Crítica | Pokémon: Detetive Pikachu


Nada melhor para o brasileiro que viveu a infância entre o fim dos anos 1990 e início dos anos 2000 poder celebrar parte dessa etapa da vida revivendo experiências.

Em 10 de abril de 1999 estreava no Brasil a primeira temporada do fenômeno mundial Pokémon. Agora, 20 anos depois, somos presenteados com o primeiro filme em live-action desta franquia de uma forma que reúne nostalgia e criatividade num roteiro prático e bem resolvido.

Essas são as primeiras palavras que reservo a Pokémon: Detetive Pikachu, que adapta partes das narrativas do jogo título lançado para Nintendo 3DS com sua shorter version chamada Great Detective Pikachu: Birth of the New Duo.

Objetivo, o filme reúne os principais nuances não só do jogo título como da franquia inteira em pouco mais de 104 min. Mesclando elementos nostálgicos diluídos em diálogos e elementos de cena, o longa-metragem é praticamente uma fábrica de easter-eggs. Necessário dizer, entretanto, como isso é bom e ao mesmo tempo prejudicial.

Bom porque da primeira cena até a última o pokemaníaco sente-se completamente imergido em Ryme City, o palco da trama, que de imediato passa a ideia de uma cidade cosmopolita no meio do Mundo Pokémon onde todos – humanos e pokémon – convivem em relativa harmonia indo até além do que acontece em outras regiões como Sinnoh e Kanto (ambas citadas no filme).

Essa imersão, nos elementos visuais como nas fachadas dos prédios, posteres e estatuetas, permite ao fã da franquia sentir o filme sem precisar que este perca tempo respondendo sobre temas que ao conhecedor de Pokémon parece ter quase obrigação saber.

Contudo, para o não-pokemaníaco – aquela pessoa que no passado assistiu alguma coisa de Pokémon, mas não se tornou fã implacável – é possível perder rapidamente o foco durante as reações das personagens em diálogos, atos e contextos de cena. Eis aqui o fator prejudicial. Sem as referências muita coisa em cena se torna mera poluição, informação acumulada. E aí o que salva o expectador são os alívios cômicos estrelados por celebres personagens como o próprio personagem-título, além de Snubbull, Mr. Mime e o incrível Psyduck (muitos méritos a ele pessoal!)

Outro ponto importante a se observar é que nesse universo cosmopolita de Ryme City a escolha de Justice Smith para o papel principal sempre me pareceu uma boa. Isso porque se é para ser cosmopolita tem que ser em tudo: raça, credos e sexualidade. Um ator caucasiano, assim como no vídeogame, não contribuiria para a verossimilhança com o mundo real. Entretanto, esse mesmo Justice Smith não convence no papel de Tim Goodman e seu personagem possui uma psicologia rasa demais mesmo para os padrões da franquia japonesa.

Outro personagem-chave a ser comentado é MewTwo. O pokémon ganha poderes impressionantes e levanta uma questão amada por muitos fãs mais polêmicos sobre sua real força. O filme chega a ser bem específico ao dizer que Mewtwo é o pokémon mais poderoso a existir ao mesmo tempo que apresenta o lendário Arceus como uma divindade. “Santo Arceus!” te lembra alguma coisa?

Considerações à parte, o filme convence quem se dedica a vê-lo. É fluído, divertido e coeso. Talvez por isso dizer que ele quebrou a maldição das adaptações de games não é uma mera bravata.

Antes faço um adendo, Warcraft (2016), Assassin’s Creed (2017) e Tomb Raider (2018) contribuíram bastante para o fim dessa “maldição”, mas é real podermos afirmar que Pokémon: Detetive Pikachu supera o dilema existente entre os críticos. O jogo está lá, os pokémon estão lá e ainda assim é um filme de cinema sem tirar nem por.

Não há motivos para alguém dizer “Ah, mas no jogo é totalmente diferente!”, pois mesmo remodelando alguns elementos da trama original o filme cumpre seu papel na linguagem em que está apresentado e convida quem nunca jogou Detetive Pikachu a correr de imediato ao Nintendo 3DS para ampliar essa experiência.

E se o papo é sobre ampliar experiência, Pokémon: Detetive Pikachu deixa bem construído a ideia de mundo expandido e abre o leque para todo um universo cinematográfico a ser explorado. Não que isso não já esteja sendo pensado.

Os fãs de games que também são fãs de cinema agora tem um filme para chamar de exemplo perfeito de adaptação. A emoção é tão grande que me sinto no direito de dizer que Warner Bros., Legendary e Toho já podem se reunir à Big N e sondar as possibilidades de Link, Zelda e Cia. também ganharem um live-action no futuro.

Por enquanto, sobre a próxima adaptação de game que virá (da empresa rival à Nintendo) os trailers nos mostram apenas cenas de decepção.

Que Arceus nos acuda!