O Legado do Sentinela da Liberdade





26/08/2019 - Atualizado às 22:13


Depois do grande sacrifício de Tony Stark em Vingadores: Ultimato, submetendo não somente o MCU, mas o mundo inteiro, pela perda de seu melhor defensor e junto dele o contrato de Robert Downey Jr. com a Marvel, era de se esperar que o futuro do Heróis Mais Poderosos da Terra seria em serviço de honrar esse mártir, consolidando um legado, que teve seu início em 2008. Em Homem-Aranha: Longe de Casa, a presença do Homem de Ferro é sentida em literalmente todas as cenas, com pequenas homenagens sendo apresentadas a audiência a cada shot, além disso, Tom Holland se esforçar em seu mimetismo, muitas das vezes trazendo os jeitos de Downey Jr. para o personagem de Peter Parker, acentuando de maneira drástica o relacionamento aluno-mentor dos dois. No entanto, com eventos recentes como a comic con e, especialmente, a D23 podemos ver que o legado que a Marvel está procurando construir é na verdade focado no Sentinela da Liberdade, certificando-se assim de que não exista uma propriedade de sua fase quatro, sem a existência de um Capitão América.

  • The Falcon and The Winter Soldier: The New Captain America

Com o contrato de Chris Evans chegando ao fim em Ultimato e, com o mesmo, não tendo intenções de renovar, ficou claro que Steve Rogers e o Capitão América como conhecemos chegaria ao fim dentro do MCU. E no final do último Vingadores, vimos uma das maiores perguntas dentro da Marvel sendo respondida, quando o escudo foi passado para as mãos de Sam Wilson, seguindo dessa forma, os quadrinhos mais atuais do personagem, além de consolidar o plano de Kevin Feige de criar uma nova era mais diversificada para seu Universo. Sam Wilson é a definição mais clara de legado dentro do MCU, tendo sido abençoado pelo próprio Primeiro Vingador para continuar sua missão de liberdade e justiça na terra e a partir do ano que vem, teremos o prazer de ver como ele fará isso. The Falcon and The Winter Soldier, além de ser o primeiro show a consolidar a marca da Marvel dentro do Disney+, também vai ser um show de auto descoberta, enquanto acompanhamos Wilson a entender o que significa carregar a tocha de um título tão importante, mas também como tornar o escudo seu e não uma cópia de Steve Rogers, ainda que o honrando.

  • The Falcon and The Winter Soldier: Bucky Barnes

Essa série entretanto, tem um ponto de vista dividido: no mesmo passo que veremos o nascimento do novo símbolo de liberdade dentro do MCU, com Anthony Mackie eventualmente liderando os Vingadores, é também aqui que veremos como Bucky está lidando com a ausência de seu único companheiro. O Soldado Invernal nunca foi somente um personagem secundário para o Capitão, muitas vezes servindo como um compasso moral para Steve em como agir. Aqui, Barnes vai servir de um guia para Sam Wilson, uma sombra e memória do que significa Steve Rogers para o mundo, a voz do conhecimento, vindo daquele que o conhecia melhor. Além disso, o Soldado Invernal ainda apresenta um grande débito com a humanidade, e aqui, ele vai enfrentar seus demônios em honra de Rogers. Com o primeiro pôster oficial da série tendo sido divulgado na D23, vemos que o visual de Bucky mudou, com um rosto mais limpo, simbolizando sua transparência com o resto do público, mas também em forma de homenagem ao estilo de barba e cabelo usado pelo próprio Capitão América em Ultimato.

  • The Falcon and The Winter Soldier: US Agent

Além do primeiro pôster oficial da série, a D23 nós agraciou com uma nova adição ao elenco da primeira série desse novo domínio da Marvel. Wyatt Russell, conhecido por seu em 22 Jump Street, se juntou a Anthony Mackie e Sebastian Stan como um personagem que vai desafiar o legado do Capitão América de maneira profunda. Wyatt vai dar vida ao Agente Americano, um personagem que representa o lado corrupto do patriotismo, muitas vezes beirando o fanatismo, algo que entra em diversas pautas no mundo contemporâneo. John F. Walker cresceu idolatrando seu irmão, um soldado que honrou seu país, lutando e morrendo na guerra do Vietnã, fato que levou Walker a se alistar no exército na tentativa de seguir os passos de ídolo. No entanto, o sistema não foi gentil com o mesmo, que desistiu de seguir a carreira militar e focou em MMA, o que fez com que Walker, depois de submetido ao projeto Power Broker (que imitava o soro do super soldado), criasse o alter ego de Agente Americano. O propósito desse personagem na série é desafiar a tudo que Steve Rogers representava, criando a questão moral de até onde o patriotismo é saudável.

  • Black Widow: Red Guardian

Apesar da questão de legado ser o tema focal de The Falcon and The Winter Soldier, a primeira propriedade a mostrar os efeitos do legado de Chris Evans dentro da Marvel é na verdade o filme solo da Viúva Negra. David Harbour, veterano de Stranger Things, vai entrar no MCU de maneira triunfante, interpretando a versão soviética do Sentinela da Liberdade. Alexi Shostakov foi a segunda pessoa a adotar o manto de Guardião Vermelho, um soldado e piloto prodígio treinado pela KGB e Hydra, Shostakov é considerado um herói consagrado do quarto vermelho. Além disso, o Guardião Vermelho foi casado com ninguém menos do que Natasha Romanoff, a Viúva Negra. Durante a Segunda Guerra Mundial, por suas habilidades exímias, Alexi foi recrutado como agente especial pela Hydra, tendo fingindo sua morte com o intuito de cortar laços afetivos, especialmente com sua mulher, Natasha, ele foi treinado com maestria em combate corporal e dado um escudo magnético como arma. A presença do Guardião Vermelho no filme da Viúva Negra serve para ressaltar a presença do Capitão América dentro da fase quatro logo de cara, especialmente com o relacionamento próximo que o mesmo tinha com a personagem de Scarlett Johansson, além disso, trazer Alexi para o filme cria um aspecto histórico para a produção, algo que sempre foi um dos aspectos mais presentes nos quadrinhos de ambos personagens.

  • What If: Captain Carter

Uma das propriedades mais excitantes do Disney+ em parceria com a Marvel é sua série ‘‘What If”, que vai finalmente explorar no território de animações, algo que Kevin Feige ainda não tinha deixado sua marca. E não menos esperado, o primeiro episódio anunciado para essa série vai focar numa realidade alternativa em que Peggy Carter faz uso do soro do Super Soldado, ao invés de Steve Rogers. No entanto, com as primeiras imagens da série animada tendo sido reveladas na D23, foi confirmado que Peggy Carter não simplesmente estaria se tornando uma versão feminina do Capitão América, mas sim, uma versão modernizada de outro famoso Capitão da Marvel: Union Jack. Esse personagem é a representatividade britânica de Steve Rogers e no contexto colocado pela série What If, se torna uma mudança brilhante, já que a própria Hayley Atwell, que dá a vida e a voz a Peggy Carter, é britânica. What If, assim como o filme da Viúva Negra criam uma perspectiva da presença e memória do Capitão América, inovando a maneira como vemos o personagem, mas de maneira honrosa e fazendo justiça ao legado que está em construção dentro do MCU