Connect with us

Otaku

Sailor Moon | Animê será reexibido no Brasil em 2019

Licenciador não revelou qual emissora de TV será a responsável pela transmissão.

Em vídeo publicado na manhã desta quinta-feira (13) – pelo site JBox no Youtube – o representante da Toei Animation no Brasil, Daniel Castanheda, confirmou que o animê Sailor Moon deve retornar à TV brasileira em 2019.

Castanheda não confirmou em qual emissora, mas garantiu que o plano é retransmitir a série clássica de Sailor Moon – agora em alta definição – na TV aberta a partir do primeiro trimestre do ano que vem. O diretor de licenciamento garantiu também que a estratégia visa inserir na sequência o remake Sailor Moon Crystal e se baseia no sucesso que a série alcançou recentemente no México.

Sailor Moon estreou no Brasil pela primeira vez em 1996 na extinta TV Manchete. No ano 2000, o Cartoon Network trouxe  a segunda fase – Sailor Moon R – e as sagas restantes (Sailor Moon S, Sailor Moon Super S e Sailor Moon Stars). Em 2001 retornou à TV aberta na TV Record no programa Eliana & Alegria com reexibição da primeira temporada.

Já a série remake, Sailor Moon Crystal, estreou em 2014 é a versão adaptada que segue de forma fiel os eventos do mangá. No Brasil já está disponível desde o lançamento pela Crunchyroll.

Outras produções

Na oportunidade, Daniel Castanheda também falou sobre outras franquias licenciadas pela empresa. Sobre Saint Seiya: Saintia Sho, além da confirmação da exibição pela Crunchyroll, informou que a produção do animê está atrasada e não tem data certa para alcançar o mangá (que deve finalizar em 2019) com tudo podendo ser concluído somente em 2020. Também não confirmou a realização de dublagem para o português em razão dessa situação.

Sobre One Piece, Castanheda confirmou que há interesse da Toei em licenciar o animê para plataformas digitais no final de 2019 com redublagem, mas não confirmou qual serviço de streaming será utilizado.

Continue lendo
Advertisement

Crítica

Crítica | Black Fox

Co-produção da Crunchyroll, animê mistura sci-fi com ninjas.

Após o muito frisson promovido, finalmente pudemos ver o resultado de Black Fox, animê original produzido pelo estúdio 3Hz (em parceria com o estúdio Infinite) e a presença da Crunchyroll no comitê de produção.

Saindo em formato de longa-metragem, a animação surpreende em visual e em markerting – sendo licenciada no Brasil e outros países com cobertura da Crunchyroll um dia antes da estreia nos cinemas japoneses neste fim de semana – e se configura não mais como uma aposta, mas sim numa alternativa muito positiva ao serviço de streaming dedicado ao público otaku (mas não é o momento de comentar isso, talvez em um artigo).

Com a premissa de um sci-fi, Black Fox reúne elementos como IAs e disputas corporativas por tecnologias de potencial militar ao universo mais que amado dos shinobis ao introduzir a jovem Rikka Isurugi em uma vingança por sua família ao lado de “animais” robóticos superinteligentes e de personalidades destoantes. Junte a isso uma garota telapata e um cientista louco e… bom, poderíamos ter uma trama perfeita.

Não entenda errado! Não estou dizendo que Black Fox é um filme ruim. Pelo contrário, gostei bastante da experiência e me senti cativado pelas personagens apresentadas. Na verdade, acho que como um filme de origem, o longa-metragem cumpre bem o seu papel de nos inserir na história de Rikka e creio que tem tudo para se desenvolver em uma boa série de animê em um futuro não tão distante. Sério, estou muito a fim de ver Rikka, Mia e Melissa no combate ao vilão Brad Ingram.

Todavia, não esquecendo que Black Fox é um filme, temos muitas questões no roteiro que desanimam bastante. O segundo ato, em específico, é muito prejudicado com a maneira escolhida para dar sequência aos acontecimentos. A forma como Rikka e Mia desenvolvem sua conexão acaba ocorrendo de maneira um pouco rasa mesmo sendo perceptível que em suas essências ambas são distintas demais uma da outra em relação ao carinho e o afeto daqueles ao seu redor.

Considerando o tempo de duração do filme (90min) – que não foge do padrão da cena, mas poderia ser um pouquinho maior – temos uma minutagem aproximada à de 4 episódios sem abertura e encerramento. É observando isso que se percebe que o segundo ato (que equivaleria a dois episódios) poderia trabalhar de forma bem mais efetiva o contato entre as duas garotas e, assim, preparar melhor o público para o clímax.

