Crítica | Dumbo

Crítica | Dumbo

Dumbo (2019) é mais uma das reimaginações dos clássicos da amada Disney. A palavra nostalgia, por sinal, anda sendo vangloriada aos diferentes cantos do mundo nos últimos anos, seja com reboots, revivals, remakes, remasterizações e todo “re” que você conseguir imaginar. E a Disney, claro, não poderia está de fora.

Por um lado, é uma inestimável chance de assistirmos a mesma história com tons e diferentes perspectivas, com o uso triunfal de novas tecnologias e talentos. Sem contar com a oferta de entregar uma amada aventura para uma nova geração. Por outro, o seu relançamento é passível de todos os tipos de problemas, do roteiro até a trilha e a edição. Nesse embarco, as adaptações também podem ou não serem fiéis, distanciando-se ou não do seu material de origem.

Infelizmente, o Dumbo é um pouco dos dois casos.

Para começar, um dos severos problemas do live-action, que adapta a animação original de 1941, concentra-se em seu roteiro, que entre diálogos horrendos, tenta criar espaço para diversos e inéditos personagens, como as crianças, Milly e Joe Farrier, e o elenco colossal do Circo dos Irmãos Medici. Nessa lotação desnecessária, Dumbo perde, por alguns momentos, o brilho na tela e torna-se um coadjuvante da trama que supostamente deveria ser sua.

Porém, nesse ringue pelo estrelato, o fofíssimo elefante, ainda que totalmente montado em CGI, consegue criar mais empatia e carisma do que quaisquer outros personagens do filme, interpretados por reais atores. As crianças, principalmente, são até protegidas momentaneamente pelo seu papel de importância ao lado do Dumbo, mas, acima dessa pequena barreira de proteção, é fácil notar a sua falta de carisma e talento.

Eva Green e Colin Farrell, por outro lado, não sofrem problemas em sua atuação, mas ainda enfrentam a crise com o tempo de tela. Assim como todos os demais personagens humanos, eles não ganham profundidade na trama, não evoluem ou passam por grandes transformações. Tudo é extremamente raso e ainda que o filme tente salvá-los em sequências grandiosas na trama, a falha é nítida e os atos grandiosos são apenas sequências de efeitos e emoções momentâneas.

Na verdade, o longa parece ser montado nessas sequências, que são amarradas com soluções fáceis e previsíveis. Com exceção dos casos citados e alguns momentos de tensão e sufoco genuínos, com novas e antigas cenas, nada, de fato, surpreende. Algumas transições, às vezes bruscas, rapidamente nos fazem sentir falta de trechos que completassem a história de maneira mais efetiva. Infelizmente, tudo aqui fica no imaginário.

Mas não só de defeitos vive Dumbo. A torcida pelo amável elefante é imparável e a sua tristeza, oras intensa, é sentida com facilidade (lágrimas vão rolar). A trilha composta por Danny Elfman (Alice no País das Maravilhas) também não falha e a maravilhosa Baby Mine se faz presente para aquecer os corações do jeitinho que a gente gosta. Tim Burton e os seus visuais singulares do cinema nos trazem a magia necessária para a história de Dumbo. A riqueza em detalhes não é poupada e as sequências mais intensas e emotivas ganham ainda mais destaques com seus efeitos visuais. E, ainda que entre os altos e baixos, um sentimento resguardado da nossa infância, sensível e caloroso, nos acompanha por todo a jornada de Dumbo.

No fim, o filme resolve as deficiências da animação original e expande alguns de seus aspectos mais adoráveis, como o distinto talento de Dumbo e a sua própria jornada familiar. Por outro lado, longa retrocede e trai o estrelato dos animais ao dar destaque aos imperfeitos humanos. Aliás, uma aventura que deveria, em teoria, ser centrada nas problemáticas sobre o cativeiro e o maltrato dos animais, tudo que a gente não precisava era de uma história sobre as problemáticas pessoas.

Relacionadas