Connect with us

Na Ilha

Estudos Queer serão debatidos em eventos na UFMA

Eventos serão realizados entre os dias 26 e 28 de março.

Foto: Divulgação.

O I Encontro Nacional de Gênero, Memória e Identidade e o III Seminário Geni: diferenças em movimento, eventos que ocorrerão este mês, na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), entre os dias 26 e 28, contarão com o um grupo de trabalho sobre os Estudos Queer.

Em consonância com o tema Diferenças em movimento, o GT tem por objetivo promover a troca de experiência e ampliar os debates.

Estudos Queer

Os Estudos Queer datam da década de 80 do século passado e surgiram em ruptura com pressupostos dos estudos e ativismos lésbicos e gays. Critica principalmente, em nível teórico, do binário hetero/homo para compreender as relações sociais e dinâmicas das sexualidades e o questionamento, em nível dos movimentos sociais, da estratégia assimilacionista de normalização das homossexualidades.

Além da discussão partir de autores como Foucault, Teresa de Lauretes e Judith Butler, filósofa americana, uma das precursoras dessa temática e referência para essas propostas, o Grupo de Gênero, Memórias e Identidades da Universidade Federal do Maranhão (Geni/UFMA) afirma que o objetivo é dar visibilidade a pesquisadores locais e seus estudos.

O tema ganha força após o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir que transexuais e transgêneros podem usar nome social, mesmo sem mudar de sexo.

 

O Seminário Geni chega a sua terceira edição promovendo, ainda, debates em eixos como literatura, cinema, educação e mídias. As inscrições para ouvintes poderão ser realizadas até o dia do evento.

Estão confirmadas as presenças da antropóloga Fátima Lima, da jornalista Ivana Braga e de Amara Moira, travesti, feminista e autora do livro “E se eu fosse puta”.

Para mais informações, acesse o blog do Geni clicando aqui.

 

*Com informações da UFMA.

Na Ilha

The Caldo de Cana lança os singles “Você Me Usou” e “Aliciando”, prévias do disco de estreia

Ambas as faixas já estão disponíveis nas principais plataformas de música digital. Duo foi selecionado no edital do Itaú Cultural em 2020

(Capa do single "Você me usou". Ilustração: Gabriel Hislla)

Com inspiração em sonoridades regionais, a dupla The Caldo de Cana está prestes a lançar o seu primeiro álbum de estúdio. Para dar o gostinho do que está por vir, Benedicto Lima e Felipe Costa Cruz (conhecidos na cena musical maranhense como “Bené” e “Felipe Mestre”) lançam os primeiros singles da carreira: as dançantes “Você Me Usou” e “Aliciando”, disponíveis nas principais plataformas de música digital.

Os primeiros singles do grupo resumem bem a alma do projeto, criando uma energia ímpar para criar uma grande festa. As músicas são composições de Benedicto Lima e Felipe Costa Cruz, que trabalham juntos no duo desde 2017. O estilo musical da dupla foi criado pela própria The Caldo de Cana: o “Afrorróbaioquebeat”, uma mistura que vai do afrobeat ao forró, passando pelo baião e ritmos caribenhos, com espaço ainda para o folk, xaxado, brega, bolero e a techno-embolada.

“O propósito da The Caldo de Cana é justamente esse: de divertir todo mundo. De criar essa vontade de se mexer, abraçar, dançar, suar, beber, beijar, talvez chorar um pouco pra rir bastante logo depois”, pontua o compositor. 

“A The Caldo de Cana foi criada em 2017 e logo no início já tínhamos algumas composições próprias. Queríamos fazer algo apenas autoral, e aí surgiu a ideia de levar em frente a banda, com esse objetivo. Começamos a compor muito, juntando mais composições as que já existiam. Assim nosso repertório foi ganhando corpo. E acabamos selecionando pra dupla as músicas que mais tinham a ver com a sonoridade que queríamos no momento”, afirma Bené.

“Você Me Usou” foi composta em 2016 e carrega, em sua melodia e suas referências, as memórias do município de Alcântara e das lembranças de grandes artistas brasileiros do brega, como Reginaldo Rossi, Altemar Dutra, entre outros.

Já “Aliciando”, feita em 2019, está entre as composições da dupla que foram criadas à distância – ambos trocando tanto letras quanto melodias por WhatsApp. “A princípio, era uma bossa nova e transformamos em brega. […] Bené veio pra São Luís e, em uma semana, terminamos a música. E já pensávamos com um formato brega”, analisa Felipe. A faixa, inclusive, foi premiada na edição 2019 do Festival Nacional de Música de Imperatriz (FMI), como Melhor Música.

“Tanto ‘Você Me Usou’ e ‘Aliciando’ se traduzem em uma simples, mas importante mensagem: ‘Curta esse momento. Aqui, agora. A vida é uma festa’”, comenta Felipe.

As faixas “Você Me Usou” e “Aliciando” antecipam o primeiro disco homônimo da The Caldo de Cana, que foi gravado na CASA LOCA, com produção de Adnon Soares (Casa Loca, Marcos Lamy, Gu7o, RAUCHOA, Bimbo, Soulvenir, Paulão, entre outros). A previsão de lançamento do álbum é para o inicio do segundo semestre de 2020.

Ouça Você me usou:

Ouça “Aliciando:

Itaú Cultural

Em 2020, o duo maranhense The Caldo de Cana esteve entre os 200 trabalhos selecionados no segundo edital da série Arte como respiro: múltiplos editais de emergência, do Itaú Cultural.

