Connect with us

Filmes

Brightburn | Filme de terror ganha trailer final

Filme tem sua estreia marcada para o dia 23 de maio.

Liberado nesta segunda (20), trailer final de Brightburn, o terror dirigido por David Yarovesky e produzido por James Gunn. Novas cenas do super garoto saindo diretamente das trevas, já anunciam o vem por aí.

Partindo da premissa do que aconteceria se o Clark Kent não virasse um herói para a humanidade, Brightburn conta a história de um menino que vindo do espaço caiu aqui na terra e foi adotado por Tori e Kyle Breyer, que o criaram como seu filho.

Com o passar dos anos Brandon, que irá ser interpretado por Jackson A. Dunn, acaba descobrindo seus poderes, e diferente de Clark que vira o Superman, Brandon decide aterrorizar sua cidade, se tornado uma ameaça cruel e sanguinária.

Elenco composto por Elizabeth BanksMeredith HagnerDavid Denman e Matt Jones.

Confira o trailer abaixo:

Críticas

Crítica | Democracia em Vertigem

Um documentário sobre lembrança e reavaliação no país da memória-curta

Uma impressão arriscada sobre esse doc: embora Democracia em Vertigem (2019) responda a uma perspectiva igualitária e progressista, não se trata de um documentário “de esquerda”. Dependendo das convicções políticas de quem assiste, ele pode soar como uma ode ao triunfo ou um canto triste de derrota. E é justamente aí que mora a beleza desse trabalho dirigido, roteirizado e narrado pela cineasta Petra Costa e disponível agora na Netflix para mais de 190 países. Vai vendo.

Ao longo de seus 120 minutos, o filme vai desfiando os últimos anos da política brasileira a fim de entender como a nação da cordialidade e da hospitalidade se transformou no irreconciliável Fla x Flu ideológico que não se via há tempos. E a Esplanada dos Ministérios dividida em barricadas na decisão sobre o impeachment de Dilma Rousseff é o quadro que Pedro Américo pintaria nesses tempos loucos.

E tome lá o sinuoso dessa retrospectiva, catalogada com esmero pela montagem que recorre a imagens ainda muito frescas na lembrança dos brasileiros. A cadência dá espaço suficiente a cada evento, respira entre o alvoroço, passeia pelos salões vazios do Palácio da Alvorada numa quase-poesia que permite um tempinho para refletir (o tom de voz de Petra também contribui para esse efeito). E envolve toda essa linha do tempo com um ponto de vista muito particular: a relação pessoal da cineasta com a política e como sua família fez parte desse processo.

Ao misturar as esferas pública e privada na narrativa, Democracia em Vertigem abre o precedente para que o próprio espectador também o faça. E é só lembrar os núcleos familiares que começaram a ruir nas eleições de 2014 e vieram abismo abaixo na última visita às urnas – a identificação é imediata, afinal, em maior ou menor escala, todo mundo viu rachaduras nas paredes de casa.

Além disso, ao arrastar o discurso para a prerrogativa pessoal, Petra Costa evita o veredito, deixando as conclusões para o público. E o material é abundante entre entrevistas e discursos históricos . No país da memória-curta, Democracia em Vertigem surge como um documento poderoso de lembrança e reavaliação. Um tratado que tenta entender as polaridades que, vá lá, sempre existiram. Ao final, o texto aponta para o futuro sem fazer ideia do que vem de lá. Alguém faz?

Continue Reading

Críticas

Crítica | X-Men: Fênix Negra

Ainda que abordasse um dos arcos mais grandiosos do universo de super-heróis, X-Men: Fênix Negra consegue a proeza de ser superficial.

Um desfecho à altura do carinho que os fãs têm pela franquia X-Men era tudo que o público esperava. Não importa quantos filmes dividam opiniões, sempre houve uma multidão a espera de um impacto de verdade quando o assunto era um novo filme dos mutantes. Logan (2017) até deu esperanças e tudo que X-Men: Fênix Negra não podia fazer era decepcionar. E decepcionou.

Veja bem, toda impressão é relativa. A palavra decepção é forte e nós sabemos, até evito usar, mas em relação a esse arco tão marcante da história dos alunos de Xavier, já tivemos outras experiências bem-sucedidas em animações e quadrinhos. Agora, com todo suporte tecnológico, de mídia e com a Disney na cola, a Fox parecia estar com a faca e o queijo na mão para entregar um filme com uma linha de raciocínio muito mais poderosa.

X-Men: Fênix Negra é ambientado em 1992, os mutantes já eram considerados heróis nacionais e, durante uma missão espacial, Jean Grey (Sophie Turner) é atingida por uma poderosa força cósmica, que acaba absorvida em seu corpo. Após ser resgatada e retornar à Terra, aos poucos ela percebe que há algo bem estranho dentro de si, o que desperta lembranças de um passado sombrio e, também, o interesse de seres extra-terrestres.

A estética e a técnica de efeitos do filme estão impressionantes, questionável, mesmo, só as decisões de Simon Kinberg em – sem querer, acredito – acabar diluindo a força do arco da Fênix em cenas menos intensas do que o pretendido e com a inserção desnecessária de Jessica Chastain no elenco. O drama de Jean Grey não precisava dividir atenção com mais ninguém e tinha potência o suficiente para ser muito mais ameaçadora.

Ao tentar ser original, Kinberg desperdiça o argumento da força cósmica que habita Jean, que nos quadrinhos até funcionou como uma metáfora ao abuso de drogas. O poder Fênix, que se torna parte da intimidade da personagem, faz com que ela perca a noção de poder e acabe machucando todos ao redor. Esse sub-texto não consegue se desenvolver porque há uma alienígena desviando o rumo da trama, reduzindo ao argumento aos traumas da infância de Jean. Xavier, e até Magneto, poderiam ter sido melhor aproveitados neste conflito, visto que ambos lidam com poder, vaidade e raiva.

Essa despedida dos X-Men da Fox, depois de 11 filmes, não foi das piores, claro, mas falhou no objetivo de ser grande e de dar argumentos que dessem sentido proporcional ao surto da protagonista. A partir de agora, o bastão está com a Disney e o futuro dos mutantes a ela pertence. X-Men: Fênix Negra ficará no passado como uma relíquia. Só nos resta esperar.

Continue Reading

Filmes

Veja imagens da constelação ‘Little Women’, novo filme de Greta Gerwig

Longa estreia como um presente no Natal de 2019

O coletivo de estrelas parece ser o adjetivo perfeito para descrever o elenco que Greta Gerwig reuniu para seu novo filme, uma adaptação do amado romance Little Women, da americana Louisa May Alcott (Mulherzinhas no Brasil).

A historia autobiográfica que conta a jornada de amadurecimento das quatro irmãs March durante a Guerra Civil Americana trará Meryl Streep (Tia Josephine) Laura Dern (Marmee), Emma Watson (Meg), Florence Pugh (Amy), Saoirse Ronan (Jo), Eliza Scanlen (Beth), Timothée Chalamet (Laurie) nos papeis principais.

Veja as imagens disponibilizadas pela Vantiy Fair que acompanham entrevista com a diretora de Lady Bird.

Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved
Wilson Webb/© 2019 CTMG, Inc. All Rights Reserved

Na conversa, Greta contou sobre seu amor pelo romance de Scott e como a sua versão em filme buscou resgatar mais da realidade da escritora, que não foi colocado no livro.

A irlandesa Saoirse Ronan também falou sobre sua relação com a história. Ela lembrou das peças que inventava quando era criança “da mesma forma que as irmãs March faziam”.

Little Women estreia no Natal deste ano. Um belo presente.

Continue Reading