Connect with us

Críticas

Crítica | Bumblebee

Sexto filme da franquia não dialoga com a saga, mas tem boa música.

A década de 1980 vem dominando muitos enredos cinematográficos nos últimos anos. Ambientar filmes nessa época tornou-se o elemento apelativo para reunir diversos públicos, principalmente no que tange à Cultura Pop.

Travis Knight (direção) e Cristina Hodson (roteirista) fazem bom uso desse recurso em Bumblebee, sexto filme da franquia Transformers. Apresentado inicialmente como um spin-off estrelado pelo segundo Autobot mais amado e conhecido pelo público em geral, o longa-metragem ousa ao assumir o papel de filme de origem para o universo dos robôs alienígenas.

Completamente estampado como narrativa prequela, Bumblebee acaba por ratificar mais ainda a concepção de que a franquia é falha. Cheio de furos em relação aos fatos por nós já conhecidos, o filme de Travis Knight propõe-se também a ser um retcon para os cinco primeiros filmes dirigidos por Michael Bay (agora produtor do longa) e cria uma enormidade de confusão na cronologia da saga.

Se passando nos anos 1980, a trama ignora acontecimentos dos filmes anteriores que colocam Bumblebee dentro da Segunda Guerra Mundial, além de apresentar a raça humana em seu primeiro contato com Transformers ocultando a existência e descoberta do corpo congelado de Megatron, que nem é citado no filme.

Erros cronológicos de lado, a chegada do Transformer amarelo com nome de abelha à Terra é introduzida com cenas do passado de guerras em Cybetron. Depois disso temos o Autobot tentando se adaptar à vida local assumindo a forma de um Volkswagen (o nosso Fusca) ao lado de uma adolescente às vésperas de seus 18 anos.

Bem mais humano que as películas anteriores, em Bumblebee temos menos robôs, menos cenas de ação com efeitos especiais e mais interação e diálogo (mesmo que superficial). A relação criada entre ele e a protagonista Charlie Watson (Hailee Stanfield) não chega a ser emocionante, mas cativa bastante pela sequência inusitada de atos cômicos promovidos pelo robô, que reaprende a se comunicar através de de seu rádio e as canções dos anos 1980.

A música, por consequência, se torna o principal e mais bem executado elemento do filme.  O italiano Dario Marianelli apresenta uma orquestração clássica com fanfarras de tempo e ritmo modernizadas, mas também vai buscar no pop algumas construções sonoras. É o que permite que as insert songs do filme sejam bastante aproveitadas.

Comunicando-se através da música, Bumbleebee faz uso de dezessete canções pertinentes ao tempo em que se passa o filme (1987, para ser mais preciso). De forma diegética, em diversos momentos, canções como Everybody Wants to Rule the World (Tears for Fears), Never Gonna Give You Up (Rick Astley), Bigmouth Strikes Again (The Smiths), Save a Prayer (Duran Duran), Things can Only Get Better (Howard Jones), Runaway (Bon Jovi) e Take On Me (A-Ha) estão entre as que consegui identificar de imediato durante a exibição.

Essa musicalidade é acertada em todos os momentos e fazem da experiência algo menos terrível. Não que não seja um bom filme – até é – só que para um filme de origem deixa a desejar no instante em que o fã busca conexões com as narrativas anteriores e não as encontra ou compreende, pois embora existam são mal apresentadas e não conclusivas.

Advertisement
22 Comments

22 Comments

  1. ofdjiqcekqy@gmail.com

    16 de fevereiro de 2019 at 00:10

    I and my friends ended up digesting the nice information and facts on the blog and so all of a sudden got an awful suspicion I never expressed respect to the web site owner for those strategies. My women had been for that reason thrilled to learn all of them and have now simply been tapping into these things. Thank you for indeed being so thoughtful and also for opting for certain tremendous information millions of individuals are really needing to discover. My very own honest apologies for not saying thanks to you earlier.

  2. lukarhtu@gmail.com

    17 de fevereiro de 2019 at 00:29

    I wish to show my thanks to the writer for bailing me out of such a issue. After surfing around throughout the the net and seeing ideas which are not pleasant, I assumed my life was done. Being alive without the answers to the problems you’ve resolved by way of the blog post is a serious case, and the kind which may have in a wrong way affected my entire career if I hadn’t noticed the blog. Your primary skills and kindness in dealing with a lot of things was excellent. I don’t know what I would have done if I had not discovered such a point like this. I am able to at this moment look ahead to my future. Thanks for your time very much for your impressive and results-oriented guide. I will not be reluctant to refer your web page to any person who needs guidance about this issue.

