Connect with us

Livros e HQ's

Em tuíte, J.K. Rowling compara terapia hormonal a conversão de sexualidade

Devido às últimas declarações da escritora, fandoms da série Harry Potter se uniram contra Rowling.

Foto: Divulgação.

A escritora J.K. Rowling, autora da série de livros infanto-juvenil Harry Potter, continua a destruir a infância de seu público. No último domingo (5), a britânica voltou a fazer comentários transfóbicos em seu perfil no Twitter e chegou a comparar a terapia hormonal, tratamento utilizado por pessoas trans, a conversão de sexualidade, prática muito difundida no século passado para ‘converter’ a orientação sexual de gays e lésbicas.

Tudo começou quando um usuário da rede social fez um tuíte denunciando uma postagem curtida pela escritora que comprava prescrições de hormônios e antidepressivos. A publicação afirmava que ambos os tratamentos eram “pura preguiça para quem prefere medicar do que dedicar tempo e esforço para curar a mente das pessoas”.

A escritora decidiu responder a crítica e fez uma série de tuítes em que declarou já ter feio tratamento para TOC, depressão e ansiedade com o uso de antidepressivos, e que contribuíram para sua recuperação. “Quando você mente sobre o que eu acredito sobre medicamentos para a saúde mental e quando deturpa os pontos de vista de uma mulher trans por quem não sinto nada além de admiração e solidariedade, você cruza a linha”, comentou sobre as acusações direcionadas a ela.

J.K. Rowling continuou ao afirmar que muitos profissionais da saúde estão preocupados com o fato dos jovens que lutam pela sua saúde mental estarem sendo desviados para hormônios e cirurgias, quando isso pode não é de fato o interesse deles. “Muitos, inclusive eu, acreditam que estamos assistindo a um novo tipo de terapia de conversão para jovens gays, que estão sendo colocados em um caminho vitalício de medicalização que pode resultar na perda de sua fertilidade e/ou função sexual completa”, completou a escritora.

A autora de Harry Potter ainda cita diversas pesquisas e relatos que apontam que o sistema vê as cirurgias como solução fácil para meninas que não se adaptam. “Como já disse muitas vezes, a transição pode ser a resposta para alguns. Para outros, não – testemunhe os relatos dos detransicionadores”, pontuou.

Confira a série de tuítes:

Fandoms de Harry Potter contra J.K. Rowling

Em face aos recentes comentários considerados transfóbicos de Rowling, dois populares fandoms de Harry Potter resolveram se unir na quinta-feira passada (2). Os fandoms MuggleNet e The Leaky Cauldron se juntaram a ONG em defesa aos direitos LGBTQA+, a GLAAD, para ensinar aos fãs a como rebater os comentários de Rowling e afastá-los “das crenças prejudiciais e refutadas” da escritora.

No mesmo dia, os fandoms emitiram uma nota em que se posicionaram contra as crenças da britânica e assumiram o compromisso de estabelecerem um ambiente seguros aos leitores da série, independente do gênero ou sexualidade.

“Além da falta de gosto [de J.K. Rowling] ao escolher o Mês do Orgulho LGBTQ+ [em junho] para publicar estas declarações, acreditamos que o uso de sua inflência e e privilégio para atacar pessoas marginalizadas não condiz com a mensagem de aceitação e empoderamento presente em seus livros”, afirmaram na nota.

“Nossa postura é firme: mulheres trans são mulheres. Homens transgêneros são homens. Pessoas não binárias são não binárias. As pessoas intersexuais existem e não devem ser forçadas a viver no binário. Estamos com os fãs de Harry Potter destas comunidades. Embora não toleremos os maus-tratos que Rowling tenha recebido ao expor suas opiniões sobre pessoas trans, rejeitamos suas crenças”, concluíram.

Listas

8 quadrinistas maranhenses incríveis para você conhecer e valorizar

Do mangá aos Comics, os artistas mesclam os vários estilos dentro do mundo dos quadrinhos

Quadrinhos de Wagner Elias, Ronilson Freire e Zilson Costa (Foto: Reprodução)

Quando se pensa no Maranhão, automaticamente somos levados às belezas naturais, comida típica, atrações culturais da região e acervo arquitetônico histórico. O que muitos não sabem é que nossa terra também guarda muitos talentos em diversas áreas que, normalmente, têm destaque em outros estados e países, mas que merecem grande visibilidade aqui, como é o caso dos artistas que produzem histórias em quadrinhos. Por isso, trouxemos uma lista com alguns talentosos quadrinistas das terras maranhenses.

