Connect with us

Filmes

Aladdin ganha o seu primeiro teaser; Confira

O filme tem estreia prevista para 24 de maio de 2019.

Finalmente chegou o momento que muitos estavam aguardando: a Disney divulgou o primeiro teaser do live-action de Aladdin. Durante a semana, um pôster do longa também foi revelado pelo ator Will Smith, que viverá o papel do Gênio. [Confira o trailer no topo]

No teaser, ao som de “A Noite da Arábia” e “Nunca Teve Um Amigo Assim“, além da aparição do icônico papagaio Iago, braço direito de Ja’far (grande feiticeiro maligno da história), vemos o local onde toda a jornada do nosso protagonista se inicia: na Caverna das Maravilhas. Pelo que sabemos da animação e da história, será nesta caverna que Aladdin (Mena Massoud) encontrará o tapete mágico e seu mais novo e “inesperado” amigo, o Gênio (Will Smith). Aliás, o teaser já nos revela o momento em que o ladrão encontra a lâmpada mágica.

O elenco do longa conta com Mena Massoud (Aladdin), Naomi Scott (Jasmine), Will Smith (Gênio), Marwan Kenzari (Jafar), Navid Negahban (Sultão),  Nasim Pedrad (Dalia, confidente de Jasmine), Billy Magnussen (Príncipe Anders) e Numan Acar (Hakim, mão direita de Jafar).

O live action, que será uma adaptação da animação de 1992, será dirigido por Guy Ritchie e roteirizado por RitchieVanessa Taylor e John August. A trilha sonora foi feita por Alan Menken (A Bela e a Fera e Pequena Sereia), Benj Pasek Justin Paul (La La Land, Dear Evan Hansen).

O longa tem estreia para 24 de maio de 2019.

Filmes

Novas imagens do set de Black Widow confirmam personagem de Florence Pugh

A confirmação da personagem pode ser indício de que uma nova Viúva entrará no MCU

Ainda que não anunciado oficialmente pela Marvel, o filme solo da personagem de Scarlet Johansson, Viúva Negra, está sendo filmado e não é segredo para ninguém (Justice for Scarlet).

Pois novas imagens com o logo do filme “Black Widow” e um vídeo apareceram na internet. Para quem está “escondendo” o filme, as filmagens estão sendo feitas nas ruas da Noruega, como aquela em que Natasha aparece saindo de um supermercado chamado Joker.

Em uma das caixas de manequim aparece a confirmação da personagem de Florence Pugh, ela interpretará Yelena Belova no filme dirigido por Cate Shortland.

Belova, nos quadrinhos, é a segunda mulher a tomar o título de Viúva Negra, após treinar por uma década com o Red Room, as mesmas pessoas que Natasha Romanoff. Durante o treinamento Yelena começa a achar que ela merecia mais que Natasha o título e isso cria animosidade entre elas.

A confirmação da personagem pode ser indício de que uma nova Viúva entrará no MCU, uma vez que Natasha – spoilers – morreu em Vingadores: End Game.

Além de Pugh, estão ainda no elenco David Harbour (Stranger Things, Hellboy) e Rachel Weisz (Disobedience).

Continue Reading

Críticas

Crítica | Democracia em Vertigem

Um documentário sobre lembrança e reavaliação no país da memória-curta

Uma impressão arriscada sobre esse doc: embora Democracia em Vertigem (2019) responda a uma perspectiva igualitária e progressista, não se trata de um documentário “de esquerda”. Dependendo das convicções políticas de quem assiste, ele pode soar como uma ode ao triunfo ou um canto triste de derrota. E é justamente aí que mora a beleza desse trabalho dirigido, roteirizado e narrado pela cineasta Petra Costa e disponível agora na Netflix para mais de 190 países. Vai vendo.

Ao longo de seus 120 minutos, o filme vai desfiando os últimos anos da política brasileira a fim de entender como a nação da cordialidade e da hospitalidade se transformou no irreconciliável Fla x Flu ideológico que não se via há tempos. E a Esplanada dos Ministérios dividida em barricadas na decisão sobre o impeachment de Dilma Rousseff é o quadro que Pedro Américo pintaria nesses tempos loucos.

