Artigo Otaku | O que esperar de Saint Seiya (Parte 02)

Debate sobre os desdobramentos da franquia continuam.

Um mês atrás, quando do lançamento do servidor brasileiro de Saint Seiya Awakening: Knights of Zodiac, iniciei uma explanação a respeito dos desdobramentos existentes dentro da franquia iniciada na década de 1980 do século passado pelo criticado Masami Kurumada. Na etapa inicial dessa discussão trouxe como exemplos os cases envolvendo os spin-offsEpisode G e Soul of Gold.

A título de informação, não estou mais jogando o mobile game dos Santos de Atena porque, embora seja muito bom, requer muito tempo para a sua apreciação tanto no modo história quanto nos eventos paralelos decorrente de um MMO. Estou num momento da vida onde partidas fechadas e rapidamente executáveis pedem minha atenção e se encaixam em meu tempo (oi para a turma que joga comigo Mario Kart Tour e Call of Duty Mobile).

Como prometido, nessa parte final da discussão apresentarei como os desdobramentos midiáticos da franquia se relacionam com o fandom de maneira a ainda alimentá-la.

Novos nichos… Mas as mesmas situações (?)

Em 2012, quatro anos após a conclusão da Saga de Hades em sua versão para home video, a Toei Animation viu uma oportunidade de reformular o universo narrativo de Masami Kurumada a partir de dois eixos que podemos considerar importantes: o afetivo e o comercial (esse bem mais válido). Nascia assim Saint Seiya Ômega, animação dirigida por Morio Hatano, mas sem nenhuma participação direta de Kurumada (que apenas era creditado como responsável pelo conceito original).

Vale ressaltar que um anos antes havia sido exibido na TV japonesa um outro spin-off da franquia. Saint Seiya: The Lost Canvas, baseado no mangá de Shiori Teshigori, era uma prequela focada na Guerra Santa do século XVII (ou seja, a anterior ao da história clássica) animada pelo estúdio TMS Entertaiment. Inspirado no trabalho de Kurumada, The Lost Canvas – por ser bem produzido e bem desenhado – conquistou o público sedento por novidades na franquia e abafou a sequência da trama pensada pelo autor original. É preciso lembrar que Saint Seiya: Next Dimension (a sequela canônica) foi iniciada em abril de 2006 enquanto The Lost Canvas (o spin-off não-canônico) quatro meses depois.

Odisseu de Serpentário é um grande enigma na trama lenta de Next Dimension

Esse racha simbólico na estrutura narrativa proposta por Shiori Teshigori dividiu o fandom de tal forma que Next Dimension passou a ser subvalorizado, mesmo sendo a continuação oficial. Sua volta aos palcos de aceitação se deu recente em 2018 com a aparição do 13º Cavaleiro de Ouro, Odisseu de Serpentário. Um acréscimo bem elaborado pelo mestre Kurumada, diga-se de passagem. Já aos fãs de The Lost Canvas, o mangá – já finalizado – rendeu uma série side story (prequela do spin-off), mas a terceira temporada da animação nunca sairá do papel. Aceitem!

Voltemos ao Ômega. É nessa onda de spin-off bem aceitos que Ômega surge na tentativa de dialogar com um novo público. Enquanto o Next Dimension se focava ainda nos eventos do passado e nada mais havia apresentado sobre o futuro, a animação de Morio Hatano propôs então uma mudança de perspectiva ao apresentar os novos Cavaleiros de Atena do Século XXI e alterar alguns conceitos (mesmo que depois tivesse que retomar alguns de volta) quando abdicou-se então das Pandora’s Box, que guardavam as armaduras sagradas, pelas Coth’s Stone (Joia de Armadura, na dublagem nacional). Mudou também o design das próprias armaduras que ganharam um visual menos medieval para assumir as forma de uma roupa spandex a la Super Sentai/Power Rangers. Essas mudanças foram prontamente rejeitadas por uma boa parte do fandom e talvez – não posso afirmar! – isso tenha sido levado em consideração na segunda fase da animação quando as armaduras voltaram ao conceito clássico.