Wagner Elias

(Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução)

Wagner é professor de desenho e quadrinista desde 2009, quando começou a publicar seus trabalhos em plataformas digitais. Seu interesse pelo desenho veio desde a infância por influência do pai, que também desenhava. O primeiro contato que teve com os quadrinhos foi com as histórias clássicas do Pato Donald e Zé Carioca, conhecendo em seguida os super heróis na adolescência e depois desenvolvendo a paixão pelos mangás, que são a principal influência em seu trabalho. Em 2015 ganhou dois concursos de mangás nacionais, o Brazil Mangá Awards, promovido pela editora JBC, e o Dracomics Shonen, realizado pela editora Draco, com o mangá Divisão 5, que está com seu segundo volume em produção.

Entre 2016 e 2019 foi destaque no Silent Mangá, seletivo realizado pela editora japonesa Comix Corp of Japan, dirigida pelo ex-diretor chefe da revista Weekly Shonen Jump, Nobuhiko Horie. Atualmente Wagner trabalha em alguns títulos publicados online, como Kenzo, na plataforam Shanda Comics; Metal Riders, publicado pela Shonen Comics; e Divisão 5, pela editora Draco.

Clique AQUI para conferir mais trabalhos do artista.

Rom Freire

(Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução)

Rom Freire desenha de forma autodidata desde a infância, mas, antes de seu trabalho profissional, publicava em fanzines e revistas amadoras. Foi ilustrador e diagramador em uma agência de publicidade durante 17 anos, entrando para o mercado profissional de quadrinhos em 2009, fazendo seu primeiro trabalho para a editora norte americana 12 COMICS. Em 2013, quadrinizou a obra Fausto, de Göethe, adaptada por Leonardo Santana e colorida por Dinei Ribeiro. Publicada pela editora Peirópolis em 2017, recebeu no ano seguinte, do Instituto Interdisciplinar de Leitura da PUC-RIO e da Cátedra Unesco de Leitura, o Selo Seleção Cátedra 10 pelo seu valor literário, plástico e editoral, que se tornou um artefato indispensável para a arte-educação.

Ele criou os personagens Guerreiros de Glaatu, Khronos, Loonar e Grimorium, que foi lançado em revista própria em 2016. Atualmente desenha a revista Dreadlocks para a Urban Style Comics, de Detroit, além de várias outras revistas de autores independentes brasileiros.

Clique AQUI para conferir mais trabalhos do artista.

Iramir Araújo

(Foto: Imirante/Divulgação)

A trajetória artística de Iramir iniciou desde a infância, quando começou a aprender a ler e fazendo da leitura o centro da sua vida. Aos 8 anos teve contato com os primeiros quadrinhos, ajudando ainda mais no processo de aprendizagem. A partir daí, começou também a desenhar, copiando os desenhos das revistas que lia na época, como Tio Patinhas, Tarzan e Batman. Iniciou o trabalho com os desenhos e quadrinhos fazendo fanzines, transformados depois em quadrinhos mais compatíveis com o que era visto no mercado da época.

Ao lado de amigos e também quadrinistas, como Rom Freire, Beto Nicácio e Ronilson Freire, formaram o grupo Singular Plural, criando a revista com o mesmo nome derivada dos fanzines que eram feitos nos anos 90. Além dela, criaram a Revista Fusão, em que Iramir atuou como editor e escritor, dando vida ao delegado Augusto dos Anjos na revista Corpo de Delito, que trazia crônicas policiais da cidade.

Como fazia o curso de História na Universidade Federal do Maranhão, iniciou um projeto baseado nas histórias e aspectos da cultura maranhense. Depois de um grande processo de pesquisa, lançou o álbum em quadrinhos “Balaiada, a guerra do Maranhão”, no ano de 2010, em parceria com Beto Nicácio e Ronilson Freire. Ainda ligado ao elo da cultura maranhense no seu trabalho, Iramir lançou no ano de 2012, em parceria com Ronilson Freire, o álbum “Ajurujuba – a fundação da cidade de São Luís”. Em 2019, também ao lado de Ronilson Freire, lançou a quadrinização de uma das obras máximas da literatura brasileira: O Mulato, de Aluízio Azevedo.

