Connect with us

Últimas

Confira as novidades do catálogo da Netflix no mês de janeiro

Mais de 49 séries, filmes, documentários e conteúdos infantis entram no catálogo.

Foto: Divulgação/FX

O mês de dezembro está chegando e, com ele, muitas novas séries, filmes e documentários no catálogo da Netflix. Atualizado mensalmente, esse mês o serviço de streaming preparou algumas boas novidades para os fãs das séries Titãs, O Justiceiro, Zootopia e Pokémon. Veja, abaixo, a lista completa de novidades da Netflix para janeiro:

Séries

O que chega A partir de
Comediantes do mundo: Brasil 1º de janeiro
Ordem na casa com Marie Kondo 1º de janeiro
Investigação criminal: Temporada 3 1º de janeiro
Grown-ish: Temporada 1 1º de janeiro
Godzilla: O devorador de plantas 9 de janeiro
Jornada de heróis 10 de janeiro
Sex education 11 de janeiro
Titãs 11 de janeiro
Amigos da faculdade: Temporada 2 11 de janeiro
American crime story: O assassinato de Gianni Versace 17 de janeiro
Grace and Frankie: Temporada 5 18 de janeiro
Star trek Discovery: Temporada 2 18 de janeiro
Unbreakable Kimmy Schimdt: Temporada 4, parte 2 25 de janeiro
Kingdom 25 de janeiro
Medici: O magnífico 25 de janeiro
Black earth rising 25 de janeiro
Club de cuervos: Temporada 4 25 de janeiro
Marvel – O justiceiro: Temporada 2

Filmes

O que chega A partir de
O lagosta 1º de janeiro
Spotlight: Segredos revelados 1º de janeiro
Orgulho e preconceito e zumbis 1º de janeiro
Amor e revolução 1º de janeiro
Lionheart 4 de janeiro
El potro, lo mejor del amor 4 de janeiro
Inspire, expire 4 de janeiro
Mara 5 de janeiro
Solo 11 de janeiro
A última gargalhada 11 de janeiro
Matadores de velhinha 14 de janeiro
Um homem entre gigantes 15 de janeiro
Girl 18 de janeiro
IO 18 de janeiro
Ánimas 25 de janeiro
O quinto poder 28 de janeiro

Documentários Especiais

O que chega A partir de
Histórias que o nissi cinema (não) contava 10 de janeiro
Remastered: Massacre no estádio 11 de janeiro
Sebastian Maniscalco: Stay hungry 15 de janeiro
Sequestrada à luz do dia 15 de janeiro
Trigger warning with Killer Mike 18 de janeiro
Conversations with a killer: The Ted Bundy tapes 24 de janeiro
Story of us com Morgan Freeman 27 de janeiro
Gabriel “Fluffy” Iglesias: One show fits all 29 de janeiro

Crianças e família

O que chega A partir de
Lemony snicket – Desventuras em série: Temporada 3 1º de janeiro
Pinky Malinky 1º de janeiro
Disney – Mulan 14 de janeiro
Disney – Zootopia: Essa cidade é o bicho 15 de janeiro
Carmen Sandiego 18 de janeiro
Trolls – O ritmo continua!: Temporada 5 18 de janeiro
Pokémon, o filme: Eu escolho você

Maranhão

Seminário de arte e cultura aborda práticas coletivas, subjetividade e resistência

O objetivo é fomentar a partilha de experiências e a produção do pensamento crítico acerca da Arte, Educação e Cultura.

Por

O Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM) realizará,  nos dias 21 e 22 de outubro deste ano, das 19h às 21h, o  I Seminário de Arte, Educação e Cultura: Práticas Coletivas – Criação, Subjetividade e Resistência. 

Organizado em duas rodas de conversa, o seminário propõe fomentar a partilha de experiências e a produção do pensamento crítico acerca da Arte, Educação e Cultura, no campo do fazer coletivo. Serão abordados temas e questionamentos acerca dos conceitos de coletividade, experiência e subjetividade, criação e resistência.

O que as experiências coletivas de grupos, tradicionais ou não, podem nos revelar sobre as dinâmicas dos afetos na restauração do sujeito consigo e com o outro? Para que outros horizontes, essas práticas colaborativas podem nos direcionar? São possíveis novas alternativas para as relações sociais? Estas e mais perguntas serão respondidas durante as conversas.