  3. lvcuixc@gmail.com

    19 de fevereiro de 2019 at 04:02

    Thank you for your whole hard work on this web site. My niece delights in setting aside time for internet research and it’s really easy to see why. My spouse and i notice all of the powerful form you produce reliable guidelines via the web site and therefore recommend participation from other individuals on the issue plus our favorite princess is in fact discovering a great deal. Take advantage of the rest of the new year. Your carrying out a pretty cool job.

  4. hrcusxrinwu@gmail.com

    21 de fevereiro de 2019 at 08:31

    I must convey my respect for your generosity in support of men who actually need help on your idea. Your special commitment to getting the solution all around was really functional and has in most cases helped regular people much like me to realize their targets. Your own warm and helpful tips and hints implies a lot a person like me and even more to my fellow workers. Many thanks; from everyone of us.

  5. baoiuiplem@gmail.com

    22 de fevereiro de 2019 at 02:41

    Thanks for your whole hard work on this website. Gloria delights in carrying out research and it’s really easy to see why. A lot of people know all relating to the lively method you offer vital secrets through this blog and as well foster contribution from people on that point then our own girl has been becoming educated a great deal. Take advantage of the remaining portion of the new year. You’re the one carrying out a wonderful job.

  6. hzkfygww@gmail.com

    22 de fevereiro de 2019 at 15:29

    I am glad for commenting to let you be aware of of the excellent encounter our princess undergone browsing your web site. She learned too many issues, which include what it’s like to possess an excellent teaching style to have others without difficulty gain knowledge of several tortuous subject matter. You really did more than readers’ expectations. Many thanks for churning out the warm and helpful, safe, explanatory not to mention unique tips on this topic to Ethel.

  7. hutgygpnph@gmail.com

    23 de fevereiro de 2019 at 19:54

    I just wanted to post a quick word in order to express gratitude to you for those precious ideas you are sharing at this site. My prolonged internet search has now been honored with really good insight to write about with my guests. I would suppose that many of us website visitors actually are very much fortunate to exist in a magnificent community with so many perfect people with beneficial tips. I feel truly happy to have come across your site and look forward to really more awesome times reading here. Thank you once again for everything.

  8. mzbtoqlfh@gmail.com

    24 de fevereiro de 2019 at 03:37

    I not to mention my guys have already been examining the best thoughts located on your site while quickly I got an awful suspicion I had not thanked the blog owner for those tips. Those young men ended up as a result thrilled to read through them and already have simply been taking advantage of these things. We appreciate you simply being simply accommodating and then for pick out certain very good ideas millions of individuals are really desirous to learn about. Our own sincere apologies for not expressing appreciation to earlier.

  9. vzdcpbekyxl@gmail.com

    24 de fevereiro de 2019 at 20:37

    I intended to write you that tiny remark just to say thank you the moment again just for the superb principles you’ve shared on this page. It was certainly pretty generous of people like you to allow unhampered all numerous people would’ve distributed for an e-book to make some bucks for their own end, most notably considering that you could have done it in case you wanted. Those tactics additionally acted to become fantastic way to understand that someone else have similar keenness much like my personal own to learn a whole lot more when it comes to this condition. Certainly there are lots of more enjoyable occasions ahead for those who view your website.

  10. wefazljq@gmail.com

    25 de fevereiro de 2019 at 21:32

    My wife and i were very fortunate when Chris could deal with his studies using the precious recommendations he acquired through the web pages. It is now and again perplexing to simply choose to be freely giving procedures which people today have been making money from. We really fully understand we have the website owner to thank for that. These explanations you have made, the straightforward blog navigation, the friendships you can make it easier to create – it is all fabulous, and it’s really making our son in addition to our family consider that this issue is enjoyable, which is particularly vital. Many thanks for the whole thing!

  11. gqynqkawy@gmail.com

    26 de fevereiro de 2019 at 21:29

    I just wanted to make a quick message to appreciate you for these magnificent advice you are giving at this website. My prolonged internet investigation has finally been compensated with useful know-how to talk about with my neighbours. I would express that we site visitors actually are definitely fortunate to dwell in a very good network with so many lovely individuals with good plans. I feel truly happy to have discovered your website page and look forward to many more entertaining moments reading here. Thanks a lot once more for a lot of things.

