Nossas Redes

Na Ilha

Cantor maranhense Paolo Ravley anuncia clipe de ‘Pôr do Sol’ em março

Singles já estão disponíveis em todas as plataformas digitais.

Após uma série de colaborações com DJs na cena eletrônica europeia, o cantor e compositor maranhense Paolo Ravley, que vive entre o Brasil e a França, está prestes a seguir um novo caminho em sua carreira: o lançamento de um EP autoral totalmente gravado em São Paulo e Paris.

As primeiras músicas já podem ser ouvidas nas principais plataformas de streaming –Caminho, lançada em janeiro, e Pôr do Sol, em fevereiro. O videoclipe da última canção será apresentado ao público na primeira quinzena de março, explorando arte, moda e dança e com direção de Jr. Franch, responsável também pelas fotos de divulgação. O cantor pretende ainda realizar shows no Maranhão no segundo semestre.

A ideia é lançar o trabalho no segundo semestre com até seis músicas. O EP marca uma nova era para Paolo Ravley. Depois de anos colaborando, com voz e composições, com DJs como Armin Bureen, da Armada Music, o duo Ducked Ape, Loic Penillo, da Scorpion Music, e Renato Borges, aqui no Brasil, agora Paolo traça um caminho mais autoral, com sua identidade e influências do que conheceu e viveu na Europa mescladas à diversidade dos sons brasileiros.

“Em 2015, dei uma pausa. Não estava contente com o que estava fazendo. Durante esse período, eu vim ao Brasil. Numa passada por São Paulo, vi e ouvi coisas que me inspiraram. Conheci vários artistas atalhando e fazendo coisas boas com poucos recursos. Isso me revigorou. Voltei à Europa com essa ideia na cabeça e voltei a compor em português. Isso foi a primeira coisa que mudou: a língua. Neste momento estou mesclando os dois universos – o brasileiro e o europeu”, conta.

Caminho, lançada no dia 9 de janeiro, Ravley chama de “’música de transição’, ‘música pivot’, apenas o caminho para esse novo eu”. Já o segundo single, Pôr do Sol, nasceu em Madrid, quando estava finando o seu espanhol para lidar com clientes (ele tem uma agência de turismo na capital francesa). “Pus uns acordes e uns beats no computador e as notas melódicas vieram instintivamente. A letra veio em seguida. Se você prestar atenção e pegar frases soltas, como ‘como fluido você me quis’ ou ‘mas quaisquer que sejam deixem que sejam’, eu estava pensando em toda essa discussão muita necessária sobre sexualidade e gênero que temos hoje em dia, no quanto estamos ainda batalhando para nossos espaços frente ao preconceito”, revela. Já o refrão fala do amor não correspondido ou correspondido pela metade transformado em algo positivo. “Hoje prefiro deixar a pessoa ir e guardar as boas lembranças apenas (‘vai, vai que a vida traz o que é meu / vai que a vida guarda o que é seu’)”.

Sonoridade

O conceito do EP de Paolo Ravley está em mesclar a sua paixão por sons e texturas eletrônicas com o jeito brasileiro de cantar e compor, por isso a opção pelo trabalhar com produtores e músicos locais. “É uma nova era para mim: a do prazer e experimentação. O que faço é muito intuitivo, me influencio de tudo que ouço. No Brasil, o pop independente tem me inspirado bastante”, justifica. Ele conta que, em suas vindas ao país, descobriu grandes artistas novos, como Jaloo, McTha, Uriass, Dav.i, Silva, entre outros, que o ajudaram a construir o EP. “Não sei se tem algo deles no que estou produzindo agora, mas tudo isso numa panela deu um bom caldo de influências”.

Algo de que o cantor não abre mão é compor suas músicas. Segundo ele, é uma parte importante do processo e que dá bastante prazer. “Mesmo assim, gosto de trabalhar com produtores e outros músicos para arranjos mais elaborados, mas sempre coprodução.

Agora

Estou trabalhando com o Ico, jovem produtor de São Luís (MA) que trabalha com Phil Veras e Castello Franco, por exemplo, e que tem 21 anos e um frescor e audácia no que faz”. Em São Paulo, o trabalho está sendo gravado no estúdio SoundDesign e, em Paris, no SodaSound. A ideia agora é voltar ao Brasil no segundo semestre para apresentar esse trabalho completo. Para isso, pretende contar com o apoio do público brasileiro. “O brasileiro é melhor do que pensa que é. Temos que acreditar no nosso potencial, olhar e prezar pelo que temos de mais forte: garra”, enfatiza.