‘A Fabulosa Emancipação de Harley Quinn’ e a nova fase da DC nos cinemas


Sucesso de Margot Robbie alterou futuro da personagem na frente e atrás das câmeras.



05/09/2019 - Atualizado às 22:01


Aves de Rapina é o oitavo filme do Universo Compartilhado da DC nos cinemas, seguindo o sucesso imensurável de Aquaman (2018) e Shazam! (2019), sendo uma continuação direta dos eventos apresentados em Esquadrão Suicida (2016). Porém, agora com o foco no personagem da Harley Quinn e sua jornada de se distanciar de um relacionamento abusivo e toxico com o Coringa, no caminho de se tornar a anti-heroína com o coração de ouro que conhecemos e amamos dos quadrinhos.

No entanto, Aves de Rapina é um projeto especial para a atriz Margot Robbie, que após o sucesso em proporções gigantescas que sua versão da Harley Quinn tomou, alterando até mesmo o visual da personagem nos quadrinhos, foi elevada em seu estrelado para, também, por trás das câmeras.

Robbie dessa vez também atua como produtora do filme, tendo sido a mesma a escolher Aves de Rapina como próximo projeto de Harley, além de ter conquistado a autonomia, dada pela Warner, de escolher a direção e elenco do filme. Além disso, Aves de Rapina vai marcar a primeira entrada de um filme centralizado no DCEU a receber a classificação indicativa de maiores de dezoito anos.

A equipe

Robbie queria que a essência do filme fosse refletivo pela representatividade em frente e atrás das câmeras, focando no empoderamento feminino que as Aves de Rapina pregam desde sua estreia nas páginas dos quadrinhos em 1996.

Por conta disso, Cathy Yan foi apontada, apesar de ser relativamente nova no ramo, como diretora do projeto, tendo chamado a atenção de Margot Robbie com um curta em 2018 chamado ”Dead Pigs”. Além disso, seguindo o sucesso de seu roteiro em Bumblebee, a roteirista Christina Hodson foi escolhida para finalizar o poderoso time nos bastidores das Aves de Rapina.

Yan é, inclusive, a primeira diretora asiática a ter controle criativo em um filme de super-herói e a terceira mulher a dirigir qualquer filme do gênero, com a primeira tendo sido Patty Jenkins com Mulher-Maravilha (2017) e a segunda, Anna Boden, que co-dirigiu Capitã Marvel (2019).

Recentemente, como forma de elevar o nível das Aves de Rapina ainda mais, Chad Stahleski entrou para a produção do filme, como diretor de coreografia. Stahleski é conhecido por ser o visionário por trás da franquia John Wick, onde suas cenas de luta se tornaram tão respeitadas e celebradas, que fez com que a academia cogitasse a inserir uma categoria para coreografias no Oscar.

Da esquerda para a direita: Cathy Yan, Christina Holdor e Chad Stahlski

Harley Quinn é uma das propriedades mais avassaladoras da DC, tendo tido sua primeira aparição na série animada do Batman em 1992, onde seu sucesso e receptibilidade com o público foram tão grande que fez a palhaça do crime transitasse para as páginas da continuidade principal dos quadrinhos.

No entanto, com o passar dos anos, Harley Quinn evoluiu e se distanciou da sombra do Coringa, ganhando não somente seu título próprio, mas também se tornando um pôster de empoderamento contra o abuso doméstico feminino. Aves de Rapina é um filme que vai operar em diversos níveis, servindo como ponto de origem para o time, mas também mostrando a evolução de Harley, aspecto que é realçado em seu subtítulo: A Fabulosa Emancipação de Harley Quinn.

Margot Robbie, com esse projeto, está elevando o nível de sua personagem, criando uma Harley que é claramente a evolução daquela apresentada em Esquadrão Suicida, porém pegando elementos chaves, das animações e quadrinhos, que a tornaram tão famosa ao longo dos anos.

