Connect with us

Últimas

Crítica | A Família Addams

Engraçada porém confusa, animação traz a família Addams de volta as telonas

Desde 1930 que a Família Addams apresenta uma espécie de humor não apenas considerado fúnebre e mórbido, mas crítico em relação aos aspectos comuns da sociedade.

Inspirada nas tirinhas criadas por Charles Addams, a família que tem costumes e tradições nada tradicionais, marcam a história de muitas pessoas, seja na adaptação animada para TV em 1960 ou nos filmes de 1991 e 1993.

Agora, em 2019, a família mais sombria e engraçada da cultura pop volta aos cinemas na versão 3D dirigida por Greg Tiernan e Conrad Vernon com um roteiro de Matt Lieberman.

Embora com poucas semanas de estreia o filme já tem um futuro bem definido. O estúdio MGM já trabalha em uma continuação garantida para 22 de outubro de 2021. Segundo site Deadline, a continuação se dá ao fato da bilheteria de estreia em seu primeiro fim de semana ter alcançado o valor de US$ 35 milhões, sendo suficiente para que fosse realizada essa continuação.

A animação de 2019 é uma espécie de reboot para a história que não resgata o efeito nostalgia, e faz isso intencionalmente, pois o foco passa a ser o público infantil atual, quebrando um pouco a expectativa daqueles mais velhos que procuram na animação o mesmo toque exageradamente sombrio de outrora. A essência da família continua a mesma, eles são os diferentes e exocêntricos vivendo no meio dos considerados “normais”, embora tenham agora um toque menos ácido e mais politicamente correto, sem perder sua substância.

Em questão comédia o roteirista Matt Lieberman (também diretor do filme de comédia adulta “Festa da salsicha”) consegue acertar em cheio, com piadas boas e de fácil compreensão para o público-alvo, assim como várias referências, principalmente à série clássica, como a cena que recria a abertura da série de TV mas na versão 3D, e leves referências a outros filmes de terror, como Frankstein e It: A Coisa, para os mais velhos.

Embora o design dos personagens seja louvável, focando não nos traços apresentados nos filmes de 1991 e 1993, mas mais inclinados para as tirinhas originais de Charles Addams, exibindo personagens com uma construção estética propositadamente cartunesca, com suas cabeças estranhas e corpos desproporcionais, o filme peca na questão visual de todo cenário ao redor da família principal. Com a má reposta da animação Missing Link (Link Perdido) esse ano nos Estados Unidos, que arrecadou pouco comparado com o custo de produção, é notável que a MGM está com um pouco de medo quando o assunto é animações. Em Família Addams pode-se perceber que houve um investimento baixo, assim criando um cenário pobre, como exemplo os personagens secundários que tendem a parecer genéricos ou as estruturas de imóvel, como a casa “assombrada” da família que não tem o mesmo impacto sombrio dos cenários mostrados na série ou nos filmes dos anos 90, o que deixa perceptível que é uma animação de segundo nível, que não compete diretamente com outros títulos de outros estúdios como Pixar ou DreamWorks e até mesmo animações lançadas esse ano como Abominável. A direção gótica dos filmes dos anos noventa apresenta um visual de cenário bem mais “horripilante” e que combina mais com os Addams.

Em questão de técnica de movimentação de câmera e ângulos também não impressiona, dando uma fotografia bem básica a animação.

As referências e modernidade no filme, como smartphones, internet, fake news e outros aspectos considerados modernos é a novidade que diferencia esse filme aos anos 90. É perceptível que a animação Família Addams recebeu uma “modernizada” que deixa ainda mais próximo a realidade do público que hoje assiste esse filme, tudo isso sem precisar escorregar para o humor extremamente infantil. Um ponto positivo para a musicalidade do filme que combina com toda essência demonstrada nas cenas, sem precisar transformar a família Addams num musical infantil.

Embora seja de grande valia a comédia do filme, tornando-o uma boa pedida para um passatempo com a família e filhos, e enredo não é de todo complexo ou rico em detalhes como é de costume nas grandes animações atuais. Enquanto Feioso, o filho da família precisa passar por um ritual que o tornará adulto e que claramente é uma referência ao Bar-mitvah, sua irmã, Vandinha, tem um momento de rebeldia retratado de uma forma contrária aos adolescentes comuns, trocando seu lado sombrio e estranho por detalhes delicados e bonitos. Porém, o roteiro acaba se tornando muito corrido e equivocado, retratando assuntos como bullying, união familiar, desenvolvimento de caráter e criação de identidade todos de uma vez, porém de uma forma muito rasa. Todos os problemas são resolvidos de modos muito parecidos, com o personagem quebrando a cara para entender seu caminho. Destaque extra para as frases invertidas do costumeiro social, como “tenha um mal dia”, ou “dê o seu pior” que se tornam cansativas com o passar do filme perdendo a piada, mesmo erro da série da Netflix Mundo Sombrio de Sabrina onde todas as palavras Deus eram trocadas por Satã, perdendo a seriedade nesse caso.

A Família Addams é um filme que não espera revolucionar o cinema atual, mas é uma boa pedida para uma tarde de lazer que pode tirar boas risadas de seus espectadores.

Leia Mais
Publicidade

Últimas

Naya Rivera, atriz que fez Santana em Glee está desaparecida

Foto: Divulgação/Glee

Naya Rivera, atriz e cantora que ficou famosa por interpretar Santana na série musical Glee está desaparecida desde a tarde de quarta-feira (8).

As autoridades responsáveis pelo caso contam que Rivera e seu filho Josey, de apenas 4 anos de idade, fizeram um passeio de barco pelo Lago Piru, no Condado de Ventura, na Califórnia. Três horas após sua saída, a criança foi encontrada sozinha na embarcação dormindo e sem ferimentos.

