Connect with us

Listas

Os gatos mais icônicos da cultura pop

Do Salem ao Meowth, conheça e relembre 5 gatos icônicos da cultura pop que marcaram gerações!

Mais do que adoráveis, os gatos são seres que deixam a marca onde quer que passam. Seja figurativamente ou de modo literal, do colo às telas do cinema, muitos são responsáveis por nos trazerem momentos únicos com as suas presenças insubstituíveis. E alguns dos que listarei adiante foram responsáveis por isso, por nos tirar gargalhadas e por nos trazer à tona o nosso lado “iti malia”.

Mas sem delongas, do passado ao presente, conheça e relembre cinco de algumas das figuras felinas mais icônicas da cultura pop!

GOOSE

Sim, começarei com ele, o estreante nos cinemas e já famoso: Goose!

O gato da Capitã Marvel, que tecnicamente nem gato é, é um célebre companheiro alienígena (Flerken) da heroína que possui umas habilidades a lá mirabolantes e extremamente fatais. É tranquilo dizer que no filme mais recente do MCU, ele rouba todas as cenas em que participa ao lado de seu (quase) novo fiel amigo, Nick Fury.

Outro detalhe que vale ressaltar é que o Goose nos quadrinhos se chama Chewie, que nada mais é do que uma homenagem ao personagem Chewbacca, de Star Wars! Infelizmente, até o momento, o seu nome nas telas se restringe a Goose por razões desconhecidas.

MEOWTH

O tagarela, mas o incrível e fiel companheiro da equipe Rocket não poderia estar de fora!

Meowth é um dos poucos pokemón que possui a habilidade de fala (e felizmente a utiliza com frequência). Mas, acima disso, também é, pela maioria das vezes, o cérebro do trio composto por ele, Jessie e James!

Outro fato curioso é que o pokemón de garras e línguas afiadas foi inspirado no Mankei Neko, um amuleto da sorte do folclore japonês!

SALEM

Outro gato dotado com a habilidade de fala (ou pelo menos, possuía antigamente) é Salem Saberhagen, um dos personagens mais carismáticos de Sabrina!

Historicamente, na série “Sabrina, Aprendiz de Feiticeira”, de 1996, Salem é um bruxo que foi amaldiçoado a viver como um gato pela eternidade. Entre os quadrinhos e adaptações existentes, há algumas diferentes razões para ele ter encontrado este destino, como, por exemplo, ter tentado dominar o mundo ou ter feito uma humana se apaixonar por ele.

Por outro lado, na adaptação mais recente, “As Aventuras Sombrias de Sabrina”, da Netflix, isto ainda é um mistério. Além disso, nessa versão, o felino perdeu seu local de fala (ba dun ts) e até o momento é apenas o espírito familiar mudo de Sabrina.

GARFIELD

Garfield é definitivamente o gato protagonista de sua própria história, e que, entre os presentes da lista, representa mais fielmente o verdadeiro espírito felino com sua gula e preguiça.

O chane manhoso deu às caras pela primeira vez em 41 jornais dos Estados Unidos, em 1978. Fazendo as contas, são mais de 40 anos de histórias cômicas com o felino sacaneando o seu dono, Jon Arbuckle, e o cachorro da família, Oddie. Dentro desse período, dois filmes em live-actions foram produzidos e lançados nos cinemas, com mais 3 chegando posteriormente diretamente para DVD e Blu-Ray.

Por último, sempre vale lembrar que assim como para muitos de vocês (espero), o seu prato favorito é a Lasanha.

TOM
Do Goose ao Salem, conheça e relembre 5 gatos icônicos da cultura pop que marcaram e ainda marcam gerações!

Seria certo dizer que eu sempre torcia para Tom derrotar o Jerry de vez? Ou pelo menos saborear por alguns minutos o gostinho da vitória?

Ok, deixando de lado minhas pessoais decepções cartunistas, Tom sempre foi e sempre será um gato marcante da cultura pop. Talvez por causa de seus planos infalíveis, mas falíveis, contra o Jerry entre os seus 78 anos de existência.