PROGRAMAÇÃO

21/10 – 19h às 21h

Roda de Conversa 1 – Espaços de Restauração e Reinvenção dos Sujeitos

No encontro, os convidados falarão, sob o prisma da experiência, sobre a importância da colaboração como ética social e a urgência desses valores para a nossa formação cidadã

Convidados: Gustavo Silvestre – Designer, Artesão, Professor e idealizador do projeto Ponto Firme (SP), Mônica Nador – Artista Plástica e idealizadora do projeto JAMAC (Jardim Miriam Arte Clube – SP), Jamira Muniz – Pedagoga, Professora e idealizadora da Escola Comunitária Luiza Mahim e do projeto REPROTAI (BA).

22/10 – 19 às 21 h

Roda de Conversa 2 – Tradição e Coletividade: O Terreiro como Espaço de Experiências e Resistências

Referência ao espaço dos terreiros de mina, candomblé, capoeira, dos jongos, dos bumba boi e de toda experiência coletiva popular, o encontro discutirá as produções historicamente marginalizadas pelas noções estruturais de poder, mas que sempre se afirmaram na urgência das possibilidades.

Convidados: Luiz Rufino – Escritor, Pedagogo e Professor da UERJ (RJ), Nadir Cruz – Gestora Cultural, Turismóloga, Conselheira Municipal de Cultura de São Luís, Índia e Presidente do Boi da Floresta (MA), Wanderson Flor – Filósofo e Professor de Filosofia Africana, Bioética e Direitos Humanos na UNB (DF).

Número de vagas: 90

Bate-papo

Após as exposições dos convidados, será aberto o bate papo com a participação do público. O Seminário será transmitido pela Plataforma Zoom. Os interessados em participar, devem enviar nome completo, telefone e nome da roda de conversa que deseja participar para contato@ccv-ma.org.br. Inscrições gratuitas.

Mais sobre os convidados

Gustavo Silvestre

Designer, Artesão, Professor e Pós-Graduado em Artes Manuais para a Educação. É idealizador do Projeto Ponto Firme, que ensina o crochê voluntariamente na penitenciária masculina Adriano Marrey, em São Paulo, desde 2015. Inserindo a técnica no campo da experimentação, o projeto cria transformação social e possibilita a ampliação do sujeito por meio da criação e do fazer manual coletivo. Os trabalhos desenvolvidos pelo projeto já foram expostos em Nova York, SP-Arte, Pinacoteca do Estado de São Paulo e são desfilados regularmente na São Paulo Fashion Week, maior evento de moda do Brasil.

Monica Nador

A Artista Plástica Mônica Nador é fundadora do Jardim Miriam Arte Clube (JAMAC), um espaço cultural criado em 2004, localizado na periferia da cidade de São Paulo para onde se mudou e vive até hoje. O JAMAC atua na intersecção de arte e formação para a cidadania, oferecendo oficinas gratuitas de estêncil, serigrafia e cinema para o público em geral. Diversidade, inclusão, direito à cidade e à memória são a base de trabalho do JAMAC, que realiza atividades junto à comunidades em todo o Brasil e no exterior.

Para conhecer mais sobre as histórias por traz das estampas criadas, o Jamac alimenta um podcast super especial! Ouça aqui: https://bit.ly/podcastjamac

Jamira Muniz

Educadora Social, com especialização em gestão do Terceiro Setor, Jamira Muniz foi coordenadora pedagógica da Escola Comunitária Luiza Mahin e atuou na gestão pedagógica da REPROTAI – Rede de Protagonista em Ação de Itapagipe, ambos em Salvador – BA. Atualmente, é coordenadora do Espaço Cultural Alagados, criado em 1989, na Península de Itapagipe (BA), por artistas e articuladores culturais da localidade para atender suas demandas de apresentações, ensaios e mobilização cultural. O espaço é o único equipamento cultural público de toda a Península de Itapagipe, que inclui dez bairros de Salvador.