  12. cgjkmtqhkhv@gmail.com

    27 de fevereiro de 2019 at 21:32

    I wanted to send you this very small word so as to say thanks yet again relating to the fantastic information you’ve shared on this page. It was so shockingly generous with you to make openly all that numerous people might have advertised as an e-book to generate some bucks for their own end, notably seeing that you could have done it if you considered necessary. Those guidelines as well served to be the good way to be aware that other individuals have a similar eagerness just as mine to learn many more with reference to this matter. Certainly there are a lot more pleasant moments in the future for those who read carefully your website.

  13. amkpvxjnvs@gmail.com

    28 de fevereiro de 2019 at 21:00

    I needed to send you the very small word just to say thank you once again with the lovely guidelines you’ve documented on this website. It is quite shockingly generous of people like you giving without restraint just what most of us could have made available for an ebook to earn some bucks for their own end, even more so since you could possibly have tried it in case you wanted. The thoughts also acted to be a fantastic way to be aware that many people have similar keenness much like my personal own to understand more regarding this problem. I believe there are several more pleasurable instances in the future for many who browse through your website.

  14. tgdwyqvl@gmail.com

    2 de março de 2019 at 00:42

    I have to show my thanks to the writer for rescuing me from this particular dilemma. Right after researching throughout the online world and coming across principles which were not productive, I figured my life was over. Existing without the answers to the issues you’ve sorted out by way of your good short article is a critical case, as well as the ones which may have adversely damaged my career if I had not discovered the website. Your primary capability and kindness in touching every aspect was crucial. I don’t know what I would have done if I had not come upon such a point like this. I am able to at this point relish my future. Thanks for your time so much for this reliable and amazing guide. I won’t think twice to recommend the website to any person who should have counselling on this issue.

  15. qdwumpjl@gmail.com

    3 de março de 2019 at 05:36

    I would like to express appreciation to this writer for bailing me out of this type of trouble. Because of checking through the world-wide-web and finding opinions which are not helpful, I believed my entire life was done. Living without the presence of approaches to the problems you’ve sorted out all through your entire write-up is a crucial case, as well as ones which might have in a wrong way affected my entire career if I hadn’t come across your web blog. Your own capability and kindness in controlling all areas was priceless. I don’t know what I would have done if I had not come across such a stuff like this. I am able to at this time relish my future. Thank you so much for your high quality and amazing help. I will not be reluctant to propose your web blog to any individual who will need recommendations about this subject.

  16. fwucig@gmail.com

    4 de março de 2019 at 07:45

    I’m also commenting to make you be aware of what a amazing discovery my girl undergone studying your web page. She came to find numerous issues, which included what it is like to possess an awesome teaching heart to have many more quite simply completely grasp chosen specialized issues. You undoubtedly surpassed readers’ expectations. Thank you for providing these warm and friendly, trusted, edifying and even fun tips about this topic to Mary.

  17. llyuwwo@gmail.com

    5 de março de 2019 at 14:25

    I’m also commenting to make you know of the exceptional discovery my child enjoyed browsing your blog. She figured out a lot of details, which included what it’s like to have a very effective teaching mood to make men and women just know just exactly chosen complex things. You actually surpassed readers’ expected results. Many thanks for showing the productive, healthy, edifying not to mention fun thoughts on the topic to Evelyn.

  18. yttjkt@gmail.com

    6 de março de 2019 at 14:29

    My spouse and i felt now thankful John could round up his homework via the precious recommendations he obtained out of your blog. It is now and again perplexing to just always be giving away facts that some other people might have been selling. We really know we need the blog owner to give thanks to because of that. Those illustrations you’ve made, the simple site navigation, the relationships you help to instill – it’s got most spectacular, and it is helping our son in addition to us reckon that this situation is cool, which is certainly seriously mandatory. Many thanks for the whole thing!

  19. ncfvgi@gmail.com

    9 de março de 2019 at 19:02

    Thanks for your whole labor on this blog. My niece loves getting into research and it is easy to see why. My spouse and i learn all regarding the lively form you produce great strategies by means of your web blog and therefore attract contribution from some other people on that concept and our own princess is becoming educated a lot of things. Enjoy the rest of the new year. You’re doing a wonderful job.