Aliás, vale lembrar que ao lado de Jerry, Tom conquistou humildes 7 Oscars! Será que teria como ele emprestar alguns para Amy Adams ou Glenn Close?

MENÇÕES HONROSAS

Por fim, como menção horrorosa, também quero homenagear o nosso querido e icônico Frajola, outro premiado detentor de míseras 3 estatuetas do Oscar. Além deles, têm-se os fiéis guardiões Luna e Artemis, de Sailor Moon, que também merecem ser lembrados.

Qual desses é o seu favorito?

Filmes

Lista de 5 | Overdose de Memory, do musical Cats

História dos gatinhos está sendo adaptada para o cinema e ganhou seu primeiro teaser

Um dos musicais mais famosos do mundo está prestes a ganhar uma versão no cinema. Cats, o filme, contará com Judi Dench, James Corden, Rebel Wilson, Ian McKellen, Jason DeRulo, Taylor Swift, Idris Elba e Jennifer Hudson, ganhou seu primeiro teaser nesta quarta-feira (17).

No vídeo, postado nas redes sociais do filme, os atores falam sobre seus personagens e sobre sua relação com a icônica história, baseada na coleção de poemas do americano T. S. Eliot. As músicas são de Andrew lloyde Weber e contam a história dos gatinhos de rua da tribo Jellicle. O enredo é focado na gatinha Grizabella, acolhida de volta na tribo após ter se redimido dos erros cometidos com os colegas.

Uma das músicas mais famosas da história é Memory, uma belíssima canção sobre recomeço, com letra de Trevor Nunn e baseada no poema Rhapsody on a Windy Night.

Para celebrar que emoção de ter Cats no cinema, preparamos uma lista com cinco versões de Memory para todo mundo cantar com a mãozinha no peito!

Sarah Brightman – a diva

The BBC Concert Orchestra – para os clássicos

Epica  – a banda de Metal perfeita

Susan Boyle – aquela que cantou I Dreamed a Dream no Idols

Nicole Scherzinger – que também já foi uma gatinha

O trailer completo de Cats chega nesta sexta-feira (19) e deve mostrar os atores com a pelagem de gato, adicionada digitalmente. A direção de é de Tom Hooper, o mesmo que dirigiu a Lei Miserables com Hugh Jackman, e estreia no Natal deste ano.

Continue Reading

Especiais

Lista de 5 | Obras de Neil Gaiman que – ainda – não foram adaptadas para as telas

Cinco obras para você conhecer Neil Gaiman – e torcer por adaptações

Uma imaginação fascinante, e às vezes assustadora. Essa é a característica marcante do escritor britânico Neil Gaiman. Horror, fantasia e magia são elementos que aparecem constantemente em seus romances, quadrinhos e contos. Ele escreve para crianças e adultos, para livros e televisão e por isso conquistou uma série de fãs ao redor do mundo.

Caso você não conheça o autor, talvez conheça algumas de seus trabalhos: Belas Maldições (Good Omens), Coraline, American Gods, O livro do Cemitério (The graveyard book), Stardust e Sandman. Com exceção de Sandman que ainda está em produção, todas as outras obras citadas já foram adaptadas para a TV e para o cinema. A série Lúcifer, aquela transmitida originalmente pela Fox e posteriormente resgatada pela Netflix, é baseada em um personagem de Sandman. Então, se você não teve a chance de ler esses títulos, ao menos já assistiu uma dessas produções – ou viu alguma imagem que circulou pela internet.

Além dos que foram adaptados, Gaiman possui trabalhos que com certeza merecem sua atenção e valem o seu tempo. São romances/ficções/quadrinhos que carregam a essência excêntrica do escritor. Sem mais delongas, vamos conhecer esses títulos!

1 – O Oceano no fim do Caminho

Um britânico de meia idade retorna a cidade onde viveu na infância para um funeral. Uma sinopse simples, não é? Mas em uma história de Neil Gaiman, nada é simples.
O personagem principal não tem nome, mas, apesar dessa falta de apresentação, acabamos conhecendo sua história, à medida que lembranças dos detalhes de sua infância esquecida vem à tona.
Melancolia. Memória. Magia. Esses são os sentimentos que o livro nos dá, além de momentos de conexão com Lettie, uma divertida menina que acreditava que um pequeno lago na parte de trás de uma casa era o Oceano.

