Connect with us

Filmes

Mahershala Ali será o novo Blade, no MCU

O ator Mahershala Ali (Moonlight) foi escalado como o substituto de Wesley Snipes no icônico papel do Andarilho do Dia, Blade, o vampiro caçador de vampiros da Marvel. O anúncio foi feito no painel da Marvel Stúdios durante a San Diego Comic-Con.

O que poderia ser apenas uma notícia maravilhosa com Ali no papel do Andarilho do Dia, chega com apreensão dadas as características antagônicas do personagem e o atual Universo Cinematográfico Marvel comandado por Kevin Feig. Feig construiu um universo de super-heróis que jogam pelas regras dos filmes orientados para “toda a família”.

Nem todo o MCU é assim, ou já foi, com heróis e anti-heróis mais adultos nas séries da Netflix e na FOX e Sony. Mas com a compra da FOX pela Disney, o cancelamento da parceria com a Netflix e a parceria com a Sony colocou toda a Marvel sob os pés de Feig.

Blade/Eric Brooks foi criado por Marc Wolfman, com arte de Gene Colan, e apareceu nos quadrinhos a primeira vez em 1973 na HQ A Tumba de Dráula n10. Blade é um híbrido de humano e vampiro, tem pele negra, e caça vampiros durante o dia, já que esse é o seu poder especial, ser imune à luz solar. Sua mãe foi morta por um vampiro após o seu nascimento, o vampiro era seu pai.

Em 1998 Blade chegou às telas, interpretado por Wesley Snipes. Ele reprisou o vampiro mais duas vezes no que forma a trilogia de David S. Goyer. O personagem é até hoje um dos mais memoráveis da carreira do americano. Recentemente Snipes reprisou o papel não oficialmente em uma participação especial na série What We Do In The Shadows, do FX.

Blade é um marco na cultura pop e já brigada por representatividade antes de muita gente. Um dos poucos protagonistas negros dos quadrinhos e um dos primeiros heróis negros da história do cinema.

Não foi anunciado pela Marvel como o vampiro será inserido no MCU, ou mesmo se seu filme solo seguirá a cartilha dos bons moços.

No mesmo painel a Marvel ainda anunciou sua lista de novos files e séries e que Angelina Jolie será Thena, no longa The Eternals, e que alguns filmes serão mais adultos, dando Deadpool como exemplo.

Crítica

Crítica | Malévola: a Dona do Mal

Com visual bonito, porém rasa e confusa, produção da Disney destoa dos seus últimos live-actions

Quando Tim Burton trouxe a sua versão de Alice no País das Maravilhas, lá em 2010, o sucesso estrondoso de bilheteria reacendeu na Disney aquela chama de transformar seus clássicos em live action, que parecia ter sido apagada nos anos 1990 depois de Mogli (1994) e 101 Dálmatas (1996). E não há como negar: em tempos em que o CGI está bem desenvolvido como tecnologia de entretenimento, dá para fazer qualquer coisa no cinema e, por isso, mesmo que o filme seja um desastre narrativo, é possível que, ainda assim, o público se divirta com os belos cenários criados na pós produção. É exatamente o caso de Malévola: A Dona do Mal, que estreia hoje no Brasil.

Diferente de A Bela e a Fera, Aladdin e O Rei Leão, Malévola (2014) seguiu a linha de recontar a história de A Bela Adormecida, do ponto de vista da vilã, propondo ainda a ela uma certa redenção – ou melhor, uma nova personalidade. Embora a aposta tenha sido certeira e funcionando perfeitamente com o público infantil – bilheteria mundial de mais de US$ 750 milhões – a outra parte da audiência, os mais velhos e fãs tradicionais dos contos, ficaram um tanto quanto reticentes (para ser cuidadoso com o comentário). Logo, a sequência poderia tentar focar em uma dessas duas missões: buscar agradar a turma que não se convenceu no primeiro ou manter atenta a criançada que lotou as salas para ver Angelina Jolie brilhando (literalmente, em verde florescente). Pois acontece que Malévola: A Dona do Mal é tão bagunçado que não consegue fazer nem uma coisa e muito menos a outra.