  20. hvuohavechw@gmail.com

    9 de março de 2019 at 23:58

    I in addition to my guys appeared to be reading the excellent ideas from your website while all of the sudden I got a terrible feeling I had not expressed respect to the web site owner for those strategies. Most of the guys appeared to be consequently joyful to learn them and have in effect truly been taking pleasure in these things. Appreciate your truly being really accommodating as well as for picking varieties of impressive things millions of individuals are really desperate to understand about. My very own sincere apologies for not expressing gratitude to earlier.

  21. pmibhgurbby@gmail.com

    11 de março de 2019 at 04:29

    Thank you for all of the labor on this web site. Gloria enjoys setting aside time for research and it’s really simple to grasp why. Almost all hear all regarding the compelling manner you give very helpful guidelines on your website and even welcome contribution from other individuals on this theme so our girl is really understanding a lot. Enjoy the rest of the new year. You are performing a powerful job.

  22. pbordv@gmail.com

    12 de março de 2019 at 06:24

    I just wanted to develop a brief word to be able to say thanks to you for some of the lovely advice you are writing on this website. My rather long internet investigation has at the end of the day been honored with high-quality details to talk about with my partners. I ‘d assert that many of us site visitors actually are really fortunate to dwell in a fine network with many lovely professionals with beneficial concepts. I feel very much privileged to have come across your web page and look forward to really more pleasurable minutes reading here. Thanks again for all the details.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Críticas

Crítica | Capitã Marvel

Com uma saída conveniente para a ameaça de Thanos, a Marvel dá conta do básico e organiza o tabuleiro para o capítulo final dos Vingadores

O primeiro filme solo de uma heroína no MCU chegou sob o rufo dos tambores e com alta voltagem de expectativa depois da sinuca de bico deixada pelo estúdio em Vingadores: Guerra Infinita. A estreia da Capitã Marvel (Captain Marvel, 2019) encara o desafio de indicar as diretrizes para o que virá adiante no capítulo definitivo de Vingadores, explorar a retranca Krees vs. Skrulls e apresentar a heroína e suas motivações. Vai vendo.

O problema é que sendo um filme de origem que tenta fugir das atribuições de um filme de origem para funcionar mais como um filme de “condução” da narrativa-macro, Capitã Marvel acaba trupicando na teia ultracomplexa de acontecimentos que transformaram a personagem na heroína mais poderosa da Casa das Ideias. E aí não tem como fugir: o resultado é uma narrativa que precisa recorrer a certo didatismo e exposição.

Um exemplo disso é a ocorrência de personagens como as do núcleo Maria Rambeau (Lashana Lynch) muito convenientemente explicando quem é Carol Danvers, quando o ideal é que o filme nos mostrasse isso em ação. Parece inofensivo, mas o efeito colateral é que esse recurso acaba fragilizando o impacto visual e transformando boa parte das cenas num mero manual para entender a Capitã – o que é a intenção básica do estúdio, claro, mas a Marvel não ganhou esse prestígio priorizando texto e deixando a forma pra escanteio, certo? O grande lance é encontrar essa afinação e talvez seja o que infelizmente deixou a desejar aqui.  

Isso explica algumas desacelerações no ritmo da narrativa, onde alguns fatos inevitavelmente ganham mais atenção que outros – o que termina criando algumas ‘barrigas’ no desenvolvimento da história. E aquela reviravolta na abordagem dos Skrulls talvez seja a maior ponta desse problema. Isso também explica o fato de que o filme não tem uma identidade visual tão impactante ou fácil de identificar, exceto por algumas cenas como a da batalha em neon no início e a sequência da explosão que origina os poderes da Capitona. Paciência, irmão. Paciência.

De todo modo, seja por conta dos dilemas comuns que criam elos de identificação com a protagonista ou pela dobradinha com o jovem Nick Fury e seus ataques de fofura com a gatinha Goose, o filme acaba dobrando o espectador aos poucos, na base do carisma. E mais papo, menos papo: é sempre lindo ver uma mulher dando uns tapa na cara dos folgado. E tome diálogos com as tiradas infalíveis de humor, assinatura clássica da Marvel. Cabe aqui o destaque para o trabalho do elenco que ajuda a tornar crível aquele universo, mesmo com seus poréns.