Luiz Rufino

Escritor, Pedagogo e Professor da UERJ-RJ, é autor de cinco livros e de diversos artigos publicados em revistas e jornais sobre culturas brasileiras, educação, religiosidades, diáspora africana, filosofias e crítica ao colonialismo. Luiz Rufino propõe uma pedagogia alternativa aos saberes postos como universais e a educação como caminho de reconstrução dos seres, a partir de sabedorias e viveres afro-brasileiros, como a capoeira, a umbanda, o candomblé. A Pedagogia das Encruzilhadas, título de seu último livro, é o “balaio conceitual” criado por Rufino e sobre o qual falará no encontro. O autor abordará conceitos que operam no campo do conhecimento, educação, ética e cultura, comunicando outras possibilidades de entendimento e problematização dos acontecimentos e do mundo.

Nadir Cruz

Gestora Cultural, Turismóloga, Conselheira Municipal de Cultura de São Luís, é também Índia e Presidente do Boi da Floresta, um dos grupos mais antigos de Bumba meu Boi do Maranhão. Nadir pensa a cultura de forma coletiva, com o objetivo de capacitar, preparar profissionais e contribuir para a formação de cidadãos. Localizado no bairro da Liberdade, quilombo urbano de São Luís (MA), o Ponto de Cultura no barracão do Boi da Floresta guarda e transmite sabedoria e ofícios tradicionais do Bumba meu Boi, sotaque da Baixada, além de estimular a leitura e a inclusão digital. Com as atividades de formação e apresentações temporariamente suspensas durante o isolamento social, as ações sociais do grupo continuam com a distribuição de alimentos e de máscaras para a prevenção de contaminação do COVID-19 para a comunidade.

Wanderson Flor

Filósofo e Professor de Filosofia Africana, Bioética e Direitos Humanos na Universidade de Brasília (UnB), membro no Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UnB (NEAB/UnB) e do Núcleo de Estudos de Filosofia Africana “Exu do Absurdo” (NEFA/UnB). É autor de diversas publicações, entre elas, Entre Apostas e Heranças: Contornos Africanos e Afro-brasileiros na Educação e no Ensino de Filosofia no Brasil (NEFI, 2020), seu mais recente livro e disponível para download gratuito. O professor irá discutir a chamada “cultura de festa”, encontrada nos terreiros e que articula a dimensão da resistência, da criação, da comunitarização, além de ser um dos elementos formativos das comunidades.

Leia Mais

Últimas

Marco Gabriel lança videoclipe de “Chato” resgatando a cultura da periferia

Por

O rapper maranhense Marco Gabriel, lançou na última quinta-feira, 24, o videoclipe de seu mais novo single, “Chato”, trazendo o subúrbio de São Luís como plano de fundo e resgatando uma realidade não mostrada que dá vida à periferia.  

O videoclipe foi gravado nos bairros de Fátima e Bom Milagre. Com referências à filmes do cineasta Spike Lee, obras dos rappers Emicida, Djonga e Don L, em “Chato”, Marco mostra um subúrbio que, muitas vezes, não é visto pela sociedade e que consegue ser bonito e cheio de riquezas culturais, mesmo em meio à pobreza e falta de atenção do estado. 

Com direção e roteiro de Jessica Lauane, que conheceu Marco Gabriel em um curso de atuação para cinema da Escola de Cinema do Maranhão – IEMA. “Chato” é um dos projetos mais pessoais de Jessica e Marco, que são moradores dos bairros de Fátima e Bom Milagre, bairros de muitas manifestações culturais maranhenses, próximo ao centro de São Luís. O videoclipe tem participação especial dos vizinhos e amigos de Marco. Destaque para a poeta Débora Melo que fez uma poesia slam especialmente para o videoclipe. 

Em mais uma produção da ClockWork Filmes, em parceria com o SobreOTatame.com, Akilomba Produções e Bicho D’água Filmes, a direção de produção do videoclipe é assinada por Camila Soares, Paula Beatriz e Walber Sousa, fotografia por Jonas Sakamoto, direção de arte por Camila Soares e Lucas Silva, figurino por Mariana Santos, maquiagem por Paula Ashanti e Rafael Paz e Som Direto por Gabriel Portela. 

