Crítica | A Favorita





14/02/2019 - Atualizado às 19:31


Quando A Favorita (The Favourite, 2018) chega ao fim e sobem os créditos ao som de “Skyline Pigeon”, de Elton John, fica uma certa sensação de constrangimento. Nenhuma relação com a qualidade do filme, ao contrário. Incomoda o público ter sido testemunha de longos minutos de egoísmo, do aproveitar-se de outra pessoa, de uma ambição tamanha das protagonistas que embaraça mesmo em se tratando de uma narrativa cômica. Absoluto mérito do jovem e talentoso cineasta grego Yorgos Lanthimos, que se debruça em uma tentativa de ironizar não só a monarquia da Grã-Bretanha do século XVIII, mas, principalmente, a figura da rainha Anne (Olivia Colman) do ponto de vista dos que vivem a rotina na corte – sejam aliados ou oposição. A sacada, porém, está no drama vergonhoso que se apresenta a partir de como começamos a perceber o quanto a personalidade da rainha é extremamente imperfeita, auto destrutiva e de um amor próprio (quase) nulo.

Parte de um processo político confuso, Anne chegou ao trono em 1702 e teve que lidar com questões determinantes sobre a Guerra da Sucessão Espanhola e as ferrenhas inimizades com os franceses.  Sempre ao lado da rainha está Lady Sarah Churchill (Rachel Weisz), a Duquesa de Marlborough, conselheira transformada na pessoa de maior confiança à sua alteza e, por sua vez, aproveitando-se da fragilidade real, quem verdadeiramente governa. Então, chega à corte Abigail Masham (Emma Stone), historicamente conhecida como Baronesa Masham que se aproxima da monarca e, com tanta ambição quanto Sarah, vai ganhando espaço na preferência de Anne como a companhia favorita. Resta a Sarah posicionar-se com maior agressividade contra Abigail e encontrar um melhor plano de manipulação, apelando para os sentimentos mais íntimos da depressiva e instável Anne. Mas parece não funcionar.

Como as duas principais personagens são históricas e reais, e que realmente dividiram o favoritismo da rainha, Lanthimos se aproveita desse toque de fidelidade do enredo para inserir as fofocas da corte que costuram e formam um perfeito ambiente de intrigas – tanto políticas quanto amorosas – de abordagem convincente, mesmo que sejam situações bem inusitadas. Soma-se a isso as atuações absolutamente impecáveis de Weisz e Stone, capazes de conduzir toda a trama de forma poderosa, transformando todos os homens do filme em meros sonsos descartáveis, escadas para diálogos cômicos e maliciosos.

Impossível não destacar também as aplicações técnicas de A Favorita. A fotografia é deslumbrante e busca capturar boa parte dos eventos com enquadramentos e cores (em um tons mais quentes, em função da escuridão vista pela luz de velas) que remetem a pinturas. Algumas dessas tomadas, filmadas em lentes grandes angulares, remetem a uma breve inspiração em Barry Lyndon (clássico de Stanley Kubrick que usou câmeras que a NASA usou em missões lunares para ampliar a iluminação). O figurino é outro ponto valioso do longa e favorito (sem trocadilho) ao Oscar, assim como a trilha sonora, adequada a cada capitulo da história, que acompanha o tom de ironia e crueldade a medida em que a trama avança. 

A Favorita narra uma passagem histórica em que mostra o lado extremo do sentimento de ambição atrás de poder. Os laços entre o triângulo são alegorias sobre os diferentes tipos de comportamento humano e o quanto cada indivíduo se importa com o outro quando se trata de conseguir o que quer. E mesmo com o tom cômico, diálogos divertidos e situações engraçadas, assistir a depreciação de uma outra pessoa depressiva e frágil, por mais poderosa que fosse, dá um gosto amargo e triste de como o ser humano, por várias vezes, é um mero instrumento da condição a qual ele se coloca. Afinal, pombos de tiro ao alvo podem até tentar voar, mas serão abatidos por seu algoz sem piedade.