A Harley Quinn que nós vai ser apresentada em Aves de Rapina é extremamente influenciada por seus quadrinhos de 2013, escritos por Amanda Conner e Jimmy Palmiotti. Nessa versão da personagem, vemos uma Harley mais independente e excêntrica, se tornando até mesmo dona de um prédio que é residido por vários personagens exóticos, incluindo um show de horrores que acontece regularmente no porão do edifício.

É com essa versão que somos introduzidos também a dois elementos que já foram confirmados por fotos do set: seu castor estufado e, mais importante, os famosos patins da Harley, que definem essa nova fase da personagem nos quadrinhos.

Além disso, graças ao último teaser liberado essa semana, vemos que essa Harley vai ter a companhia de dois dos personagens mais icônicos da série animada do Batman de ’92, com a presença de Bud e Lou, suas Hienas de estimação tendo sido, finalmente, confirmadas.

Gotham é um dos aspectos mais importantes dentro da mitologia do Cavaleiro das Trevas, tendo até mesmo ao longo dos anos, se tornado uma espécie de personagem por si só. Em Aves de Rapina, vamos ser introduzidos a continuação da Gotham apresentada em Esquadrão Suicida: Um local de extrema violência e dominada por uma guerra de gangues pelo controle do maior território. Além disso, no contexto deste filme, Gotham não conta com a ajuda de seu defensor, já que o Batman se encontra ausente desde os eventos de Esquadrão Suicida. Expandindo a galeria de vilões do Morcego, vemos agora uma Gotham domina pelo mercenário e rei da mafia, Máscara Negra (interpretado pelo veterano de Star Wars, Ewan McGregor).

McGregor, além de marcar a primeira aparição do personagem em live action, vai também modernizar o vilão, tornando Máscara Negra o primeiro antagonista em um filme de super herói a ser LGBT. O personagem foi descrito como flamboyant e sem medo de acentuar seu lado homossexual, com as primeiras críticas ao filme, celebrando uma performance inovadora feita por Ewan McGregor.

Harley Quinn é inegável a personagem principal do filme, no entanto, essa produção vai ter a responsabilidade de introduzir no DCEU um dos times mais icônicos dos quadrinhos: As Aves de Rapina. Criado em 1996 por Jordan B. Gorfinkel e Chuck Dixon, o time é uma evolução na personagem de Barbara Gordon, que após ter sido paralisada pelo Coringa nos eventos de A Piada Mortal, adotou o codinome de Oráculo, formando as Aves de Rapina como forma de continuar a combater o crime, mesmo que em uma cadeira de rodas. Apesar de apresentar uma rotação regular de heroínas, as mais ilustres membras do time, desde o começo, são a Caçadora e a Canário Negra. Mas, afinal de contas, quem são essas duas personagens e o que as tornou tão importantes para as Aves de Rapina e, eventualmente, própria DC.

  • Caçadora (Helena Bertinelli)

Helena Bertinelli é a única sobrevivente de um assassinato em massa de sua família, que se tornou alvo de diversos reis do crime por conta de seu dinheiro e influência dentro de Gotham. Após a tragedia, Helena é enviada para morar com seus primos na Itália, Os Arsons, uma família de mestre assassinos.

Chegando na Itália, Helena é introduzida as artes de combate corpo a corpo e treinamento com diversas armas letais, incluindo o que se tornou sua arma de escolha, a besta. Bertinelli sempre treinou até a perfeição com o intuito de vingança, tendo entrado na universidade e estudando psicologia criminal, tudo com o intuito de um dia vingar a morte de seus pais. Após formada, Helena retorna a Gotham, mas após um encontro com o Cavaleiro das Trevas, resolve seguir o caminho da rendição e se tornar uma vigilante, protegendo as ruas da cidade e adotando a identidade de Caçadora.