Desde 2014 no cenário musical de São Luís, Marco Gabriel colabora e valoriza a cultura do hip-hop, propagando a diversidade do rap nas letras, e cantando a revolução negra. As músicas, todas de composições autorais, falam sobre a identidade da juventude negra, assim como os problemas sociais vivenciados pela periferia atualmente. Em constante evolução, o rapper compõe sempre evoluindo de forma técnica e atual. 

Leia Mais

Últimas

Cantor Adnon lança clipe do single de estreia ‘My Luv’ – vem assistir

A produção foi gravada na Pousada Portas da Amazônia, no Centro Histórico de São Luís.

Por

O cantor, compositor e produtor maranhense Adnon lançou recentemente o seu videoclipe de estreia intitulado, “My Luv”, uma lovesong que traz a volta da poesia para os ouvidos dos sensíveis de alma e coração. O single faz parte do primeiro álbum de Adnon, que será lançado em breve, o “Inna Brasillian Jamaica”.

O videoclipe foi dirigido por Rairisson Acilon e tem participação de Amanda Bertrand. A produção foi gravada na Pousada Portas da Amazônia, no Centro Histórico de São Luís.

A universalidade sempre presente nos trabalhos do artista pode também ser percebida nos trabalhos com a Soulvenir nos dois álbuns lançados (“Galaxyspecies” 2014 pelo portal Musicoteca e Dosol, “Uterearth” 2017 pela Sony Music), Casaloca (“Um de Onze” 2013, pela Onerpm) e Criola Beat (“Mixtape Vol.01” 2019 e “Mixtape Vol.02” 2020, pelo Upaon Mundo).  

“Inna Brasillian Jamaica” traz o universo musical de Adnon de uma forma bem íntima e pessoal, que expressa como é viver e pertencer à Jamaica Brasileira, título dado a São Luis – MA, sua cidade natal. O álbum, que será dividido nas plataformas digitais em 2 volumes, com 5 tracks em cada um, traz elementos da cultura urbana e uma linguagem musical própria que leva sua música além do Reggae Music universal.

Música para ouvir e amar como “My Luv” (Lofi/RnB), refletir e sentir como “Sulamerica” e “Será Que Somos Guerreiros?” (Dub/Downtempo) dançar e tirar uma panca em “Rubadub” (Dance Hall) e “Eu Nunca Ando Só” (Dub).

Leia Mais

Últimas

Cantora Gabi Carvalho lança single ‘Ressignificar’ – ouça

Com produção de Memel Nogueira, canção fala sobre o vício de fantasiar paixões.

Por

A cantora Gabi Carvalho lançou nesta sexta-feira (28), seu novo single “Ressignificar“. A canção foi escrita em agosto de 2019 e engavetada para projetos futuros. É um dos primeiros trabalhos em que a artista está mais presente nas ideias de arranjo e produção.

“A música fala sobre o vício de fantasiar paixões que só existem na nossa cabeça, quase como aqueles filmes clichês em que tudo são flores e sempre acaba bem, e é aí que a letra traz a mensagem de que precisamos dar novo sentido a esse amor, ressignificar o que foi inventado e seguir”, diz a cantora.

Neste retorno ao segmento orgânico na carreira, quem assina a produção musical é Memel Nogueira, no Estúdio Andar de Cima, com arranjos idealizados por ele e, também, por Gabi. No conteúdo visual, a designer Ana Waléria firma a direção de arte, Gustavo Rock é responsável pela fotografia e Gleno Rodrigues vem na criação de vídeos de pré-lançamento.

Em 2019, Gabi Carvalho se apresentou no Prêmio Volts e concorreu na categoria Melhor Cantora. Veja, abaixo, a apresentação da cantora clicando no vídeo abaixo.

Sobre a artista

Gabi Carvalho é cantora e compositora maranhense, tem 28 anos e está em carreira profissional desde 2017. Embora tenha pouco tempo profissionalmente, a artista começou a cantar aos 12 anos de idade e sua primeira música foi escrita aos 17.

Hoje, Gabi soma seis músicas lançadas nas plataformas de streaming sendo a mais recente, intitulada Ressignificar, parte de seu primeiro álbum que está em processo de gravação, com previsão de lançamento para o final deste ano (2020).

Leia Mais