Corre por fora o recurso fácil de sapecar hits musicais dos anos 90 que calçam a atmosfera da época e ajudam a embalar as sequências que se passam na Terra: flertes com a nostalgia do VHS e de uma época em que Tom Cruise arrancava suspiros pilotando caças endiabrados.

O ponto é que ao apresentar problemas daqueles difíceis de relativizar, um filme que poderia ser mais um ponto alto depois de acertos como Pantera Negra, surge apenas como uma peça conveniente demais na engrenagem dos Vingadores: para um vilão de força sobrecomum, um reforço a altura. E aí, vá lá, o filme que poderia ir mais alto, mais longe e mais veloz se limita a cumprir o prometido: já sabemos quem é a Capitã Marvel e mal podemos esperar pra vê-la dando um sarrafo no Thanos. Vai que é tua, Capitona!

Continue Reading

Críticas

Crítica | Alita: Anjo de Combate

Criativa, adaptação consegue captar essência do original e se reinventa.

Alimentando a ideia de que o transumanismo pelo qual caminhamos nos dias atuais irá se colapsar na metade do terceiro milênio, o filme de Robert Rodriguez traz um argumento compactado sobre diferentes atuações do ser humano diante do seu próprio caos que se constitui em ordem.

Tal como um anjo que caiu por se rebelar contra seu criador e depois aponta suas armas em busca do Éden perdido, Alita: Anjo de Combate traduz-se em um deus ex machina na forma como seus elementos são costurados e dispostos diante da tela. Não que isso seja ruim – no caso desse filme -, mas é necessário abrir esta crítica afirmando esta posição considerando o fato de se tratar de mais um filme adaptado de uma obra japonesa.

Robert Rodrigues (direção), Laeta Kalogridis (roteiro), Jon Landau (produção) e James Cameron (produção e roteiro) traduzem de maneira ímpar a obra de Yukito Kishiro após longos anos de espera. Reconstruindo o universo de GUNM – Hyper Future Vision somos apresentados a uma Gally… Ops! Corrigindo… Um Alita cativante, sensível e forte que encanta mesmo com aqueles olhos gigantes, que por sinal são um charme à parte.

O conflito de fundo que ambienta a trama original do mangá é mantido e Zalem retrata o sonho para muitos decadentes da Cidade de Ferro e ao mesmo tempo é a maldição que os prende a uma vida tênue entre a moralidade e a insanidade. No meio disso, Alita é literalmente um anjo para muitos que sobrevivem a essa tempestade. Ingênua, gentil e – acima de tudo – guerreira. Só que não se enganem, tal como um anjo ela também pode ser um demônio que vive a adrenalina da batalha.

E já que o assunto é batalha, Alita: Anjo de Combate tem bom momentos de ação e movimentos de câmera ensaiados com maestria transparecendo o bom labor de toda a equipe envolvida na produção. Talvez a realidade nas mortes é que tenham sido pouco efetivas só que discutir isso num mundo onde homem e máquina vivem em perfeita simbiose é um pouco demais.

Falar detalhe por detalhe sobre o filme é desnecessário. Importante mesmo é saber que a adaptação constrói uma boa relação entre os quatro primeiros volumes da HQ japonesa e relaciona elementos como o motorball e o envolvimento entre Alita e Hugo para amenizar o peso do discurso sombrio da narrativa transumanista e cyberpunk.

A adaptação, contudo, mantém uma consistência frágil e deixa o fã do mangá decepcionado em muitos momentos. A morte do vira-lata, a utopia psicológica de Chiren e o dilema de Hugo são explorados em intensidade inferior ao que se espera e deixa um leve gosto de insatisfação, que é superado pelo competente trabalho dos atores em especial o de Rosa Salazar (Alita), que mesmo em meio a tanto efeito visual sobressai-se com bastante eficiência no papel principal enquanto figura humana em cena. Talvez por isso os responsáveis pelo filme resolveram tirar o batismo da protagonista da relação entre Ido e um velho gato e assumir algo mais aproximador como o amor de um pai por uma filha já não mais viva.

Divergências de lado, Alita: Anjo de Combate é um sucesso. Não admitir isso é de infantilidade por parte de quem o faz. A escolha fílmica para a trama nos dá uma narrativa de origem bem convincente, atrativa. Quem diz ser mais do mesmo no “gênero filme de herói” se esquece ou faz-se desentendido a respeito da Jornada do Herói onde a exaltação do protagonista após o infortúnio é mais do que válida.