Helena se junta ao time das Aves de Rapina anos depois, quando resgata Canário Negra, que havia sido sequestrada na tentativa dos vilões de Gotham aprenderem a verdadeira identidade por trás da máscara do Batman. No filme de 2020, a personagem vai ser interpretada por Mary Elizabeth Winstead, conhecida por seu papel como Ramona Flowers em Scott Pilgrim contra o Mundo (2009)

Mary Elizabeth Winstead como Caçadora no primeiro teaser oficial de Aves de Rapina
  • Canário Negra (Dinah Lance)

O manto da Canário é na verdade um legado, com Dinah Lance sendo a sucessora de sua mãe, a primeira canário negra nos anos de ouro dos quadrinhos, Dinah Drake. No entanto, com essa nova encarnação da personagem, Canário Negra apresenta seu famoso grito, que é a arma mais letal em seu arsenal, aspecto que também torna Dinah Lance uma meta-humana. Além do grito do canário, a personagem é conhecida como uma das melhores lutadores corpo a corpo do universo da DC, tendo treinado quase todos os membros da liga da justiça em artes marciais e ter ganhado um combate contra o próprio Batman.

A Canário Negro é, na verdade, a primeira heroína a seguir Barbara Gordon em seu novo time. Por conta do relacionamento próximo das personagens, a Oráculo, vendo o potencial da Canário, pediu que a mesma se juntasse ao time, feito que Dinah fez com orgulho. Na versão que veremos em Aves de Rapina, Dinah vai ser inspirada na sua revista solo de 2015, onde a Canário se torna uma cantora em uma banda de rock, como forma de monitorar a mafia de maneira mais próxima. Em 2020, A Canário Negra vai ser interpretada pela atriz Jurnee Smollett-Bell, trazendo um novo aspecto para a personagem, que teve sua etnia alterada, tornando Dinah Lance afro descendente.

Jurnee Smollett-Bell como Canária Negro em imagens do set de Aves de Rapina

Aves de Rapina, que tem sua estreia em Fevereiro de 2020, é um filme que vai expandir o leque de possibilidade para o DCEU, criando abertura para que diversos arcos e personagens famosos sejam introduzidos. Além das três personagens icônicas já mencionadas, a produção vai contar com a adição de dois nomes muito poderosos, mesmo que obscuros, dentro dos quadrinhos da DC: Cassandra Cain e Renee Montoya.

Sendo as duas personagens peças chaves para moldar o futuro do DCEU. A premissa do filme vai se basear em Cassandra Cain, sendo uma garotinha que vai se tornar protegida da Harley e das Aves de Rapina, pois está sendo caçada pelo Máscara Negra. Enquanto Montoya vai representar outro aspecto de Gotham, sendo uma policial da GCPD que está cansada de lutar contra o sistema corrupto policial dentro da cidade, se juntando ao grupo como forma de tomar justiça em suas próprias mãos.

Cassandra Cain entretanto é a porta de entrada para que o trio original das Aves de Rapina seja formado, mesmo que de forma diferente, já que nos quadrinhas a garota, eventualmente, assume o manto de Batgirl. Cain é uma prodígio, tendo sido treinada desde seu nascimento para ser uma arma humana pela liga dos assassinos, sendo resgatada quando ainda jovem pelo Batman, que adotou a criança e a treinou para ser mais humana e ajudar os cidadães de Gotham.

Nos eventos que Barbara se torna Oráculo, a mesma passa o manto de Batgirl para Cassandra, consolidando assim o legado da personagem. Já Renee, é uma personagem de extrema importância, pois além de ser a representatividade latina, é também LGBT e uma das primeiras a ser completamente assumida nas páginas dos quadrinhos. Além disso, após se rebelar contra a corrupção policial dentro de Gotham, a personagem assume o manto de Questão, que é herdado de Vic Sage, se tornando a vigilante sem rosto que busca justiça por todos os meios.

Por fim, além de Aves de Rapina estabelecer o primeiro filme com um time somente de super-heroínas e expandir o universo do DCEU com a possibilidade de Batgirl e Questão aparecerem no futuro, essa produção conta com o começo de uma saga para Harley Quinn. De acordo com produtores executivos da Warner Brothers, Aves de Rapina é o primeiro filme de uma trilogia focada na personagem, além de sua aparição no Esquadrão Suicida de James Gunn em 2021, com a sequência sendo apontada como Sereias de Gotham, introduzindo dessa forma Hera Venenosa e Mulher-Gato.