Connect with us

Artigos

Sabrina | As referências pagãs e cristãs do especial de Natal

Cuidado com o Krampus!

Mais uma vez, se retirado o caráter satânico, O Mundo Sombrio de Sabrina (The Chilling Adventures of Sabrina), na Netflix, se provou ser um festim de referências às culturas pré-cristãs em seu especial de Natal (Yule) que foi ao ar na última sexta-feira (14).

Mas nem só de pagãos viveu o ótimo episódio, contando também com referências, claro, dos quadrinhos Archie, da literatura inglesa, do cinema e da Bíblia. Vamos listar algumas das mais importantes referências despejadas no caldeirão Spellman neste episódio especial.

A MidWinter’s Tale

O nome do especial é uma referência à The Winter’s Tale de Shakespeare. O famoso conto do bardo lida com drama envolvendo crianças, em especial uma bebê chamada Perdita que é mandada embora de casa após ter sua origem contestada. Na peça, Perdita volta o que pode significar a volta da pequena Leticia para a casa das Spellman, ou mesmo para reivindicar seu direito à liderança da Igreja de Satanás.

A Estrela do Norte

Na abertura do episódio, aquela parte que quase ninguém mais vê, o traço dos quadrinhos Archie mostrou Papai Noel subindo ao céu em seu trenó indo em direção à Estrela Polar, a Estrela do Norte, a mesma que mostrou aos três Reis Magos o caminho da mangedoura onde Jesus havia nascido. Mais nessa tecla depois.

A Christmas Carol (Um Conto de Natal)

É praticamente impossível um anglo-saxão fazer um especial de Natal e não referenciar Um Conto de Natal, clássico Dickensiano que trata da falta de amor no coração de um velho rabugento que se cura dessa falha após receber a visita de três fantasmas na véspera de Natal.

Em Sabrina, o principal fantasma foi o de sua mãe, mas ela não conduziu ninguém em sonhos proféticos. No fim do episódio, Ambrose termina de ler o conto na sala da família (um toque bem classe média que Dickens adoraria), logo após Sabrina brindar a todos com “Satan bless us, every one” devidamente adaptado de “God bless us, every one”, como Dickens escreveu.

Yule ou Solstício de Inverno

Essa é para os fãs de Vikings com boa memória. Na primeira temporada da série dos aventureiros escandinavos há um episódio onde os ingleses cristãos celebram o Natal ao mesmo tempo em que os noruegueses celebram o Yule, o Solstício de Inverno.

Não é segredo para ninguém que Jesus não nasceu no dia 25 de dezembro e que a data foi escolhida por ser próxima ao dia 21 de dezembro o dia mais curto do ano seguido da noite mais longa do ano no Hemisfério Norte.

A combinação de mais horas no escuro para quem já enfrentava um inverno rigoroso deu origem às celebrações do solstício nas religiões pré-cristãs dos povos do Norte da Europa. Germanos e escandinavos mais precisamente contribuíram expressivamente para o que sabemos sobre o festejo.

Na casa das Spellman, por exemplo, é tempo de acender a Fogueira de Yule que não deve ser apagada de forma nenhuma, uma vez que é uma proteção contra demônios (entidades causadoras de problemas, não os anjos caídos) que podem aproveitar a noite longa para fazer travessuras.

O período que vai do dia 21 de dezembro ao começo de janeiro é chamado de Yuletide que também tem conexão com a Quadra Natalina do dia 25 de dezembro a 9 (ou 13) de Janeiro (o dia que se desarma a árvore porque os Reis Magos finalmente chegaram até o bebê).

Yule também é o nome do tronco do pinheiro, por isso os Vikings e as Spellman queimam o tronco inteiro (um um bom pedaço dele) e os cristãos têm um pinheiro decorado.

Bartel aka Krampus (depois Lumière)

Pouco conhecido pra nós do Hemisfério Sul, Krampus é o anti-Papai Noel, o que não leva presentes para as crianças no saco, mas as aprisiona em um caso sejam mal-criadas. Krampus é um personagem demoníaco (mais uma vez pré-cristão) do folclore austro-germano.

No episódio de Sabrina ele recebe o seu outro nome Bartel, um ser que rapta belas crianças para as transformar em bonecos de cera e usar como decoração de Natal. No começo do episódio, no flashback, tia Hilda conversa com o pai de Susie sobre o desaparecimento de crianças. Mais tarde Susie é raptada por Bartel e salva por Gryla. Após resgatar Susie, Gryla transforma Bartel em Lumière, o castiçal da Bela e a Fera.