Segundo o site Hollywood Reporter, o filho da atriz conta que ambos foram nadar, mas sua mãe não voltou para o barco.

A área do lago foi fechada para o público enquanto as investigações são realizadas. O Departamento de Polícia do Condado de Ventura está recebendo assistência de equipes de mergulhadores e trabalham com a hipótese que a atriz possa ter se afogado.

Na noite de quinta-feira (9), a polícia divulgou imagens de uma câmera de segurança do porto onde a atriz e o filho alugaram e partira no barco.

O vídeo mostra o baixo movimento no local, onde Rivera estaciona e junto com o filho, descem do carro. Ela está com uma roupa branca, mochila e boné, enquanto Josey está com o que parece ser uma mochila nas costas. Ele segue a mãe e após isso um barco sai do porto e segue à direita do lago.

As buscas pela atriz iniciaram por volta das 16hrs, em horário local, da quarta-feira, após o garoto ter sido encontrado sozinho na embarcação e ter contado que a mãe entrou na água e não retornou.

De acordo com a AFP (Agence France-Presse), para a polícia já é presumível que ela esteja morta, e o que era uma operação de busca se tornou uma de recuperação de corpo. Segundo o site TMZ, o delegado de Ventura afirmou que considera grandes as chances da atriz ter morrido afogada no lago, que é cheio de árvores e detritos em seu fundo, o que dificulta as buscas.

No útlimo ano, Rivera participou do filme Mad Families, filme da plataforma digital Crackle, da Sony e esteve envolvida também nas gravações de Step Up: High Water, uma websérie exibida pelo Youtube Red em parceria com a Lionsgate TV inspirada no filme Ela Dança, Eu Danço.

Leia Mais

Últimas

Scooby! O Filme lançará em plataforma digital no Brasil dia 23 de julho

Versão brasileira contará com dubladores de peso, incluindo entre eles, Guilher Briggs.

Foto: Divulgação

Com as mudanças por conta do COVID-19 e o fechamento dos cinemas, alguns filmes têm sido lançados digitalmente antes mesmo de irem para as telonas. SCOOBY! O Filme, a nova animação do desenho famoso Scooby-Doo, chegará em breve no Brasil.

Antes, o filme tinha a estreia nos cinemas brasileiros confirmada para o dia 14 de maio, mas por conta da pandemia, o filme estreará em plataformas on demand e estará disponível para compra e aluguel a partir do dia 23 de julho.

O mesmo ocorreu nos Estados Unidos, o filme foi retirado do calendário de estreias no cinema e estreou nas plataformas digitais em 15 de maio.

O longa é dirigido por Tony Cervone (O Show dos Looney Tunes). E nas vozes orignais, Zac Efron interpreta a voz de Fred, Amanda Seyfried da Daphne, Gina Rodriguez da Velma, Will Forte faz o Salsicha e Frank Welker dubla Scooby-Doo.

Na dublagem nacional, Guilherme Briggs será Scooby, Fernando Mendonça o Salsicha, além das vozes de Flávia Saddy como Daphne, Fernanda Barone como Velma, que também são vozes originais dos desenhos animados recentes. Alexandre Drummond e Victor Hugo farão as vozes do Jovem Scooby e do Jovem Salsicha, respectivamente.

Briggs e Fernando Mendonça

Segundo sinopse oficial, o filme, além de mostrar as origens da Mistério S/A e a forma que Scooby e Salsicha se conheceram, também mostrará que o cachorro detetive possui um destino maior do que os amigos imaginam.

Leia Mais

Cinema

Projeto “Juntos Pelo Cinema” prepara campanha para a retomada do cinema no Brasil

A campanha visa a retomada segura das atividades da indústria cinematográfica seguindo todos os protocolos de segurança e higiene estabelecidos pelas autoridades.

(Foto: Reprodução/JuntosPeloCinema)

Desde o início da pandemia pelo novo coronavírus, no início do ano, várias empresas e negócios que dependiam diretamente de participação presencial do público foram sendo fechados, como bares, restaurantes, hotéis, entre outros. Um dos principais segmentos afetados pelo isolamento social foi o Cinema, que precisou ser interrompido e sem data definida para ser retomado. No entanto, o projeto Juntos Pelo Cinema vem pensando em estratégias para relembrar a experiência da exibição dos filmes nas salas de cinema, de agora até o momento em que forem reabertas pelas autoridades.

O projeto nasceu da ideia de vários profissionais que atuam no meio audiovisual no país, que, além de terem a intenção de preservar milhares de empregos ligados à indústria cinematográfica, pretendem retomar o diálogo entre o público, seguindo os protocolos de segurança e bem-estar determinados pelos governos locais.

Para isso, o projeto foi pensado em duas etapas. A primeira consiste em uma ampla campanha de comunicação que tem como objetivo fortalecer os laços entre o cinema e o público, sendo divulgada por centenas de veículos de comunicação nacionais em meio à sua programação por meio de um vídeo, lançado no dia 7 de julho e que segue pelas próximas semanas. Confira:

A segunda etapa do projeto, que será realizada um pouco antes da data de abertura das salas ao público, inicia com o oferecimento de materiais explicando os protocolos de segurança elaborados pelos governos locais a cada estabelecimento de cinema das cidades.

Além disso, será lançado o festival De Volta Para o Cinema, idealizado pelo crítico, curador e apresentador Érico Borgo, em parceria com distribuidores e exibidores, que pretende exibir filmes clássicos do cinema mundial nas duas primeiras semanas após a reabertura das salas.

Para mais informações sobre o projeto, confira o site do Juntos Pelo Cinema clicando AQUI.

Leia Mais