Isso não tira méritos da direção de Kazuya Nomura e Keichi Shinohara, que contam com um trabalho relativamente bem feito pelo time do 3Hz , que tem entre seus principais trabalhos Sword Art Online Alternative: Gun Gale Online (2018). Outro ponto superpositivo são as presenças de Ayaka Nanase e Haruka Tomatsu nas vozes de Rikka e Mia. Talentosíssimas!

A experiência de poder ver o filme nos mesmo período de sua estreia em solo japonês é um outro atrativo e espero que isso se repita em muitos outros momentos. Volto a afirmar, Black Fox tem tudo para ser uma história memorável. Só depende das escolhas a serem feitas. Minha sugestão é que em vez de um segundo filme tenhamos uma série animada para TV/streaming com 12 episódios para dar sequência à trama.

Continue Reading

Artigo Otaku

Artigo Otaku |O que esperar de Saint Seiya (Parte 01)

Você está jogando o mobile game Saint Seiya Awakening: Knights of the Zodiac? Bom, se você é fã da franquia merece dar uma chance ao jogo apenas para experimentar um passatempo com bom design de personagens, cut scenes e trilha sonora referente à animação clássica de 1986.

Como pode ter percebido, eu estou jogando. Recém chegado ao Brasil tanto para Android quanto iOS, o mobile RPG reúne elementos da história principal com a jogabilidade do gênero de forma a proporcionar uma boa relação com o jogador.

Recentemente também a Netflix Brasil inseriu em seu catálogo a aclamada Saga de Hades completa com seus três capítulos (Santuário, Inferno e Elísios) realimentando o hype para a chegada da versão clássica e seus 114 episódios, que deveria ter ocorrido em agosto, mas já foi confirmado para 15 de outubro próximo. Isso sem falar do reboot feito pela própria Netflix que deve ter a segunda parte da primeira temporada disponibilizada até o final do ano (segundo rumores).

Tudo isso acaba que construindo um debate acerca da relevância de Saint Seiya para a indústria de entretenimento e perguntas sobre o que ainda se pode esperar.

(Teaser de pré-registro do mobile game Saint Seiya: Awakening)

Uma franquia tão longeva quanto essa certamente tem pontos fortes e fracos dividindo a opinião do público. Para Saint Seiya isso é muito notório quando se fala na composição desse público, que conta com fãs na média dos 40 e 30 anos (os mais antigos) e outros com 20 a 10 anos (incluindo os mais recentes). Ainda nessa composição há aqueles que se encaixam no fandom otaku e há aqueles que não se consideram/fazem parte deste nicho.

Assim, temos quem considere Saint Seiya – que por aqui ficou conhecido como Os Cavaleiros do Zodíaco – algo que chega ao ponto de ser tosco devido a problemas no roteiro, psicologia das personagens, estética de traços etc. Temos também quem tome a trama como uma obra-prima da mídia mangá/quadrinhos e que isso se repete em seus desdobramentos midiáticos.

Reconheço (correndo o risco de ter minha carteirinha de otaku confiscada) que faço parte do segundo grupo e amo a obra com muita paixão. Só que (em minha defesa) sou crítico o suficiente para observar o quão deficiente é a narrativa criada por Masami Kurumada em 1985 (data do mangá original). É nesse raciocínio que entramos na seara a respeito do que esperar. Antes recapitulemos o que já feito.

Em 3DCG, Knights of the Zodiac é o reboot mais recente que a franquia recebeu. (Fonte: Netflix)

Os desdobramentos de Saint Seiya e o público

Desde 2008, quando do lançamento da última parte do OVA (Original Video Animation) da Saga de Hades, os fãs se perguntavam qual seria o destino da franquia. Já existiam possibilidades. Em 2004, o longa-metragem Prólogo do Céu abriu as porteiras para uma possível batalha contra os Olimpianos. Desenvolvido a partir dos rascunhos do que viria a se tornar dois anos depois na prequel-sequel do mangá original denominada “Next Dimension”, o filme quase colocou em risco a conclusão da Saga de Hades, que só rolou quatro anos depois com qualidade inferior ao que havia sido feito nos seus treze primeiros episódios (Capítulo – Santuário).

O que se sabe é que o resultado final do filme não teria agradado algumas pessoas – entre elas o próprio Masami Kurumada -, mas a mensagem que ficou era de que para a Toei Animation já não havia mais prioridade para a franquia no estúdio, o que seria algo natural dado o passar do tempo. Saint Seiya era bem sucedido, mas nunca foi o maior campeão de vendas na indústria (num contexto local e mundial com exceções como França, Brasil e México, por exemplo).

Entre os fãs, muito se especulou que o Episode G pudesse ganhar sua versão em animê. Spin-off publicado desde 2002 (em 20 volumes no momento), o mangá desenhado por Megumi Okada tem traço destoante demais do que havia feito Masami Kurumada e Shingo Araki (na versão animê) com a história principal.

