Crítica | SHAZAM !

Crítica | SHAZAM !

APENAS DIGA A PALAVRA ! Com a estreia de Shazam nessa semana (03), vemos a DC e Warner Brothers dando mais um passo na direção certa, consolidando não somente seu nome, seguindo a fama de Aquaman (2018), como também firmando a nova fase da companhia, intiludada como: The Worlds of DC. Nesse novo direcionamento, vemos o Universo Compartilhado da DC nos cinemas tomar novas proporções, seus filmes ainda co-existem, entretanto agora eles contam suas próprias histórias, sem precisar se apoiar em um gancho, que foi feito em eventos anteriores. Com isso dito, Shazam é um filme que afirma seu lugar dentro de um mundo já estabelecido por grandes nomes como Aquaman e Mulher-Maravilha, ao mesmo tempo que prova seu valor como membro de uma nova trindade da DC.

Shazam conta a história de um jovem de quatorze anos, Billy Baston (Asher Angel), que pula de casa adotiva em casa adotiva, sempre procurando seu lugar no mundo e sua verdadeira identidade, até que um dia é escolhido por um Mago (Djimon Hounsou), que o julga puro de coração e espírito, passando sua magia para Billy, que ao proferir a palavra: SHAZAM ! se torna um herói com a sabedoria de Salomão, a força de Hércules, o vigor de Atlas, o trovão de Zeus, o vigor de Aquiles e a velocidade de Mercúrio na forma de Zachary Levi. Entretanto, nenhum super-herói é tão bem definido quanto por seu vilão, e Shazam conta com a destreza de Dr. Silvana (Mark Strong), que em busca de adquirir mais poder e magia, se torna um formidável e vilanesco oponente para Billy Batson.

O filme segue uma linha cômica, prestando fortes homenagens ao clássico ‘’Quero Ser Grande’’ de 1988, estrelando Tom Hanks e não desaponta em vender a ideia de como seria um adolescente ganhando super-poderes e uma identidade de adulto. Além disso, graças ao carisma incomparável de Zachary Levi, que brilha como o personagem título do filme, Shazam consegue trazer elementos do Superman de Christopher Reeves, que cativou tantos e se tornou parâmetro em sua geração. No entanto, não se enganem, Shazam não é um filme que serve somente de alívio cômicos, trazendo uma imagem extremamente realista em questões como abandonamento, adoção e o senso de auto-descoberta que vem acompanhado disso tudo.

Shazam conta com uma mudança por trás das câmeras dentro da DC, que já vem acontecendo desde Aquaman e James Wan, com diretores vindo da divisão mais lucrativa da Warner: a de terror. Dessa vez, é o momento de David F. Sandberg (Annabelle 2) brilhar, mostrando maestria no uso não somente de seus atores, mas de cenas extremamente bem constrúidas, com uso de câmeras lentas e a capacidade de criar um ponto de vista fluído e inovador dentro de um universo já estabelecido. Sandberg e Levi contam também com uma trilha sonora incrivel, que combina sucessos atuais como Bruno Mars aos icônicos hits de Queen, marcando o passo e atmosfera do filme.

Falando de atmosfera, por fim, Shazam é um filme que precisa ser visto, pois esconde muito de suas surpresas de seu público nos trailers. Com apariçoes inesperadas, elementos tirados diretamente das páginas dos quadrinhos e diversas referências ao universo da DC no cinema, Shazam cria uma experiência que vai, não somente, agradar fãs de super-heróis como trazer uma nova onda de telespectadores para dentro desse universo tão mágico. Então, apenas diga a palavra e garanta de ver Shazam para discutir aqui com a galera do Volts.

Relacionadas