Grýla e os Moleques do Yule

A lenda de Grýla é conhecida na Noruega, o papel dela na tradição é semelhante ao de Krampus na Áustria no que concerne a servir para por medo em crianças mal comportadas. Mas a giganta Grýla (que vive nas montanhas) vem acompanhada de seu esposo o também gigante Leppalúôi e de 13 moleques (que na verdade são anões).

No folclore, os moleques (Yule Lads) visitam as crianças um por um pelos 13 dias que antecedem o Natal. Em cada noite as crianças colocam um sapato na janela para, caso bem comportados, receberem um doce, ou, caso mal criados, batatas podres. A mãe dos Lads, a Grýla, faz pior ainda: cozinha as crianças travessas e as come. É daí que vem a tradição de pendurar meias na lareira.

Antes de 1746, entretanto, a lenda era bem pior, mas neste ano os pais foram proibidos de atormentar severamente seus filhos com a lenda. Em Sabrina, Grýla aparece como uma bruxa que vive nas montanhas e rapta crianças sem família. Ela exige o bebê Letícia como condição para levar seus filhos travessos embora da casa das Spellman.

João e Maria

Conhecida história popular alemã serviu para inspirar a cena da bebê Leticia dentro do forno das Spellman. Na história, os gêmeos Hänsel e Gretel são deixados pelos pais numa floresta onde são atraídos para uma casa de doces onde uma bruxa canibal os prende e engorda para assar.

O conto de fadas também é referenciado pela casa voodoo feita de doces (pão de gengibre) que Miss Wardwell construiu para simbolizar a mansão Spellman.

Os Fantasmas se Divertem

Sabrina teima em invocar a mãe morta, e como ninguém bom da cabeça deixa, erecorre à Miss Wardwell (Madame Satan), para pegar o Livro dos Mortos emprestado, e às Irmãs Estranhas para a sessão espírita. As quatro usam o vestido de noiva de Diana Spellman no centro da mesa, remetendo à personagem de Gina Davis em Os Fantasmas se divertem, filme clássico dos anos 1980 de Tim Burton.

O Julgamento do Rei Salomão

A mãe de Sabrina segue perambulando pela mansão Spellman após o fim da sessão. Ela aparece na sala de jantar onde Gryla havia entornado gin e ouvido o choro da pequena Leticia. Diana está usando a coroa de Santa Lúcia. Santa Lúcia é conhecida pelo seu festejo que consiste no acender da primeira vela natalina no período de Quarta Natalina (aka Quarta do Solstício; vela= fogueira, etc). Porém, Diana cita a demônio Lúcia e a Santa Lúcia como responsáveis por sua aparição.

A fantasminha chega com a brilhante ideia de colocar a bebê Leticia no centro de um círculo de sal (sal preto?) para ser disputada por Zelda e Gryla. As duas bruxas tem que puxar cada uma um braço da criança para a tomar e, assim, ser reconhecida como a legítima guardiã. Zelda desiste ao perceber que o jogo despedaçaria (literalmente) a criança.

No Antigo Testamento duas mulheres chegam ao Rei Salomão disputando o direito sobre uma criança e o patriarca diz que pra solucionar a contenda bastaria dividir o infante ao meio. A mãe verdadeira desiste da reivindicação pelo bem da criança e é assim confirmada a veracidade do seu pleito.

A Bruxa (2015)

O filme de terror cult A Bruxa é referenciado no especial de Sabrina com Zelda brincado de “peekaboo” com a bebê Letícia. Assim como no filme, a criança no berço some no meio da brincadeira. No filme o bebê teria sido carregado pela bruxa da floresta, enquanto no especial é colocado no forno pelos Moleques do Yule. Bruxa da Floresta=João e Maria, um círculo perfeito como uma guirlanda de Yule.

Elfo Jingles

De todos os sonhos que Susie Puttnam poderia ter, ser o Elfo Jingles é talvez o mais bizarro. Mas não só para a aparição de Krampus serviu o emprego da jovem. Um Emprego para Jingles é o nome de um dos especiais de Natal dos quadrinhos Archie.

O Três Reis Magos

Fechando os laços de referências do episódio é possível ver três Demônios Magos, uma referência aos três Reis Magos, saindo das minas e indo em direção à cidade. A cena pode indicar parte do plot da segunda temporada de aventuras de Sabrina: o nascimento do Anticristo. Se os Reis Magos foram visitar o menino Jesus, é de se esperar que sua versão satânica esteja indo visitar o rival.

Sabrina volta no dia 5 de abril na Netflix.

Em alta agora