Arte com os design andrógino de Saint Seiya: Episode G e os Cavaleiros de Ouro do séc. XX. Narrativa mais densa e proposta de traço alternativo cativa os fãs, mas nunca foi adaptada em outras mídias (Arte: Megumi Okada / Revista Champion Red Ichigo)

Mesmo não virando animê, o Episode G tornou-se um material muito particular aos fãs mais aficionados pelos Cavaleiros de Ouro e rendeu mais duas publicações: Episode G- Volume 0: Aiolos, uma prequel; e Episode G ~Assassin~, que é uma sequel alternativa aos eventos do mangá original pós-Hades. Esse último foi iniciado em 2014 e terminou recentemente em agosto de 2019 confirmando o retorno de seu antecessor à publicação.

Os fãs dos Cavaleiros de Ouro, que ficarão ainda por algum tempo sem poder ver como ficaria a batalha dos Santos Dourados contra os Doze Titãs, tiveram suas esperanças maltratadas em 2015 quando da estreia do ONA (Original Net Animation) Saint Seiya: Soul of Gold, que veio como um spin-off da Saga de Hades onde os Cavaleiros de Ouro mortos no Muro das Lamentações vão para nas terras gélidas de Asgard (numa clara referência ao emblemático filler Saga de Asgard da série clássica) e combatem as intenções malignas do deus nórdico Loki.

Cena em Soul of Gold que fez a animação alvo de muitas críticas pelo péssimo trabalho de finalização no character design. Abaixo a mesma cena foi refeita em um review do episódio seguinte e traz algumas melhorias, mas ainda deixa desejar. (Fonte: cavzodiaco.com.br)

Embalada pela vontade de vender action figures (bonecos!), a Bandai Tamashii Nations – que detém os direito de imagens da franquia para linha de colecionáveis – lançou em 2014 (durante a CCXP) a linha de action figure com as 12 Armaduras de Ouro em sua forma divina e ainda fez apresentação do primeiro episódio do animê, que seria a peça de publicidade dos bonecos. Sem dúvida uma linha de colecionáveis que mexe com o coração dos mais apaixonados pela franquia.

Já não se pode dizer o mesmo do animê, onde a Toei Animation trouxe uma animação muito aquém do que vinha sendo aplicado nas demais produções da franquia, como é o caso de Saint Seiya: Ômega (falaremos dele na parte 02!). Com design de personagem questionável, erros de proporção e finalização, a série, que poderia ficar para a posteridade como algo memorável, veio a se tornar uma das chacotas do mundo otaku.

Muito outras chacotas ainda existem na franquia, que nesse período apresentou potenciais produtos de sucesso que por alguma razão não deslancham na aceitação do público geral ou do fandom especializado. O que não quer dizer que não haja coisas boas e valor simbólico entre os tantos desmembramentos já realizados e aqueles que poderão vir a existir. Assunto para a segunda parte deste artigo especial.

E você: já sentiu o cosmo?

Continue Reading

Artigo Otaku

Artigo Otaku | O que muda com a vitória de Ash

A vitória veio. Mas e agora? Essa é a verdadeira questão a ser respondida

Há várias formas de se responder essa pergunta.

Uma delas é uma que corre pela tangente devido ao nosso pouco (ou nenhum!) poder de decisão dentro da Toei Animation para definir como a série de TV que está há 22 anos no ar irá se comportar. Dito isso o que se pode formalizar aqui é que não sabemos o que pode mudar.

Não sabemos, porque é um mistério de verdade. No primeiro dia de setembro descobrimos que a nova temporada da série de TV, que comumente estreia concomitantemente ao lançamento da nova geração da franquia nos jogos (Sword & Shield), pretende retomar elementos das gerações anteriores tendo até mesmo seu logo oficial em japonês retornado ao modelo da primeira temporada em 1997.

Intensifica esse hype sobre o que aguardar na nova fase da animação a vitória de Ash Ketchum em uma Liga Pokémon. Por longo desse tempo todo, nos acostumamos a vê-lo ralando duro para chegar à liga e no final não ser recompensado com a vitória. Há quem cogite que finalmente irão aposentar a personagem, pois afinal de contas o seu plot finalmente foi alcançado. Eu duvido! Antes, vamos recapitular sua jornada.

Dos seis torneios anteriores a Alola, somente a Conferência do Planalto Índigo (Liga Pokémon de Kanto), na primeira temporada, tinha um hype menor em termos de expectativa do público pelo vencedor. Isso porque Ash era um iniciante (ficou no Top 16). Nem fazia sentido ele ganhar.