Zilson Costa

(Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução)

Como um dos fundadores do grupo Fator RHQ, Zilson começou a produzir quadrinhos no Maranhão em 1999. Com seu grupo, produziu o fanzine Área de Mancha até a edição 4, ganhando o prêmio de Melhor Revista Estrangeira em Língua Portuguesa no Festival de Amadora, em Portugal, no ano de 2003. Entre 2007 e 2009 publicaram a revista Comicstation até o número 8, sendo a revista em quadrinhos maranhense a durar mais tempo nas bancas.

Em 2012, Zilson começou a trabalhar para o mercado americano e permanece até hoje com editoras como Argo Comics, Grayhaven, Isle Squared Comis e Dojo Kun Comics. Também publica materiais autorais, como as revistas do Homem Caveira e a Evil Machines, revista inspirada na banda, de mesmo nome, em que é guitarrista e vocalista.

Clique AQUI para conferir mais trabalhos do artista.

Dreyce Lima

(Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução)

Apaixonada pelo desenho logo na infância, começou a desenhar desde que aprendeu a pegar em um lápis, assim como os quadrinistas e ilustradores que admira, como diz. Tendo base os saudosos animes da Tv Manchete e Tv Globo, como Shurato, Dragon Ball, Sailor Moon e, sobretudo, Cavaleiros do Zodíaco, Dreyce tem como grande influência em seus traços Shingo Araki, responsável pelo design dos personagens da adaptação para anime do mangá de Masami Kurumada. Atualmente está focando em dois projetos autorais: As Crônicas de Elderland e The Bodyguards, ambos em fase de finalização dos scripts, conciliando seu trabalho artístico com a faculdade, estudo de design gráfico e pintura digital.

Clique AQUI para conferir mais trabalhos da artista.

Ronilson Freire

(Foto: CCXP /Reprodução)

Iniciando seu trabalho como ilustrador de peças publicitárias no início dos anos 2000, Ronilson é hoje uma das maiores referências em quadrinhos do Maranhão e do Brasil. Participou da criação de fanzines junto de outros quadrinistas da região, como Beto Nicácio, Rom Freire, Iramir Araújo e Joacy James. Também com alguns deles trabalhou em projetos que retratavam histórias da cultura maranhense, como “Balaiada, a guerra do Maranhão” e “Ajurujuba – a fundação da cidade de São Luís”. A trajetória de Ronilson no mundo dos quadrinhos é extensa, passando por editoras como Dynamite, Titan Comics e Marvel Comics. Com 10 anos de carreira no mercado internacional, já trabalhou com personagens como Vampirella, Green Hornet, Justice INC- The Avenger, Swords of Sorrow: Miss Fury & Lady Rawhide.

Clique AQUI para conferir mais trabalhos do artista.

Osmael Santos

(Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução)

Designer de formação, Osmael tem a paixão pelo desenho e pelos quadrinhos desde os 4 anos de idade, mas foi a partir dos 12 que começou a imaginar a possibilidade de ter o desenho como algo profissional para sua vida. A partir desse pensamento, começou os estudos mais profundos sobre a arte, sempre de maneira autodidata, reproduzindo seus desenhos preferidos da época, como Dragon Ball, Street Fighter e Yu Yu Hakusho.

Com o tempo passou a criar seus próprios personagens baseados em outros de que era fã, como Spawn, Superboy e Impulso, produzindo histórias ao redor das suas criações. Uma das suas maiores influência nos quadrinhos é o autor Joe Madureira, quadrinista americano que tem como característica a união de elementos dos comics e mangás em seus traços.

O primeiro projeto profissional de Osmael foi ORB: Evolução Final, uma história de ficção científica, que sempre foi seu tema de maior interesse. Atualmente está trabalhando no segundo capítulo de ORB, estando já em desenvolvimento outras duas histórias: Ilha da Lenda, mangá que vai abordar as lendas de São Luís, e Últimas Sombras, história que vai se passar durante o apocalipse.

Clique AQUI para conferir mais trabalhos do artista.

