Um dos mais famosos showrunners da atualidade, Ryan Murphy, assinou um contrato milionário com a Netflix e, a partir de julho deste ano, o americano passará a produzir séries exclusivas para a plataforma de streaming.

Segundo o The New York Times, o criador de séries de grande sucesso na Fox e FX, tais como Glee, American Horror Story, American Crime Story, Feud e a mais recente, 9-1-1, receberá 300 milhões de dólares. Ryan também terá a liberdade para fazer filmes ou documentários além de séries. O contrato é de cinco anos e significa que todos os novos projetos dele a partir do meio do ano terão o selo “original Netflix”.

Sobre a mudança de Fox para Netflix, ele disse: “Tenho consciência da história deste momento. Sou um gay de Indiana que se mudou para Hollywood em 1989 com 55 dólares no bolso, então o fato dos meus sonhos terem se tornado realidade de uma forma tão grande é emocionante para mim.”

Ryan já tinha dois projetos com a Netflix, que seriam feitos por meio do estúdio do canal Fox e distribuídos no streaming, um com Sarah Paulson e outro com Barbra Streisand.

Em 2017, o mundo se chocou com a notícia de que Shonda Rhimes também assinou contrato com a Netflix. Porém, ela continuará a trabalhar nas suas séries já existentes do canal ABC, como Grey’s Anatomy e How to Get Away with Murder.

Com Ryan não será diferente. Ele não assina mais as produções de suas criações como diretor ou roteirista, mas se mantém como produtor executivo de todas as suas séries da Fox e FX.

O acordo parece ter sido fechado após Murphy questionar sua posição como um dos principais produtores da FX após a venda da FOX para a Disney.

A saída, nesse contexto, chega a colocar água no lance entre a Disney e a FOX, uma vez que Murphy era parte do acordo, tendo sido usado pelas empresas de Murdock como vitrine para a venda.

Segundo uma pessoa de dentro da indústria tem dito à todos os portais, o que faz dela possivelmente o próprio Murphy “o acordo de uma vida para o artista de uma vida”.

“As séries de Ryan Murphy influenciam o estilo de vida cultural do globo, reinventando os gêneros e mudando o curso da história da televisão. Sua dedicação implacável para a excelência e para dar voz aos sub-representados, para mostrar uma perspectiva única ou simplesmente para chocar ‘o inferno fora de nós’, impregna seu trabalho que fragmenta o gênero “, declarou Ted Sarantos, diretor de conteúdo da Netflix.