Connect with us

Últimas

‘Os Simpsons’ é renovado pela Fox, mas não afasta boatos de cancelamento

Entenda como isso não garante que a animação continuará depois disso.

Entre as produções que estão no centro do debate sobre o que vai sobreviver à fusão de Fox e Disney, “Os Simpsons” é uma das que mais gera temor no público por já estar há 30 anos colecionando fãs e ironizando o modo de vida americano. Em meio há tantos boatos, a Fox anunciou a renovação da animação por mais duas temporadas.

Essas duas temporadas são, respectivamente, a 31ª e 32ª da franquia, que terminaria de ser exibida em 2021, e, com isso, deve passar de 700 episódios. De acordo com a revista Variety, essa renovação foi feita na condição de reduzir os investimentos nesses novos episódios em comparação à temporada atual.

Pelo que divulgou a revista no fim de janeiro, essa renovação não afasta os rumores de que essas seriam as últimas temporadas da família amarela, já que faz um tempo que Os Simpsons já não dá mais lucro ao estúdio, que paga caro por episódio e o valor da publicidade não tem bancado os custos.

Ainda mais porque quando mais tempo uma produção fica no ar, mais cara ela se torna. O cachê do elenco, por exemplo, se valoriza: cada um dos seis dubladores principais da série recebe US$ 300 mil (R$ 1,1 milhão) por e-p-i-s-ó-d-i-o. Dez vezes mais do que os cachês do primeiro ano.

O que ainda em salvado a pele dos Simpsons é que essa despesa toda cai na conta do estúdio 20th Century Fox. Assim, o rombo no caixa da TV consegue ser tapado com a venda de DVDs e os direitos de reprise em outros canais.

Entretanto, essa calmaria tem prazo para acabar: quando a 20th Century Fox for oficializada como parte da Disney. A Fox permanece onde está, não faz parte do acordo, e, assim, não conseguirá arcar com os custos de “Os Simpsons” sozinha.

Outro dificultador para a Fox é que os acordos de reprise de série são válidos somente enquanto a animação estiver produzindo novos episódios e sem atualização de valores.

Para a Disney, o cancelamento seria vantajoso visto que poderia renegociar esses valores para muito mais do que os US$ 750 milhões (R$ 2,8 bilhões), por exemplo, que a 20th Century Fox fechou em 2013 com o canal pago FX para a exibição na TV. Ainda mais agora que a casa de Mickey Mousa precisa se virar para bancar os US$ 71,3 bilhões (R$ 269,6 bilhões) que investiu na compra da Fox.

Coberturas

SDCC 2019 | Exterminador do Futuro 6 – Edward Furlon volta como John Connor

Filme chega aos cinemas em novembro deste ano com classificação 18+

O mais novo volume na franquia O Exterminador do Futuro teve seu painel na San Diego Comic-Con nesta quinta-feira e uma das principais revelações sobre a trama é a volta de Edward Furlon como John Connor adulto.

Sexto longa, que tem o título orginal de Dark Fate, é uma mistura de caras novas e antigas na franquia, com selo James Cameron, Schwarzengger e Linda Hamilton, mas com frescor de Mackenzie Davis, Natalia Reyes, e Gabriel Luna, além da surpreendente volta de Furlon.

Dark Fate é uma sequencia direta de Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final, de 1991, que pretente varrer pra debaixo do tapete todos os outros volumes da história.

O painel foi aberto com uma mensagem gravada de Cameron, que está gravando Avatar 2 na Nova Zelândia, foi ele quem anunciou a volta de Edward Furlon; David Cameron ressaltou ainda que não existiria um novo filme com a personagem de Sarah Connor sem a atriz Linda Hamilton: “não há outra Sarah que não a Linda”.

A conversa foi mediada por Grae Drake que chamou ao palco Tim Miller, o diretor de Dark Fate, que tomou o gancho para explicar que a história seguirá as alterações do futuro feitas por Sarah no final de T2, e que T6 será para maiores de 18 anos. “O DNA de Exterminador é uma p***a de um filme para maiores”, destacou.

Hamilton então apareceu e falou sobre sua persoangem. “Senti que havia tanto que poderíamos explorar, e fazer isso como uma mulher de mais idade. Pessoas vem falar sobre o treinamento (físico), mas o trabalho pesado que fiz foi o mergulho em uma mulher que é uma forasteira, cuja vida não foi como ela esperava e que perdeu demais. Cheguei a sentimentos como profunda tristeza e perda, e foi assim que achei Sarah Connor”.

Makenzie Davis, Natalia Reyes, Diego Boneta e Gabriel Luna foram os próximos no palco. Hamilton falou sobre o encontro de Sarah como a personagem de Davis, uma guardiã híbrida de humano com máquina. “Ela é definitivamente mais forte e mais jovem, mas eu sou mais malvada”.

Arnold Schwarzenegger foi o último a subir ao palco e declarou que é um “viciado” em Exterminador do Futuro e era “claro” que ele voltaria para a franquia.