O filme já começa estranho com uma narração em off, explicando que Malévola voltou a ser vilã aos olhos dos humanos. O propósito, certamente, era mostrar que ela vive isolada na terra de Moors, tendo adotado Aurora. A ex-vilã, ultra protecionista e insegura com o comportamento dos humanos, terá que lidar com a união da moça com o príncipe herdeiro do trono de Ulstead. Daí para frente tudo é apressado e, muitas vezes, até sem sentido, sobretudo ao apresentar as novas características da personagem principal. Essa, aliás, que perde de vez o pouco do interessante ar de mistério que Jolie conseguia lhe dar no primeiro filme. 

E não é só a introdução. Infelizmente, a condução de toda trama é confusa e insere elementos e personagens com propósitos rasos (o subtexto do preconceito às minorias é ínfimo) ou quase inexistentes.  Somam-se ainda todos os tipos possíveis de clichês sobre planos maquiavélicos feitos pela antagonista completamente caricata – mesmo que a atuação de Michelle Pfeiffer ainda seja ligeiramente interessante -, cenas de ação que esbarram em uma tentativa frustrada de criar uma situação angustiante de genocídio, mas caem na galhofa, e uma trilha sonora desequilibrada, que acompanha a edição pouco criativa.  

 O visual até que impressiona mais uma vez. Há um mundo cheio de cores, criaturas engraçadinhas e paisagens deslumbrantes. Contudo, até mesmo essa, que poderia ser a única qualidade real da produção, fica cansativa e exageradamente artificial em certas sequências mais agitadas.

Malévola: a Dona do Mal certamente alcançará bons números em bilheteria, mas que isso não signifique incentivo para insistir em outra história daquela que, nos desenhos animados, foi a melhor vilã da Disney.


Continue Reading

Filmes

Zoe Kravitz será a Mulher-Gato em ‘The Batman’

O próprio Reeves foi quem confirmou a notícia que já havia sido revelada nas redes sociais.

Por

Meses atrás, Matt Reeves anunciou que já havia encontrado com o astro do filme sobre o Cavaleiro das Trevas:Robert Pattinson. Já com Bruce Wayne a cargo do projeto, o diretor ainda tem o desafio de escolher o resto do elenco.

A história contará com a participação de vários personagens dos quadrinhos, como O Pinguim, Charada, Duas Caras, Firefly e Jim Gordon. Mas, sem dúvida, uma das mais aguardadas será a da Mulher-Gato, e a atriz para o papel já foi escolhida. Após um intenso processo de seleção, com atrizes como Eiza GonzálezZazie Beetz na disputa, finalmente Zoe Kravitz foi escolhida para dar vida à Selina Kyle.

O próprio Reeves foi quem confirmou a notícia que já havia sido revelada nas redes sociais, postando um gif de Zoe no Twitter. Quem mais você imagina no filme?

Continue Reading

Filmes

James Gunn confessa que ‘Esquadrão Suicida’ é o projeto mais divertido que já trabalhou

Através dos seus stories no Instagram, Gunn respondeu algumas perguntas dos fãs.

Por

Depois que um grupo de excêntricos vilões decide salvar o mundo em 2016, sob a direção de David Ayer em “Esquadrão Suicida” (Suicide Squad), agora alguns deles estarão de volta novamente nas telas do cinema, desta vez sob o comando de James Gunn.

Margot Robbie, Viola Davis, Idris Elba, Peter Capaldi, Taika WaititiJohn Cena, entre outros grandes nomes fazem parte de uma equipe tão particular que dela dependerá o futuro da humanidade. As filmagens começaram dias atrás, antecipando uma aventura épica, divertida e explosiva. E, aparentemente, este projeto é tão especial que o próprio diretor comentou que o processo tem sido a coisa mais divertida que ele já fez ao longo da sua extensa carreira de sucesso.

Através dos seus stories no InstagramGunn respondeu algumas perguntas dos fãs e sobre “The Suicide Squad”disse: “é o mais completo e grande que já fiz, e também o mais divertido”.

Continue Reading

Trending