E tome lá o sinuoso dessa retrospectiva, catalogada com esmero pela montagem que recorre a imagens ainda muito frescas na lembrança dos brasileiros. A cadência dá espaço suficiente a cada evento, respira entre o alvoroço, passeia pelos salões vazios do Palácio da Alvorada numa quase-poesia que permite um tempinho para refletir (o tom de voz de Petra também contribui para esse efeito). E envolve toda essa linha do tempo com um ponto de vista muito particular: a relação pessoal da cineasta com a política e como sua família fez parte desse processo.

Ao misturar as esferas pública e privada na narrativa, Democracia em Vertigem abre o precedente para que o próprio espectador também o faça. E é só lembrar os núcleos familiares que começaram a ruir nas eleições de 2014 e vieram abismo abaixo na última visita às urnas – a identificação é imediata, afinal, em maior ou menor escala, todo mundo viu rachaduras nas paredes de casa.

Além disso, ao arrastar o discurso para a prerrogativa pessoal, Petra Costa evita o veredito, deixando as conclusões para o público. E o material é abundante entre entrevistas e discursos históricos . No país da memória-curta, Democracia em Vertigem surge como um documento poderoso de lembrança e reavaliação. Um tratado que tenta entender as polaridades que, vá lá, sempre existiram. Ao final, o texto aponta para o futuro sem fazer ideia do que vem de lá. Alguém faz?

Continue Reading

Críticas

Crítica | X-Men: Fênix Negra

Ainda que abordasse um dos arcos mais grandiosos do universo de super-heróis, X-Men: Fênix Negra consegue a proeza de ser superficial.

Um desfecho à altura do carinho que os fãs têm pela franquia X-Men era tudo que o público esperava. Não importa quantos filmes dividam opiniões, sempre houve uma multidão a espera de um impacto de verdade quando o assunto era um novo filme dos mutantes. Logan (2017) até deu esperanças e tudo que X-Men: Fênix Negra não podia fazer era decepcionar. E decepcionou.

Veja bem, toda impressão é relativa. A palavra decepção é forte e nós sabemos, até evito usar, mas em relação a esse arco tão marcante da história dos alunos de Xavier, já tivemos outras experiências bem-sucedidas em animações e quadrinhos. Agora, com todo suporte tecnológico, de mídia e com a Disney na cola, a Fox parecia estar com a faca e o queijo na mão para entregar um filme com uma linha de raciocínio muito mais poderosa.

X-Men: Fênix Negra é ambientado em 1992, os mutantes já eram considerados heróis nacionais e, durante uma missão espacial, Jean Grey (Sophie Turner) é atingida por uma poderosa força cósmica, que acaba absorvida em seu corpo. Após ser resgatada e retornar à Terra, aos poucos ela percebe que há algo bem estranho dentro de si, o que desperta lembranças de um passado sombrio e, também, o interesse de seres extra-terrestres.

A estética e a técnica de efeitos do filme estão impressionantes, questionável, mesmo, só as decisões de Simon Kinberg em – sem querer, acredito – acabar diluindo a força do arco da Fênix em cenas menos intensas do que o pretendido e com a inserção desnecessária de Jessica Chastain no elenco. O drama de Jean Grey não precisava dividir atenção com mais ninguém e tinha potência o suficiente para ser muito mais ameaçadora.

Ao tentar ser original, Kinberg desperdiça o argumento da força cósmica que habita Jean, que nos quadrinhos até funcionou como uma metáfora ao abuso de drogas. O poder Fênix, que se torna parte da intimidade da personagem, faz com que ela perca a noção de poder e acabe machucando todos ao redor. Esse sub-texto não consegue se desenvolver porque há uma alienígena desviando o rumo da trama, reduzindo ao argumento aos traumas da infância de Jean. Xavier, e até Magneto, poderiam ter sido melhor aproveitados neste conflito, visto que ambos lidam com poder, vaidade e raiva.

Essa despedida dos X-Men da Fox, depois de 11 filmes, não foi das piores, claro, mas falhou no objetivo de ser grande e de dar argumentos que dessem sentido proporcional ao surto da protagonista. A partir de agora, o bastão está com a Disney e o futuro dos mutantes a ela pertence. X-Men: Fênix Negra ficará no passado como uma relíquia. Só nos resta esperar.

Continue Reading