“Me sinto em débito com James Cameron por ter criado esse personagem e esses filmes, e estou muito feliz que Linda esteja de volta, e que ele tenha sido esperto o suficiente para colocar Tim Miller como diretor. Eu fiquei encantado quando vi o material pela primeira vez há três semanas”, afirmou Schwarzenegger .

Os presentes no Hall H da SDCC puderam ver uns trechos do filme. Em determinador momento T-800 diz que agora atende por Carl e Sarah diz que não vai chamá-lo assim. Ela promete que quando tudo estiver acabado vai voltar para matá-lo e ele apenas diz que entende.

O Exterminador do Futuro 6 chega aos cinemas em novembro deste ano.

Continue Reading

Geek

Aposentadoria de Alan Moore é oficial

Britânico vai fazer falta em novas publicações, mas seu trabalho é à prova do tempo.

Le enfant terrible e salvador dos super-heróis, o britânico Alan Moore está se aposentando mesmo, após 40 anos de serviços prestados à cultura pop.

Anarquista, Moore é autor de obras essenciais de ficção especulativa que contestam a sociedade ocidental, sua moral e política, como V de Vendeta, Watchmen, From Hell, A Small Killing, A Piada Mortal, para citar os mais famosos.

Dono de um texto singular, será facilmente canonizado no hall dos maiores escritores ingleses modernos. Como apontou o jornalista Sam Thielman, do The Guardian, antes dele e Frank Miller, Dave Sim e dos Irmãos Hernandez, “a ideia de que histórias em quadrinhos fossem fazer frente à literatura série era algo risível, e que adultos pudessem apreciar sem ironia, uma estranheza”.

A aposentadoria de fato chega após o lançamento de seu trabalho mais recente, o sexto e último capítulo de “The League of Extraordinary Gentlemen: The Tempest”, com arte de Kevin O’Neill . Mas suas ideias e suas birras com a DC se renovarão com a chegada da série de TV Watchmen, que se dependesse dele jamais veria a luz do dia, assim como todas as adaptações de seus trabalhos.

Para se ter uma ideia da dimensão da influência do trabalho de Moore, basta lembrar que quando a máscara do cara de barbicha pontuda aparece em algum protesto vamos chamar de V, e não de Guy Fawkes, e lembrar que o governo deveria temer o seu povo, não o contrário.

Alan Moore está enjoado do Batman, e vai fazer falta em novas publicações, mas seu trabalho é à prova do tempo.

Continue Reading

Últimas

RicoChoro inicia nova temporada em São Luís

O primeiro sarau acontece no dia 20, na Praça da Fé

Estimular o encontro entre diversas linguagens musicais brasileiras, entre o instrumental e o cantado. Esse é o objetivo do RicoChoro ComVida na Praça, que estreia sua quarta temporada no próximo sábado (20).

Com apresentações em diversas praças de São Luís, a edição deste ano abre espaço também para a poesia. Uma parceria com a Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo é uma outra grande novidade nesta temporada.

Às vésperas das apresentações de convidados nacionais, haverá rodas de conversa com os artistas, que serão realizadas nas dependências da Emem. “Para nós é uma alegria estabelecer essa parceria. A Emem é um símbolo de qualidade na formação sólida de diversos talentos nossos. Por exemplo, os integrantes do Caçoeira, todos foram alunos da Escola de Música”, celebra Ricarte Almeida Santos, idealizador e coordenador do projeto RicoChoro.

A partir deste ano, RicoChoro ComVida na Praça passa também a homenagear uma personalidade do Choro no Maranhão. Em 2019 o escolhido é o poeta e compositor Joãozinho Ribeiro, que celebra 40 anos de carreira. Samba e choro são dois gêneros de destaque no repertório do artista, que, nos moldes do projeto, percorreu diversas comunidades da ilha de São Luís entre os anos de 2002 e 2003 com o projeto “Samba da Minha Terra”.

Os 40 anos de carreira são anos muito significativos na vida de um grande artista, como aponta Ricarte Santos. “Joãozinho Ribeiro é, sem dúvida, um dos nossos melhores compositores, um ativista pelos direitos humanos, pelo direito à Cultura, um poeta e humanista”, comenta o coordenador.

Ao todo, serão cinco saraus este ano. A expectativa é que o evento supere a marca de 5 mil pessoas presencialmente. Ricarte Santos acredita que essa marca pode ser alcançada “em função do momento que o Maranhão vive de boa expectativa e de redescoberta dos nossos valores culturais, históricos e arquitetônicos, somados à nossa proposta aglutinadora de estilos e linguagens artísticas e musicais”.

Para o sarau de estreia, Gilson César, DJ Franklin, Regional Caçoeira e o convidado nacional Mestre Solano compõem a programação. As apresentações acontecem no dia 20 de julho, na Praça da Fé (Casa do Maranhão, Praia Grande).

Acessibilidade

Todas as edições de RicoChoro ComVida na Praça garantem a presença confortável de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. O projeto garante banheiros acessíveis, assentos preferenciais com sinalização, audiodescrição e tradução simultânea em libras.

Continue Reading