Crítica | Alguém Especial





29/04/2019 - Atualizado às 18:10


A Netflix, desde 2015, vem glorificando seu matérial original, focando em investimentos pesados na produção de séries e filmes próprios, com a intenção de elevar o nível de seu catálogo e tornar a plataforma um das maiores dentro da indústria cinematográfica. Com Roma, um filme original Netflix e dirigido pelo aclamado Alfonso Cuarón, levando dez indicações ao oscar e três estatuetas para casa, incluindo melhor diretor, a Netflix reafirmou a razão pela qual é tida como um titã no seu ramo, tendo atualmente o título de empresa mais rentável em entreterimento. No entanto, juntamente de um conteúdo digno da Academia, a Netflix tem uma reputação solidificada em filmes de comédia româtica, que desde o ano passado tem dado extrema visibilidade para a plataforma, por se apoiar num sentimento de nostalgia e uma vibe de aconchego, associada bastante aos anos 90.

Alguém Especial (Someone Great) é novo filme que desfruta dessa mesma energia, seguindo o sucesso de filmes como ‘’Barraca do Beijo’’ e ‘’Para Todos os Garotos que Já Amei’’ (ambos de 2018), essa nova produção conta a história de três amigas, Jenny (Gina Rodriguez de Jane a Virgem), Blair (Brittany Snow de A Escolha Perfeita) e Erin (DeWanda Wise de Ela Quer Tudo) em Nova York, tentando entender o real significado de crescer, se tornar adulta e se encontrar no mundo, sem perder sua essência. Rodriguez brilha como protagonista do filme, não só cativando espectadores com uma personalidade rápida e charmosa, mas na expertise da criação de um personagem que se conecta com a audiência, por ser relacionável ao extremo, especialmente numa situação tão conhecida, como a do término de um relacionamento duradouro. DeWanda e Snow, entretanto, não ficam muito atrás, criando arcos secundários tão forte quanto e provendo um apoio cômico e psicológico para o personagem de Gina Rodriguez, tornando o filme uma homenagem a própria amizade e companheirismo.

Apesar de ser um filme mais leve, se apoiando especialmente na comédia visual, com uma exposição extrema de álcool e drogas ilícitas, Algúem Especial, conta com temas extremamente revelantes atualmente. Focando na amizade de três mulheres, o filme aborda um grande empoderamento, mas ao mesmo tempo que os humanizando, mostrando seus defeitos e suas vontades de supera-los, criando assim personagens humanos e aproximáveis do público, que se sentem representadas. Além disso, o filme se distância de criar uma rivalidade entre as personagens, algo tão presente em filmes clichês de Hollywood, deixando desde o começo bem claro o valor da amizade entre elas, criando uma irmandade. Agregado a isso, o filme levanta bandeiras LGBT+ sem criar um alarde sobre a situação, com a personagem de DeWanda não tendo seu arco focado no fato dela ser lésbica ou dela se assumir, mas sim, criando um personagem seguro de si mesma quanta a sua sexualidade.

No entanto, a real estrela dessa produção é a estética escolhida, mesclando de maneira inteligente um visual retrô, remetendo aos anos noventa, com a modernidade urbanda de Nova York, criando um sentimento de querer visitar os parques, festas e até mesmo apartamentos usados como set. Reunido a isso, o filme trabalha com um ótimo senso de moda, trazendo visuais que não somente se apresentam lindo em tela, mas também passam a ideia de serem acessíveis o suficiente, para que possa ser usado na realidade de expectadores. Por fim, o filme conta com uma ambientação sensacional, com a criação de uma atmosfera sendo ditada por uma trilha sonora para todos os gostos, desde as baladas românticas, passando pelo eletrônico e finalmente chegando em raps, todos sendo colocados de maneira estratégica no filme, casando perfeitamente com a situação. Com isso, temos a criação de um filme não perfeito, mas que pelos 80 minutos que passamos vidrados nesse universo, criando laços com os personagens, vendo eles crescerem e se desenvolverem, temos sim, um filme perfeito para passar a tarde e celebrar a amizade e o auto-descobrimento.