Já em Johto, na Conferência de Prata, tivemos algumas reviravoltas absurdas. Ash era um treinador melhor do que havia sido na liga anterior e até mesmo já havia conquistado um campeonato de menor expressão como a Liga Laranja. Após uma árdua batalha contra Gary Carvalho – e uma vitória – somos surpreendidos por um participante vindo da Região Hoen com pokémon desconhecidos pelo protagonista até então, que acaba caindo assim nas Quartas-de-Final (Top 08).

Na Conferência de Ever Grande (Liga Pokémon de Hoen) esses resultados favoráveis se converteram numa expectativa para a primeira vitória em torneios oficiais. Expectativas destruídas por um Meowth-de-Botas, onde Ash repetiu o Top 08. Dessa vez perdendo para o futuro campeão. Após isso ainda rolou uma aventura pela “Batalha da Fronteira” e mais uma vitória de Ash em competições menores/amadoras. Já na Conferência do Lírio da Ilha Valley, onde já não havia nenhum erro – para os fãs – que a vitória viria (ainda mais após a dura batalha contra o rival Paul), temos um tal Tobias com alguns pokémon míticos e lendários no time batendo de frente com Ash e vencendo a competição da Liga Pokémon de Sinnoh. Esse Tobias, eu desconfio, só pode ser um dos clientes de J, a Caçadora de Pokémon, porque ter um time com dois pokémon poderosos como Darkrai e Latios (e nem chegamos a conhecer os demais!) não me parece ser algo natural. Fanfic minha a parte, esse foi o Deus ex machina mais louco da franquia para evitar a vitória de Ash, que ficou no Top 04.

Teaser liberado em 01 de setembro de 2019 no canal oficial da franquia no Japão

É em Unova que realmente temos a certeza de que Ash nunca ganharia uma Liga Pokémon. Após um roteiro absurdo que transformou o herói em algo bem próximo de um iniciante, vimos Ash chegar somente ao Top 08 após batalhas sofríveis. Virgil, o treinador de eevolutions foi o campeão (quer fanservice melhor que esse?). Em Kalos, sem esperanças em nada, somos iludidos outra vez com uma campanha majestosa que gerou revolta nos fãs pelo mundo. Chegando em sua primeira final – e com um bom time – Ash perde de forma dura para Alain, que vence a Conferência de Lumiose e sagra-se campeão. Muitos contestam a vitória de Alain. Eu, pelo contrário, acredito que ela é que mais tem lógica na série de TV. Todos os demais vencedores até então apareceram somente quando da realização da Liga Pokémon. Alain, no entanto, aparece bem mais cedo e até mesmo é protagonista dos OVAs destinados ao tema das Mega Stones. Uma vitória construída.

Assim, chegamos a Liga Pokémon de Alola, que acontece em sua primeira edição. E aqui a frustração! Uma Liga Pokémon aberta, sem a necessidade de classificação por meio de Batalhas de Ginásio. Dessa forma, NUNCA a Liga Pokémon de Alola terá o mesmo peso e respeito que as anteriores. Mas deixa estar. Ash venceu uma liga oficial.

E agora?! O que muda? A iminência de um reboot assombra alguns e anima outros (muito mais anima que assombra, na verdade). Isso porque nos filmes da franquia já tivemos tal feito. Desde 2017, com Pokémon the Movie: I Choose You!, a história de Ash Ketchum recomeçou nos cinemas. o que parecia ser só um ato de celebração do 20 anos do animê deu lugar a uma sequência, Pokémon the Movie: The Power of Us em 2018, que deixou bem nítido que essa parece ser a tendência a ser seguida. Em 2019 só não se repetiu tal lógica porque optou-se por celebrar os 20 anos do filme Pokémon the Movie: Mewtwo Strike Back ( o primeiro!) com o remake do longa-metragem em um 3DCG chamado Mewtwo Strike Back Evolution. Para o ano que vem já se sabe que não teremos 3DCG no cinema. Tudo indica que a lógica do reboot iniciada em 2017 deve se repetir.

Dessa maneira, com um reboot que deu certo no cinema, por que não fazer o mesmo na TV? Parece promissor. Contudo, como fica a Região de Galar? Pelo teaser já apresentado sabemos que ela estará lá. Agora é aguardar pelo dia 29 de setembro, quando um trailer completo sobre a nova temporada será disponibilizado.

Agora, se me perguntarem o que muda com a vitória do Ash a minha resposta é:

NADA!

A série seguirá seu rumo independente de haver ou não mudanças na TV. Consolidada, Pokémon – agradando ou não – sempre será tema de debate entre roda de amigos e redes sociais, fazendo assim jus ao status de maior franquia de entretenimento do mundo.

Até a próxima e… Sayonara!

Continue Reading