2 – Os Filhos de Anansi

Aqui é possível encontrar um padrão das obras de Neil Gaiman: acontecimentos extraordinários e mirabolantes narrados de forma completamente natural. Na história, Charles – Fat Charlie – Nancy. É filho de um deus que é uma aranha e uma pessoa. Ah, e ele tem um irmão. E outra coisa, Charlie descobre tudo isso durante a viagem para o funeral do pai. Durante o livros, conhecemos mais sobre a vida de pai e filho, em uma narrativa contemporânea e mítica.

3 – Entremundos

Interworlds, no original, é a obra mais ficção-científica do escritor. Isso porque Neil divide a autoria com Michael Reaves, autor americano que já realizou outros trabalhos Sci-Fi durante a carreira. A trilogia Entremundos começa com o estudante Joey Harker ficando perdido, mas tão perdido, que acaba parando em outra dimensão. A missão dele a partir disso é trabalhar em parceria com outras versões de si mesmo para salvar o multiverso.

4 – Fumaça e espelhos

Uma coletânea de 31 textos, entre contos e poemas, escritos aleatoriamente. Em cada um, é possível perceber o lado sombrio do autor, mas com o toque cômico característico dos britânicos. Em um dos contos, acompanhamos o assombro que é o fim do mundo, mas na perspectiva de um lobisomem. Neil Gaiman sabe subverter todas as expectativas, até mesmo na criação de personagens. Referências a H.P. Lovecraft podem ser encontradas nesse livro.

5 – Os livros da Magia

Esse título é uma Graphic Novel e foi lançada durante a a publicação de Sandman. Não que uma coisa tenha a ver com a outra, mas é só uma curiosidade. Acompanhamos o menino Timothy e seu primeiro contato com a magia. Para o garoto, essa foi uma grande descoberta, mas para os praticantes das artes mágicas, sua presença já era conhecida, pois ele estaria predestinado a se tornar o maior mago do mundo. Muitos querem vê-lo alcançar esse destino, enquanto outros escolhem tentar matá-lo. Constantine, Doutor Oculto, Mister Io e Vingador Fantasma formam a Brigada dos Encapotados na história, primeira organização a se aproximar do futuro grande mago.

Neil Gaiman possui diversas outras obras que não foram adaptadas, mas chamamos a atenção para essas, que carregam o estilo peculiar deste sombrio autor. Atualmente, não há previsão de lançamento para novos livros do autor, mas ele está trabalhando em conjunto com a Netflix na adaptação de Sandman.

Continue Reading

Especiais

Lista de 5 | Comédias Românticas da Velha Guarda

Muito, mas muito amorzinho em preto & branco

Respeita os clássicos, brother!” Em tempos de jorros de comédias românticas nas plataformas de streaming, dê aqui um rápido confere nos veteranos do gênero mais água-com-açúcar do Cinema. São cinco excelentes filmes que, apesar da avançada idade, merecem ser vistos, revistos e reverenciados sempre <3

5 – Aconteceu Naquela Noite (It Happened One Night, 1934)

O primeiro sucesso de Frank Capra conta a história da ‘pobre menina rica e mimada’ que aprende, à moda dos cafajestes, lições valiosas sobre o mundo real. A premissa que anos depois se tornaria desgastada, rendeu em 1934 cinco Oscar (incluindo melhor filme e direção) e renome pro diretor de filmes como ‘Do Mundo Nada se Leva’ e ‘A Felicidade Não se Compra’. ‘Aconteceu Naquela Noite’ é um marco da Era de Ouro de Hollywood. Duas cenas memoráveis: Clark Gable incapaz de conseguir uma carona na rodovia, daí vem a linda Claudette Colbert, exibe as pernocas e consegue a carona no ato! E a sequência de tensão sexual, com os dois na mesma cama, divididos por uma cortina, que Gable chama de ‘As Muralhas de Jericó’. Demais.