A mudança mais significativa em Ômega foi a inserção de uma protagonista combatente dentro do grupo principal. Diferente de Saori Kido/Atena na trama clássica, a protagonista Yuna de Águia não era apenas uma donzela em perigo, mas sim uma amazona da ordem dos cavaleiros com forte presença no roteiro e aceitação do público. Seu diferencial estava justamente na abolição da máscara, que em narrativas passadas era justificada por diversos momentos. Anteriormente, raras exceções foram feitas junto à personagem Shaina de Ofiúco. Essa representação feminina foi intensificada com as personagens Sônia de Escorpião e as irmãs Paradox e Integra de Gêmeos, ampliando mais ainda a ideia das amazonas sem máscara.

Yuna de Águia tirando a máscara e indo contra uma tradição da ordem dos cavaleiros

Mesmo assim, Ômega não se tornou uma febre entre os fãs e divide bem a fanbase (de forma desbalanceada entre prós e contra), mas mostrou aos responsáveis pela franquia que a proposta de ressignificar sempre rende. Nisso temos em 2014 o longa-metragem em 3DCG, Legend of Sanctuary, que propõe uma releitura do clássico de Masami Kurumada com armaduras quase num conceito steampunk com elementos como dogtags substituindo as Pandora’s Box (não completamente) para as armaduras de bronze e quadros para as armaduras de ouro. Esse reboot nos cinemas deixou a desejar em muitos pontos da narrativa, mas deixou claro que era sim possível isso acontecer em um formato que não fosse o 2D. Não obstante, temos hoje Knights of the Zodiac da Netflix, que trabalha um formato em 3D para o novo reboot da franquia.

O design das armaduras em Legend of Sancturary foi uma boa aquisição ao universo da franquia

Entre os desdobramentos já ocorridos e aqui ainda não comentados, Santia Shô, de Chimaki Kuori, que em mangá tem a proposta de ser um retcom para eventos entre a Batalha das Doze Casas e a Saga de Poseidon inserindo de forma mais intensa a figura das meninas no universo de Saint Seiya: as santias, guerreiras de Atena que não obrigatoriamente são como as amazonas e que por isso não precisam abster de sua feminilidade (não usam máscaras). Confesso que para mim Saintia Shô é a melhor produção da franquia nos últimos anos. O que se há de lamentar é apenas a péssima adaptação animada apresentada pela Toei em 2018 (não dá nem para elogiar!).

O belo character design de Chinaki Kuori foi completamente destruído na adaptação para TV

Vendo tudo isso, a questão que norteia esse artigo pede por uma resposta. O que esperar? Basicamente, a narrativa de Saint Seiya é muito simples e não há mas espaço para inovações. Sempre haverá um gosto de mais do mesmo. É difícil encarar Saint Seiya como uma franquia aberta a um universo compartilhado como acontece com a Fate Series da Type Moon, por exemplo, embora o Episode G: Assassin mostre que eu possa estar errado.

Nossas esperanças estão depositadas no que o Next Dimension ainda nos reserva. A conclusão dos eventos do século XVII e as possibilidades apresentadas para o presente (século XX) com um Seiya de Pégaso em coma sendo perseguido pelos Olimpianos é o que ainda sustentam um hype já desgastado. As citações de Zeus ao longo da franquia e a aparição de Ártemis e Cronos (tomando como base o mangá) nos levam a novas batalhas que podem um dia ganhar forma.

Talvez, numa carência disso, a adaptação de outros spin-off seguem sendo o alvo assim como os reboots em execução. Uma boa pedida seria adaptar a light novel Gigantomaquia, que conta sobre a batalha contra Tifão e os Gigas, ou mesmo um dia rolar uma prequela com as batalhas dos tempos mitológicos (viagem minha aqui!).

Por sorte, independente do que vier, os fãs de Saint Seiya sempre se contentam com pouco. Haja vista a boa recepção dada ao lançamento da animação clássica remasterizada em HD no catálogo da Netflix recentemente. Como eu disse antes, se consigo valorizar o meu comercial com a alimentação do afetivo dos fãs para mim já está valendo. Por isso, não fique se preocupando com o quê esperar. Apenas curta e continue sentido o cosmo emanar.

Até a próxima e… Sayonara!

Total
0
Shares
18 comments
  1. Pingback: generic ventolin
  2. Pingback: naltrexone hcl
  3. Pingback: buy careprost
  4. Pingback: tylenol 500 mg
  5. Pingback: roman ed viagra
  6. Pingback: buy cialis

Comments are closed.

Prévia

Getúlio Abelha agita o Baile da Caixa Prego

Próxima Notícia

220 Podcast #23: análise completa sobre o perigoso Joker