Beto Nicácio

(Foto: Imirante/Reprodução)

Professor, artista plástico, animador e quadrinista, Beto é outra grande referência dos quadrinhos maranhenses. Entre seus vários trabalhos, podemos destacar a participação na coletânea MSP+ 50, projeto realizado em 2010 que buscava recriar as clássicas histórias de Maurício de Sousa a partir da visão e arte de vários artistas de todo o Brasil. No projeto, Beto produziu uma história com a releitura do personagem pré-histórico Piteco.

Em 2013 lançou o álbum Proscritos, história típica brasileira com toques de horror. Além disso, em parceria com Iramir Araújo, lançou o álbum Jurados de Morte em 2017 e participou da revista Corpo de Delito. Beto também foi premiado três vezes em salões de Humor e quadrinhos do Brasil, em Volta Redonda, São Paulo e Pará. Além de três vezes nas Mostras Maranhenses de Humor-DAC/PROEX/UFMA, de 2004 a 2006.

Clique AQUI para conferir mais trabalhos do artista.

Leia Mais

Livros e HQ's

O Menino Maluquinho completa 40 anos e ganha edição comemorativa

A edição, com 120 páginas, mostra a história do personagem criado por Ziraldo.

Por

Um dos maiores clássicos da literatura infantil brasileira está completando 40 anos: O Menino Maluquinho, criado pelo escritor, desenhista, cartunista e jornalista Ziraldo, ganhou uma edição limitada e de luxo da Editora Melhoramentos para homenagear a data.

A obra está à altura da comemoração e do ilustre aniversariante. A edição, com 120 páginas, é marcante e mostra a história do personagem, que conquistou o público ao longo os anos, com hot stamping, acabamento cartonado, capa dura e miolo 4×4 cores. Os exemplares acompanham ainda um marcador de páginas tão maluquinho quanto o Menino e um paper art, para destacar e montar, que vira uma divertida lembrança.

O livro que marca o aniversário do menino mais maluquinho do Brasil pode ser considerado um item de colecionador. Um verdadeiro presente para quem cresceu lendo as aventuras do personagem, e as contou para filhos e netos. O Menino Maluquinho nasceu pelas mãos de Ziraldo e sempre vai existir no imaginário de fãs de várias gerações.

Desde seu lançamento, em 1980, o livro já teve 129 edições, espalhadas por mais de 10 países, vendeu 4 milhões de exemplares, teve duas adaptações para o cinema, versões para o teatro, ópera e histórias em quadrinhos.

O garoto que usava uma panela na cabeça, tinha o olho maior que a barriga, fogo no rabo e vento nos pés fez a felicidade daqueles que com ele conviveram ao longo das últimas décadas e certamente continuará a incendiar a imaginação dos mais jovens.

Verdade que tantas estripulias, brincadeiras e invenções apontavam porque todos o chamavam de maluquinho, mas ele nada mais é do que uma criança alegre, amada e pronta para aprender, receber e partilhar. Como destaca o escritor e ilustrador Guto Lins, outro talento da literatura infantil nacional, esse personagem “brincalhão, bagunceiro, poeta e amigão era, acima de tudo, um menino feliz, especialmente comum”. E o livro, afirma, abriu caminho para muitos outros, enriquecendo a literatura infantil.

O Menino Maluquinho fala, de maneira direta, poética e divertida, de relações familiares, de amizade, afeto, perdas. E por isso, porque os sentimentos humanos não mudam, os novos tempos e novas tecnologias não foram e nem são barreiras para novos leitores. É um livro que não envelhece.

Leia Mais

Exclusivo

Volts na literatura: Saylon Sousa, do Volts Podcasts, lança seu primeiro romance de literatura fantástica

Obra carrega o imaginário criado pelo repertório do autor, que é fã de mangás e animês, em uma trama intensa de batalhas e sentimentos.

Por

Escrever um livro sempre foi o sonho de Saylon Sousa. Pelos menos é o que ele sempre diz aos amigos e conhecidos quando fala de aspirações e desejos. Feliz, o radialista e podcaster do Grupo Volts não esconde a felicidade em poder lançar seu primeiro romance de ficção fantástica batizado de “As Crônicas dos Anjos: Volume I – Armagedom”.

