Crítica | Nós

Crítica | Nós

A indústria cinematográfica tem se tornado uma das mais competitivas do mundo. A cada ano, produções tem elevado seu nível, buscando qualidade e inovações, adaptando-se sempre a um contexto de representatividade e empoderamento.

Em 2017, Jordan Peele, elevou mais ainda as expectativas de um filme quando dirigiu, escreveu e produziu “Corra!’’, estrelado por Daniel Kaluuya. O filme, em sua maestria, cria uma crítica social contra o racismo, ainda tão presente nos Estados Unidos e no mundo, especialmente na região sulista do país. O filme se tornou um hit cultural, tendo recebido cinco indicações ao Oscar, ganhando o prêmio de Melhor Roteiro Original e rendendo 255,4 milhões de dólares.

Nessa semana, Peele teve a estreia de sua nova produção, Nós. O filme era cercado de uma grande pressão por seguir o sucesso e impacto sócio-cultural de Corra!. Entretanto, o filme não decepcionou e consolidou de uma vez por todas a marca de Jordan Peele, não somente no gênero de terror, como no universo cinematográfico inteiro.

Nós é um filme de terror psicológico, tendo diversos aspectos da série “Twilight Zone“, algo que o próprio diretor já falou pegar bastante inspirações para os seus filmes. Estrelando Lupita Nyong’o e Wilston Duke (ambos de Pantera Negra), sua história consiste em uma família indo passar suas férias de verão em Santa Mônica, para a aproveitar a praia. No entanto lá, mistérios do passado e eventos bizarros passam a acontecer quando a família de Nyong’o e Duke tem sua casa invadida por seus doppelgangers, usando macacões vermelhos e tesouras como armas. Nós, se diferencia de muitos filmes atuais pela sua qualidade e construção de mundo em detalhe.

Lupita Nyong’o é a alma de Nós com uma atuação eletrizante, ela consegue vender cenas sem diálogos completos, mostrando uma alcance como atriz de alto nível e mostrando que o seu Oscar por “12 Anos de Escravidão” não foi somente merecido, como é uma prévia dos muitos outros que ainda virão em sua carreira. No entanto, Lupita não faz tudo sozinha, o filme conta com um simbolismo extremamente bem mapeado, plantando o mistério da trama que é explicado de maneira eficiente e coesiva ao longo da história, mantendo a audiência fixada em cada detalhe. Além disso, o score desse filme é uma completa obra de arte, a música se torna parte do filme, ajudando não somente nas cenas, mas na própria criação de mundo tão bem executada do longa.

Nós, muito similar com o que Corra! fez, trata de aspectos sociais atuais de uma maneira sutil, tornando assim um filme por inteiro como uma forma de metáfora e mensagem social, algo que fica impresso em nosso subconsciente. Dessa vez, o filme trata de questões como abandonamento e como o ambiente na qual somos submetidos pode modificar a perspectiva que temos sobre nós mesmo, mas acima de tudo, o filme fala sobre um conflito interno por poder que todos nós sofremos, onde somos nossos próprios acusadores.

No entanto, o filme não é perfeito. Nós é uma produção extremamente ambiciosa e em momentos perde a balança entre a comédia e o terror, tirando um pouco o foco do espectador. Além disso, por sua ambição e um marketing mal direcionado, clímax do filme demora para realmente engajar, tendo criado uma identidade visual por meio de seus trailers, que não necessariamente, representa todo o enredo. Por fim, o filme ganha proporções dentro de sua construção de mundo que traem a essência de sua história: o individualismo. Nós, infelizmente peca pelo simples fato de querer ser grande demais.

Com isso sendo dito, Nós ainda é um filme que deve ser visto, já que em um mundo onde o público está faminto por conteúdo e qualidade, Nós se torna novamente um aumento na expectativa em produção e entrega de história num filme, especialmente do gênero de terror, que é tão ridicularizado por críticas. Nós, eu diria, continua o legado que Peele começou, criando uma nova divisão de terror que bebe da fonte dos clássicos como “O Iluminado” e Twilight Zone, mas cria algo tão inovador que em alguns anos, será referência para um universo que o próprio criou.

Relacionadas