos quadrinhos, Rambeau se torna agente da S.H.I.E.L.D e após desenvolver seus poderes cósmicos, assume o manto de Espectro. A série deve servir de ponto de origem para a personagem, mostrando seu crescimento desde agente até super heroína .

Teyonah Parris, atriz que foi escalada para dar vida a Monica Rambeau em Wanda Vision

  • Doctor Strange and the Multivers of Madness (7.5.2021)

Provavelmente um dos anúncios mais excitantes desse painel, a continuação da história de Stephen Strange vai contar com os elementos chave para a construção do tão aguardado Multiverso dentro do MCU e com ele um mundo inteiro de possibilidades. O filme, além de apresentar um dos títulos mais provocativos nesse catálogo, vai contar com a presença da Feiticeira Escarlate como uma das personagens principais dentro desse universo magico, confirmando assim as teorias de que Wanda Maximoff além de seus poderes derivados das jóias do Infinito, também praticava magia. A presença de Maximoff nesse filme é de suma importância, com muitos acreditando que seria ela a responsável pela criação da fenda do multiverso, devido a falta de controle que ela detém juntamente com um estado mental fragilizado, algo que já tem sido construído desde Guerra Civil e, agora, consolidado em Ultimato em sua batalha contra Thanos.

  • LOKI (2021)

Como já dizia Game of Thrones: ”O que está morto não pode morrer”. E é por isso que em 2021, juntamente do Disney+ teremos o retorno de um dos vilões mais celebrados da Marvel, com a série original focada no Loki. Pouco se sabe até então sobre o projeto, no entanto é confirmado de que Tom Hiddleston estará reprisando o papel e que ele retornará a suas origens, na forma de vilão. Essa série vai abordar uma linha alternativa, criada nos eventos de Ultimato, onde vemos o personagem de Hiddleston escapar com o Tesseract.

  • WHAT IF (2021)

What If é o primeiro projeto do MCU em animação. Seguindo os passos e sucesso de Homem-Aranha no Aranhaverso, o Disney+ juntamente com a Marvel vai focar numa série somente nesse formato. What If vai ser diferente de tudo já feito dentro da Marvel, servindo como uma forma de brincar com as histórias e respondendo perguntas como: E se o soro do super soldado fosse dado para a Peggy?. Essa nova série vai lidar com realidades alternativas ao mesmo tempo que trazendo elementos de nostalgia, com os atores já veteranos da casa, dublando suas versões animadas. Além disso, adicionando mais peso, histórias focadas em personagens como o Hulk e o Homem-Formiga já foram confirmadas por Feige.

  • Hawkeye (2021)

Baseado diretamente num dos arcos mais adorados pelos fãs do personagem, a série do Gavião Arqueiro vai pegar emprestado da mente de roteiristas Matt Fraction e David Aja para desenvolver uma história focada em legados. Nesse novo projeto, além do retorno de Jeremy Renner como Clint Barton e uma visão mais aprofundada no período em que o personagem se tornou Ronin, visto brevemente em Ultimato, seremos introduzidos a Kate Bishop, a prodígio que herda o manto de Gaviã Arqueira. Além de ser uma das personagens mais aclamadas pelos fãs na continuidade atual da Marvel, a dinâmica de mestre e aprendiz de Barton e Bishop se tornou um dos momentos mais memoráveis para consolidar o legado do Gavião Arqueiro nos quadrinhos.

  • Thor: Love and Thunder (5.11.2021)

Fechado a fase quatro do MCU, temos o retorno de um dos veteranos, com o anúncio de um quarto filme da franquia focado do Thor. Esse projeto quebra uma das regras não verbais da Marvel, que além de suas aparições dentro dos Vingadores, cada ator teria uma trilogia para chamar de sua. Love and Thunder entretanto não terá seu ponto focal no Thor de Hemsworth, mas sim na reintrodução do personagem de Natalie Portman dentro do MCU, após sua ausência em Ragnarok. Jane Foster, no entanto, agora não é mais a donzela em perigo e interesse amoroso do Thor, tendo seu personagem ganhando mais importância e complexidade, no momento em que um dos arcos mais consagrados dos quadrinhos vai tomar forma nas telas. Trazendo uma história focada no câncer terminal de Jane Foster e o encontro da mesma com Mjolnir e assumindo o manto da Deusa do Trovão, se tornando Lady Thor.

  • BLADE

No entanto, como todos nós já sabemos, Kevin Feige não se tornou o titã dentro da indústria cinematográfica de maneira leviana, tendo se apoiado na combinação em seu amor por quadrinhos e eu seu intelecto como empresário de maneira brilhante. E é por isso, que ao fim do painel apresentando a fase quatro do MCU, também se foi anunciado o que o futuro mais distante da Marvel tem reservado para nós. Mahershala Ali, ganhador de dois Oscars por papei em Green Book e Moonlight, foi oficialmente anunciado como Blade, o caçador de vampiros. Esse anúncio não somente adiciona um ator de peso dentro da família Marvel, como também introduz um dos personagens mais desejados pelos fãs dentro do MCU.

Continue Reading