Ponto de virada para o dilema do fracasso das adaptações de animês e mangás (e games!), Alita agora será parâmetro para seus sucessores como Detetive Pikachu ainda em 2019 e outros anúncios um tanto quanto preocupantes como Sonic e Your Name para momentos seguintes.

Continue Reading

Críticas

Crítica | A Favorita

Um deboche da monarquia, solitária e triste, que de forma irônica e embaraçosa aponta para a falta de limites da ambição humana

Quando A Favorita (The Favourite, 2018) chega ao fim e sobem os créditos ao som de “Skyline Pigeon”, de Elton John, fica uma certa sensação de constrangimento. Nenhuma relação com a qualidade do filme, ao contrário. Incomoda o público ter sido testemunha de longos minutos de egoísmo, do aproveitar-se de outra pessoa, de uma ambição tamanha das protagonistas que embaraça mesmo em se tratando de uma narrativa cômica. Absoluto mérito do jovem e talentoso cineasta grego Yorgos Lanthimos, que se debruça em uma tentativa de ironizar não só a monarquia da Grã-Bretanha do século XVIII, mas, principalmente, a figura da rainha Anne (Olivia Colman) do ponto de vista dos que vivem a rotina na corte – sejam aliados ou oposição. A sacada, porém, está no drama vergonhoso que se apresenta a partir de como começamos a perceber o quanto a personalidade da rainha é extremamente imperfeita, auto destrutiva e de um amor próprio (quase) nulo.

Parte de um processo político confuso, Anne chegou ao trono em 1702 e teve que lidar com questões determinantes sobre a Guerra da Sucessão Espanhola e as ferrenhas inimizades com os franceses.  Sempre ao lado da rainha está Lady Sarah Churchill (Rachel Weisz), a Duquesa de Marlborough, conselheira transformada na pessoa de maior confiança à sua alteza e, por sua vez, aproveitando-se da fragilidade real, quem verdadeiramente governa. Então, chega à corte Abigail Masham (Emma Stone), historicamente conhecida como Baronesa Masham que se aproxima da monarca e, com tanta ambição quanto Sarah, vai ganhando espaço na preferência de Anne como a companhia favorita. Resta a Sarah posicionar-se com maior agressividade contra Abigail e encontrar um melhor plano de manipulação, apelando para os sentimentos mais íntimos da depressiva e instável Anne. Mas parece não funcionar.

Como as duas principais personagens são históricas e reais, e que realmente dividiram o favoritismo da rainha, Lanthimos se aproveita desse toque de fidelidade do enredo para inserir as fofocas da corte que costuram e formam um perfeito ambiente de intrigas – tanto políticas quanto amorosas – de abordagem convincente, mesmo que sejam situações bem inusitadas. Soma-se a isso as atuações absolutamente impecáveis de Weisz e Stone, capazes de conduzir toda a trama de forma poderosa, transformando todos os homens do filme em meros sonsos descartáveis, escadas para diálogos cômicos e maliciosos.

Impossível não destacar também as aplicações técnicas de A Favorita. A fotografia é deslumbrante e busca capturar boa parte dos eventos com enquadramentos e cores (em um tons mais quentes, em função da escuridão vista pela luz de velas) que remetem a pinturas. Algumas dessas tomadas, filmadas em lentes grandes angulares, remetem a uma breve inspiração em Barry Lyndon (clássico de Stanley Kubrick que usou câmeras que a NASA usou em missões lunares para ampliar a iluminação). O figurino é outro ponto valioso do longa e favorito (sem trocadilho) ao Oscar, assim como a trilha sonora, adequada a cada capitulo da história, que acompanha o tom de ironia e crueldade a medida em que a trama avança. 

A Favorita narra uma passagem histórica em que mostra o lado extremo do sentimento de ambição atrás de poder. Os laços entre o triângulo são alegorias sobre os diferentes tipos de comportamento humano e o quanto cada indivíduo se importa com o outro quando se trata de conseguir o que quer. E mesmo com o tom cômico, diálogos divertidos e situações engraçadas, assistir a depreciação de uma outra pessoa depressiva e frágil, por mais poderosa que fosse, dá um gosto amargo e triste de como o ser humano, por várias vezes, é um mero instrumento da condição a qual ele se coloca. Afinal, pombos de tiro ao alvo podem até tentar voar, mas serão abatidos por seu algoz sem piedade.

Continue Reading