Connect with us

Críticas de Séries

Crítica | The End of the F***ing World

A nova série que está disponível na Netflix é uma adaptação dos quadrinhos (com mesmo nome da série) de Charles Forsman, com produção original da Netflix em conjunto com o canal britânico Channel 4. A história gira em torno de dois adolescentes, James (Alex Lawther) e Alyssa (Jessica Barden), que pegam a estrada em busca da casa do pai dela, tudo porque ambos estão cansados da vida que tem e buscam viver uma aventura (ou até um assassinato, né James?).

Os dois primeiros episódios são basicamente o complemento do trailer liberado pela Netflix, então os acontecimentos já são esperados. A série começa a ganhar uma direção e evoluir de verdade a partir do terceiro episódio, quando a dupla vira um “Bonnie & Clyde” versão Reino Unido e atrapalhada da coisa.

O romance dos dois é um tanto peculiar, e vai crescendo e se desenvolvendo, assim como eles, ao longo dos episódios. O ponto positivo da série é que a história não é apenas aquele clichê de romance adolescente em que ambos tem uma vida familiar e social ruim e que encontram a si mesmo quando estão juntos. Vai muito além disso. Porém o ponto negativo é que alguns episódios são bem previsíveis. Com apenas uma cena no início/durante o episódio, já dá pra sacar o resto. Mas apesar disso, o final é um tanto inesperado, sendo uma boa série pra rir, descontrair e maratonar de uma vez só (quem nunca?).

Os personagens são bem interpretados, principalmente o de James. O motivo do seu jeito esquisitão e misterioso (e psicopata?) vai se revelando com flashbacks do seu passado durante a série, assim como o jeito rebelde e arrogante de ser de Alyssa. A narrativa vai intercalando entre ambos e mostrando seu ponto de vista sobre as coisas e acontecimentos.

A trilha sonora é um dos destaques da série e está presente em quase todas as cenas (falamos um pouco dela aqui), sendo ela triste, feliz, agitada ou tensa.

The End of the F***ing World de início parece um “Bonnie & Clyde” mais leve, com adolescentes rebeldes e desastrados que não sabem muito o que estão fazendo ou o que querem. Porém com o desenrolar da trama, ambos os personagens amadurecem e se desenvolvem (acredite, até o jeito de andar muda), começam a entender a si mesmo e buscam um futuro melhor. O final é surpreendente e até um pouco chocante. Será que terá continuação? Esperamos que sim.

Continue Lendo
INSCREVA-SE NO VOLTS PLAY
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Em alta agora