O edital, que tem o objetivo de acolher e apoiar os artistas sujeitos a atuar isoladamente e sem remuneração durante o período de recolhimento, selecionou o duo do Maranhão entre mais de 12 mil trabalhos inscritos.

Além da The Caldo de Cana, outros quatro artistas maranhenses foram selecionados. São eles: Banda Cena Roots, Jefferson Carvalho, Boi do Una e Dicy.

Leia Mais

Na Ilha

Projeto nacional do Sesc seleciona 15 artistas maranhenses para apresentações culturais

O Nordeste ficou em segundo lugar no ranking de propostas contempladas.

Por

Vinaa foi um dos artistas selecionados pelo projeto cultural. (Foto: divulgação)

A pesquisa de Percepção dos Impactos da Covid-19 nos Setores Culturais e Criativos do Brasil, divulgada na segunda (29), revelou que os artistas foram os mais afetados pela pandemia. Nesse momento delicado para o setor, o Sesc fortalece essa rede levando para o público apresentações em formato digital, nos mais diversos segmentos, por meio do projeto Sesc Cultura ConVIDA! Selecionando 470 trabalhos artísticos, o Nordeste ficou em segundo lugar no ranking de propostas contempladas, com 30,85%, e desse total quinze maranhenses foram selecionados.

As comissões de seleção, compostas por profissionais de Cultura do Sesc, consideraram a acessibilidade, representatividade e proporcionalidade a partir de uma perspectiva interseccional, territorial e geracional, das propostas nas suas múltiplas expressões, tendo como base a Política Cultural do Sesc (2015), principalmente no quesito da diversidade.

Das propostas contempladas, 7,66% são do Centro-Oeste, 30,85% do Nordeste, 9,15% do Norte, 41,70% do Sudeste e 10,64% da região Sul e 61,06% têm mulheres como proponentes, 33,62% homens e 5,32% não cisgêneros. No recorte de raça, 5,32% das propostas contempladas do Sesc Cultura ConVIDA! foram apresentadas por indígenas, 1,70% por amarelos, 28,94% por pardos, 31, 91% por negros e 32,13% por pessoas brancas.

O Maranhão está bem representado no projeto Sesc Cultura ConVIDA! e terá a oportunidade de divulgar nacionalmente suas tradições e talento. Na lista de aprovados, 11 artistas de São Luís, 1 de Paço do Lumiar, 1 São José de Ribamar e 2 de Cururupu. São eles: Amanda Mendes, Andressa Cabral, Camila Bezerra, Cleosvaldo Diniz, Daniel Ferreira, Emilia Justina, Fernanda Monteiro (Grupo Afrôs), Geane Viana, Igor Carvalho, Isabelle Passinho, Dinho Araújo, Edi Bruzaca, Luiz Vinicius Muniz, Silvana Pinto e  Ywira Ka’i.

 Com o Sesc Cultura ConVIDA!, o Sesc contribui para o fomento e a difusão da economia criativa no Brasil por meio do incentivo à pesquisa e à produção nas diversas manifestações artísticas e a valorização do patrimônio cultural brasileiro, reafirmando o papel inovador e propositivo da instituição na promoção de ações para o desenvolvimento humano e social.

Leia Mais

Eventos

Festival Guarnicê de Cinema anuncia edição virtual para 2020, devido à pandemia

A 43ª edição do evento será realizada de 14 a 21 de outubro, com mostras competitivas e premiações.

Por

(Foto: divulgação)

O Festival Guarnicê de Cinema anunciou algumas modificações em seu formato, para que o evento ocorra ainda este ano. Em razão da pandemia do novo Coronavírus, o festival que reúne o público para prestigiar produções audiovisuais será realizado virtualmente.

A 43ª edição do Festival Guarnicê de Cinema será de 14 a 21 de outubro de 2020, de forma totalmente online. O comitê organizador do festival garantiu todas as mostras competitivas e premiações, conforme previsto no edital do evento.

https://www.instagram.com/p/CB3cpkVJIHY/?utm_source=ig_web_copy_link

Inicialmente, a edição 2020 do evento havia sido programada para ocorrer em junho e pelas circunstâncias da Covid-19 precisou ser adiado. A realização do Festival Guarnicê de Cinema é da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), por meio da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec), via Diretoria de Assuntos Culturais (Dac), com apoio de instituições públicas e empresas.

Com o objetivo de difundir produções audiovisuais e promover o intercâmbio entre realizadores de países ibero-americanos e de língua portuguesa, o Guarnicê reúne mostras competitivas nacionais de curtas e longas, e, exclusivas aos realizadores maranhenses, mostras competitivas estaduais de curtíssimas, curtas e longas. Além de ser composto, também, pela categoria de reportagem televisiva de caráter documental e especial, seriada ou não; videoclipe e filme publicitário.

Premiações

As premiações oficiais são a de melhor longa nacional, que receberá o Troféu Guarnicê mais R$ 23 mil reais, dedutíveis de impostos; melhor curta nacional, que receberá o Troféu Guarnicê e mais R$ 12 mil reais, também dedutíveis de impostos, e o Prêmio Assembleia ao melhor filme realizado por maranhenses com premiação em dinheiro de 10 salários mínimos, também dedutíveis de impostos.

Leia Mais