Passando por cima das dificuldades impostas pelo mercado editorial, Saylon publica sua obra de maneira independente por meio de serviços de publicação por demanda já conhecidos por leitores, autores e editores como Clube de Autores e AgBook. É por lá que o livro pode ser adquirido em versão impressa.

“É bem difícil publicar um livro. Não basta apenas escrever e revisar. Tem que ter dinheiro para financiar registro e procedimentos técnicos para publicar. Graças a Deus hoje em dia há esses serviços de press on demand onde basta ter o miolo do livro pronto, uma capa e talvez o ISBN, porque é importante ter ele para se fazer presente nas grandes livrarias, e aí tudo fica bastante simplificado”, comenta o autor ao falar sobre o processo.

Foto: Saylon Sousa e seu primeiro livro (Arquivo Pessoal)

Com 428 páginas, a obra é divida em 45 capítulos e narra a trajetória dos jovens Ray, o herdeiro dos demônios, e Melissa, a princesa dos anjos, num encontro predestinado milhares de anos e que pode prevenir que a destruição do universo aconteça. Cabe a eles e seus amigos despertar as Sete Essências do Universo e impedir que os exércitos do Édden e do Apolleon liberem o caos no mundo.

“Comecei a rascunhar esse universo narrativo quando estava no Ensino Médio, mas a rotina do dia a dia e os percalços da publicação atrasaram o lançamento da obra mais que o imaginado. Nessa jornada já escrevi a continuação da obra, que está com 2/4 pronta, pois é uma tetralogia. Comigo desde sempre meu amigo Antonio Evangelista me ajudando nessa caminhada.”, relata Saylon ao contar mais sobre seu livro.

Disponível nos sites Clube de Autores e AgBook a obra está a venda desde o último dia 27 de maio pelo preço de R$ 49,95 e leva o selo do VOLTS. No site da Amazon também é possível adquiri-la na versão impressa ou em e-book por R$24,99 (título disponível no serviço de assinantes Kindle Unlimited).

Saiba mais:

As Crônicas dos Anjos: Volume I – Armagedom

Número de páginas: 428
Edição: 1 (2020)
Formato: A5 148×210
ISBN: 978-65-000-3679-4
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 90g

Onde comprar: CLUBE DE AUTORES (Impresso) e AGBOOK (Impresso) ou AMAZON (impresso ou e-book)

Leia Mais

Livros e HQ's

Começa hoje a 4ª edição do FLIPOP, festival de Literatura promovido pela Editora Seguinte

O festival, que já é evento marcado no calendário dos apaixonados por literatura, terá a participação de grandes autores como Raphael Montes, Ibi Zoboi e Rainbow Rowell.

(Foto: Reprodução/Flipop)

Será realizada hoje (9) a 4º edição da FLIPOP, o festival de Literatura pop criado pela Editora Seguinte em 2017 e que vem fazendo grande sucesso ao longo dos anos. Na edição 2020, que vai até o dia 12 de julho, a programação será toda realizada de forma gratuita e online devido à pandemia, sendo transmitida ao vivo pelo canal oficial da editora no Youtube.

O evento terá 16 bate-papos ao longo da programação, com a presença de autores brasileiros e estrangeiros que tratarão de diversos temas do mundo da literatura, como mercado editorial, gêneros literários, representatividade e leitura na adolescência.

Para dar início ao evento nesta quinta-feira (9), os temas das mesas de conversa serão: “Criatividade em tempos de crise”, marcada para as 11h, com a participação dos escritores Vitor Martins, Giullia Paim e Otávio Junior, que falarão sobre questões envolvendo a criatividade e produtividade de um autor em tempos de pandemia.

(Foto; Reprodução/ Flipop)

Em seguida, às 14h, rola o bate-papo “Mediação de leitura dentro e fora da escola”, que abordará o incentivo da leitura nas escolas e na família e os desafios, semelhanças e diferenças entre as mediações de leituras em diferentes formatos e plataformas. Às 16h30 tem a mesa “Uma linguagem para todes”, que tratará da inclusão na literatura.

Por fim, o primeiro dia do evento encerra com o bate-papo com a escritora Casey McQuiston, autora do aclamado livro “Vermelho, Branco e Sangue Azul”, com tradução consecutiva.

(Foto; Reprodução/ Flipop)

Para conferir a programação completa, clique AQUI.

Leia Mais