4 – Cupido é Moleque Teimoso (The Awful Truth, 1937)

Só pela versão brasileira do título, já vale a assistida, vá lá. Mas essa é a hilariante história de um casal que vê seu casamento ameaçado pela falta de confiança mútua. Os dois decidem então que o melhor a fazer é romper o contrato matrimonial para que ambos sigam suas vidas separadamente. Só que num julgamento pitoresco pra decidir a guarda do cachorro do casal, o ‘Sr. Smith’, a maravilhosa Irene Dunne leva a melhor. Os dois têm que continuar se encontrando, por causa das visitas de Cary Grant ao doguinho. É a deixa para que eles passem a sabotar os pretendentes um do outro. O filme mescla os diálogos de humor ácido/paspalho a momentos de seriedade. E a história, uma típica batalha dos sexos, é uma ode à confiança como base pra qualquer relação e, claro, sobre o amor. Dificilmente se vê um filme com os protagonistas tão à vontade nos papeis, claramente se divertindo. E é uma delícia, pode confiar.

3 – Levada da Breca (Bringin’ Up Baby, 1938)

David Huxley (o grande Cary Grant, de novo ele) é um paleontólogo, que está de casamento marcado com a noiva ultra-dominadora, passou quatro anos da vida montando um esqueleto de brontossauro e precisa de uma última peça para finalizar o bicho. A fim de barganhar um patrocínio milionário para o museu onde trabalha, encontra-se com o emblemático Dr. Alexander Peabody e lá conhece, em situações caóticas, a avoadíssima Susan Vance (Katharine Hepburn, musa). A moça fica obcecada por Huxley e pra conquistá-lo acaba provocando confusões imensas, inimagináveis. Dignas de sessão da tarde, até. O filme é de um dos maiores representantes da fase Screwball Comedies (as ‘comédias malucas’) de Hollywood e é assinado pelo grande Howard Hawks. Eu reclamo um pouco do desfecho, mas o filme é impagável.

2 – A Loja da Esquina (The Shop Around the Corner, 1940)

Antes de trabalhar pro Hitchcock, James Stewart, à altura de seus 32 anos, fez esse ‘A Loja da Esquina’. Ele é o funcionário-exemplo da antiga loja do senhor Hugo Matuschek (interpretado pelo Frank Morgan, o próprio Mágico de Oz!) que se corresponde há tempos por carta com uma moça (Margaret Sullavan). Eles usam pseudônimos, nunca se viram e estão completamente apaixonados. Coincidentemente, a mesma moça passa a trabalhar na loja do Senhor Matuschek, mas os gênios dos dois não se cruzam de jeito nenhum. Curioso que o amor deles funcione via Correio, mas na vida real a coisa mude de figura – isso diz alguma coisa sobre os tempos modernos de amor virtual? O filme é gostoso de ver, embora o roteiro pretensioso acabe se enrolando um bocadinho no final do segundo tempo.

1 – Se Meu Apartamento Falasse (The Apartment, 1960)

Do lendário diretor/roteirista Billy Wilder, o filme conta a história de C. C. ‘Bud’ Baxter (Jack Lemmon, o ator preferido de Wilder), que empresta seu apartamento a seus chefes para que estes levem suas amantes… vai vendo a arrumação. Ele acaba se tornando refém desse jogo de camaradagem, uma vez que passa a receber favores e promoções indevidas no trabalho – cortesia dos chefes frequentadores do lugar. Mais ou menos um ‘Te promovi, você não pode me negar o apartamento’. Mas quando ele cede as chaves ao Sr. Sheldrake (Fred MacMurray) descobre que a amante do chefão é também o amor de sua vida: a Fran Kubelik, vivida por uma linda Shirley MacLaine, em começo de carreira. Vencedor de cinco Oscar esse é um filme simplesmente sem defeito nenhum. Recomendação máxima.

E aí, você tem uma comédia romântica ancestral preferida? Comenta aí com a gente. Caso não, fica a proposta de dar uma chance a esses vovozinhos do gênero. Até! 😉

Continue Reading