Crítica | Sintonia


Tentando fazer um carinho para os mais de 10 milhões de brasileiros assinantes plataforma, a Netflix trouxe mais uma produção nacional para o catálogo nacional e de outros 189 países. Dessa vez, quem assina junto é o selo Kondzilla, já famoso na indústria de clipes musicais e um estreante cheio de personalidade na dramaturgia com “Sintonia“, que usa uma embalagem realista para falar de amizade e evolução pessoal. Pega a visão.

Doni, Nando e Rita são moradores da mesma favela em São Paulo. Crescendo juntos pelas ruas da comunidade, eles descobriram aos poucos o mundo do tráfico de drogas, da religião e também da música. No entanto, as experiências da infância os levaram a trilhar caminhos bem diferentes, e agora esse trio sabe que quem pode salvá-los dos problemas com os quais se envolveram são eles mesmos.

É clara a intenção de “Sintonia” de representar a rotina da comunidade sem tantos filtros. O palavrão é livre, os diálogos quase viram dialetos pela quantidade de gírias, e recortes mais próximos mostram a crueldade do tráfico e da arte como esperança. Um cenário ainda pouco explorado pela televisão e cinema no Brasil, que já vale a audiência só por isso.

Argumento bacana, ambientação impecável, série iniciada e não dá para não reparar na estética Kondzilla, que imprime a fotografia típica dos famosos clipes nos diálogos da série. A sorte é que qualquer incômodo, com fotografia ou elenco, tende a melhorar com o passar dos episódios. Alguns dos atores são ex-detentos, formados num curso de teatro na penitenciária.

No entanto, a escolha de uma trama apressada sacrifica o íntimo dos protagonistas, que quase sempre estão em ação ou em diálogos expositivos, explicando o óbvio, num estilo novelesco totalmente dispensável. Não sobra tempo para falar sobre as motivações, desejos e conflitos dessa turma que tanto tem decisões difíceis para tomar.

O arco sobre o tráfico chama tanta atenção quanto o do sonho de Doni (Jottapê) em ser um MC reconhecido, ainda que esse último seja o principal. A igreja surge na pauta aos 45 do segundo tempo. E ainda que as decisões dos personagens não pareçam as melhores, a série é clara sobre aquele não ser um ambiente de fáceis ou de nenhuma escolha. Cada um tenta crescer ao seu modo e é isto.

E é justamente por fugir do esteriótipo favelado, reforçado por retratos tolhidos já feitos por outras mídias de massa, que Sintonia ganha pontos. Nada aqui é romantizado (exceto a amizade entre eles). O crime tem consequências, o preconceito é duro, o mundo da fama é pantanoso e até a máquina de dinheiro da igreja tem lá seus efeitos na cabeça de quem a enxerga. Mantendo essa legitimidade e com um roteiro mais engenhoso, Sintonia tem tudo para fazer um segundo ano ainda melhor.