Connect with us

Últimas

Nintendo Switch anuncia lançamento de Mario: The Origami King

Jogo trará o encanador e seu cenário em estilo de dobra de papel.

Foto: Divulgação

Mario Bros. é uma franquia muito conhecida da Nintendo, e recentemente, a franquia revelou o nome título para jogos do cenário.

Com um vídeo junto ao gameplay, foi lançado o jogo Paper Mario: The Origami King.

Unindo os visuais dos personagens tradicionais do jogo de títulos anteriores com formato de origamis, o jogo brinca com as dobras de papel no estilo japonês.

O novo título seguirá um caminho diferente dos jogos tradicionais da série.

Paper Mario é um spin-off das aventuras do encanador italiano e segue os passos de um RPG simplificado. O jogo nasceu em 2000 para o Nintendo 64 em um visual de papel, mas agora em 2020 receberá um novo título mas com algumas novidades. Embora siga o estilo de jogo do RPG, terá algumas mudanças como o sistema de batalha que utilizará a arena em forma de anel para maximizar o dano causado. Outra novidade é chamada de 1000-Fold Arms, que fará que os braços de Mario se estiquem como papel dobrado, podendo rasgar ou puxar partes do cenário, que revelam passagens e resolvem quebra-cabeças.

Na história do novo jogo, o vilão chamado Olly, rei de uma terra chamada Origami está transformando os capangas de Browser em um enorme origami. Durante o jogo o player trabalhará junto da irmã do tal rei, chamada Olivia e terá que ajudar o próprio Browser.

O jogo tem data para lançamento, exclusivamente no Nintendo Switch, para o dia 17 de julho de 2020 e custará US$ 59,99.

Últimas

Riot lança animação que precede grande evento no jogo League of Legends

Apresentando a temática para o evento Florescer Espiritual, vídeo traz skins e personagens novos.

Foto: Divulgação/Riot

A empresa responsável pelo jogo League of Legends tem apostado no evento Florescer Espiritual, que além de apresentar skins temática, como de costume, também serão entregues aos jogadores dois novos personagens e o avanço da história em que o jogo se baseia.

Hoje, quarta-feira (15), o canal oficial do Youtube apresentou o vídeo intitulado ‘O caminho, Uma Lenda Ioniania’ que conta um pouco da história do novo e 150º personagem, Ione.

O vídeo, que a empresa apostou no estilo anime, em traços leves, conta o que aconteceu com Ione, após a batalha com seu irmão Yasuo. Ambos irmãos, amaldiçoados para viver em eterno combate, lutaram mortalmente, pois Ione acusava Yasuo de ter matado seu mestre. Na batalha, Yasuo saiu vitorioso e todo o vídeo, mostra o caminho de Ione no mundo espiritual após a sua morte.

No mundo espiritual, Ione de depara com uma raposa de nove caudas que é a representação da Guardiã do Portal. A raposa, o leva a um santuário, que representado por uma grande árvore, seria a sua paz final. No caminho, o samurai encontra outro caminho que é apresentado a ele, assim que seu coração parece estar insatisfeito com o final. Nesse outro caminho, Ione encontra almas torturadas que se tornaram pedras, entre elas, uma representação do seu próprio ser consumido pelo ódio e vingança.

Furioso, o samurai invoca uma espécie de ‘demônio’, que ainda será explicado melhor seu papel na mitologia de Runeterra (o mundo onde se passa a história de League of Legends). Ambos lutam, e quando o samurai parece perto da vitória, é tomado pela criatura sobrenatural.

O vídeo termina com um vislumbre do personagem completo como chegará ao jogo. Enquanto sua representação pré-batalha com o ser espiritual será uma skin de evento, sua forma clássica dentro do jogo já será representada pós-batalha.

Na animação também há algumas imagens de skins que serão lançadas posteriormente no evento, como uma para a Cassipéia, Kindred e Teemo; assim como também apresenta de relance a personagem Lilia que será entregue aos jogadores antes mesmo do Ione.

O evento iniciará a partir do dia 22 de julho.

Leia Mais

Últimas

Sequência de Bird Box já está em desenvolvimento pela Netflix

Segundo longa contará com envolvimento de Josh Marlerman, autor dos livros.

Foto: Divulgação/Livro/Malorie

Bird Box é o filme que chegou ao Netflix em 2018, se tornando um grande sucesso da plataforma. Com um mês de lançamento o filme foi assistido por mais de 80 milhões de pessoas.

Josh Malerman, escritor responsável por “Caixa de Pássaros”, falou sobre o romance Malorie, história que continuará o primeiro livro e que será lançado no próximo dia 21 de julho, nos Estados Unidos.

Quando questionado sobre a adaptação da sequência para o Netflix, o autor respondeu: “Não posso falar muito, mas posso dizer que está em desenvolvimento.”

Marlerman também confirmou estar envolvido no projeto, porém não revelou muitos detalhes sobre a trama, falando apenas sobre o ponto de partida da história:

“Malorie começa na escola para pessoas cegas, que é onde o filme termina. (…) Então, ele pula para alguns anos depois, e realmente começa dez anos depois disso.”

O livro Caixa de Pássaros é editado no Brasil pela editora Intríseca, que também será a responsável por Malorie ainda no segundo semestre de 2020.

Não há detalhes sobre o elenco, mas é provável que Sandra Bullock, que interpretou o primeiro longa, continuará vivendo a personagem principal.

Leia Mais

TV

Lista de 5 | Músicas para se apaixonar pela série ‘Girls’

A série é um acervo de boas músicas, sendo uma forma interessante de se conhecer novos sons e artistas.

Foto: Divulgação.

Girls é uma série de comédia dramática lançada em 2012, que conta com seis temporadas. Produzida pela HBO, a obra foi idealizada e dirigida por Lena Dunham, a qual interpreta Hanna Horvath, personagem principal do elenco. O seriado conta a história de quatro garotas, entre os 20 poucos anos, que precisam lidar com a independência, as inseguranças, os relacionamentos, os problemas com autoestima e, principalmente, os obstáculos que as impedem de realizar seus sonhos.

Hanna Horvath (Lena Dunham) é o ponto central da narrativa. É uma recém formada em jornalismo que sonha em se torna uma grande escritora, mas que lida com alguns problemas pessoais, como o desconforto com o próprio corpo. Ao longo dos capítulos, mergulhamos nos dramas quase infantis de Hanna, nas decepções com empregos que não lhe agradam e em suas frustrações ao encarar a vida adulta, longe da proteção dos pais. 

Além dela, há Marnie Michaels (Allison Williams) que também enfrenta problemas com emprego, mas a sua principal dor de cabeça são os relacionamentos frustrados. Fugindo desses dramas, temos Jessa Johansson (Jemima Kirke), uma garota britânica, irresponsável e que foge das dificuldades da vida adulta. E para finalizar o grupo de amigas, há Soshanna Shapiro (Zosia Mamet), prima de Jessa. Soshanna é a personagem que ainda vive no mundo dos planos perfeitos pós-universidade, mostrada como uma garota boba, ingênua, virgem e preocupada com os estudos.

Hanna é uma jornalista recém-formada que vê seus sonhos cada vez mais distantes devido as experiências na profissão.

Girls foi bem recebida pela crítica e totaliza a nota 81 no Metacritic em sua temporada de estreia. Nos primeiros anos, a série sofreu diversas comparações com a famosa Sex and the City, mas, graças à Lena Dunham e aos roteiristas da série, Girls se tornou uma obra mais complexa, tangível e que dialoga de forma mais verossímil com o seu público, além de retratar alguns tabus da sociedade atual em sua narrativa. 

Contudo, uma das características mais interessantes e que enriquecem o seriado é a trilha sonora. Enquanto nos deparamos com os conflitos de Hanna e suas amigas, somos agraciados por músicas que deixam cada cena mais engraçada ou dramática, intensificando esses momentos a cada frame estampado na tela. Passeando pelo synthpop de Robyn, o indie-rock de Oasis e até o pop de Lily Allen, Girls é um acervo de boas músicas, sendo uma forma interessante de se conhecer novos sons e artistas. Confira algumas:

1. Oh Land – White Nights

Oh Land é o nome dado ao projeto da cantora e compositora Nanna Øland Fabricius. Nanna é uma dinamarquesa que explora o indie-pop em seu som. Na série, a canção “White Nigths” toca em um dos momentos mais engraçados da primeira temporada. No sétimo episódio, Marnie, que não gosta nenhum pouco de Adam (Adam Driver), affair de Hanna, e após Hanna e Adam discutirem a própria relação, ela aparece de taxi para levar a amiga de volta para casa e livrá-la dele. Porém Hanna, com todo seu jeito mimado, acaba obrigando todos a voltarem juntos no taxi, imprensados no banco de trás. “White Nights” é uma gostosinha canção pop, que brinca com sintetizadores, teclado e transições eletrônicas e realçada com toques de candura pela voz de Nanna.

2. Father John Misty – Nancy From Now On

Father John Misty é o nome do projeto de indie-folk do cantor e compositor Josh Tillman, que já trabalhou com nomes como Beyoncé e Lady Gaga. “Nancy From Now On” surge como trilha sonora em um dos episódios mais sensíveis e reflexivos para Hanna. No quinto episódio da segunda temporada, Hanna vive uma rápida relação com Joshua, um médico bem sucedido e recém separado da esposa. O médico vive numa casa dos sonhos, cheia de cômodos, sala de jogos, um banheiro com sauna e tantas outras coisas longe da realidade vivida pela jornalista.

É nesse episódio que a personagem principal, ao viver essa efêmera relação, percebe que tudo o que ela deseja para vida era ser tão bem sucedida quanto Joshua, mas que inconscientemente se atarefava com outras coisas, pois sabia que nunca conseguira alcançar aquela realidade. “Nancy From Now On” é composta por uma atmosfera melancólica, uma letra com teor quase masoquista, típico do universo construido por Josh Tillman. 

3. Nancy Sintra – Sugar Town

Nancy Sintra foi uma famosa atriz e cantora dos anos de 1960, filha do lendário cantor Frank Sinatra. Nancy é dona do famoso hit “These Boots Are Made for Walkin'”, regravado até hoje por várias estrelas da música country, como Jessica Simpson, por exemplo. A faixa aparece no finalzinho do quarto episódio da terceira temporada da série. É um momento bem engraçado, pois Hanna conta uma história triste de outra pessoa como sendo sua para Adam, a fim de inventar uma desculpa por algo que ela tinha feito. “Sugar Town” exprime toda a sensualidade de Nancy Sintra, uma das sex symbols da sua época. Um canção pop de melodia fácil, curta e de letra bobinha, mas gostosa de se cantarolar. 

4. Lily Allen – L8 CMMR

“L8 CMMR”, faixa presente no álbum Sheezus (2014) da cantora Lily Allen, é um exemplo de como a série investia também no mundo da música. A faixa, produzida e escrita por Lily em parceira com Greg Kurstin, foi lançada exclusivamente no episódio oito da terceira temporada de Girls. Greg apresentou algumas canções para um amigo que trabalhava na série e, esse, pediu para incluir “L8 CMMR” na soundtrack do seriado.Além disso, Girls já foi plataforma para lançamento de faixas inéditas de outros artistas, como Beck, Miguel e Jenny Lewis. “L8 CMMR” é canção de batidas robôticas, vocais autotunados e efeitinhos sintéticos, soa como uma daquelas musiquinhas que saem de brinquedos eletrônicos para crianças. 

5. Fiona Apple – Valentine

Fiona Apple é uma cantora norte-americana de música alternativa. A compositora e pianista lançou recentemente o aclamado Fetch The Bolt Cutters, o primeiro álbum da história do Metacritc a totalizar a nota máxima da plataforma. Na série, “Valentine”, faixa presente no melancólico “The Idler Wheel…” (2012), preenche uma cena bem triste para Hanna, no nono episódio da segunda temporada, na qual vê seu ex-namorado dançando com a nova namorada dele. A canção traz uma forte carga melancólica, é minimalista, tendo apenas o piano compondo o arranjo e guiando o ouvinte pela composição cuja Fiona desabafa todo esforço direcionado a uma relação sem recipocridade.  Aliás, para quem está com o coração partido, “The Idler Wheel…” é uma trilha sonora perfeita para esse momento. 

Leia Mais