42ª Festival Guarnicê de Cinema é lançado e anuncia programação





12/06/2019 - Atualizado às 15:04


Trazendo como tema “Inovação e Tecnologia no Audiovisual”, a 42ª edição do evento foi lançada nesta terça-feira (11), em coletiva de imprensa, com a participação de representantes de instituições parceiras, do Governo do Maranhão, organizadores, entusiastas do cinema e jornalistas. Durante o encontro, foram apresentadas a programação e as novidades da edição deste ano, que será aberta oficialmente sexta-feira (14) no Teatro Artur Azevedo. O Festival segue até o dia 21 de junho no Centro Histórico de São Luís.   

Na solenidade de abertura, será exibido o filme “Eu Sou Brasileiro”, de Alessandro Barros e produção de Letícia Spiller. O filme terá sua pré-estreia no festival maranhense. A noite contará, ainda, com homenagens à Cemar, Banco do Nordeste e à Câmara Municipal de São Luís pelos 400 anos e ao apresentador maranhense José Raimundo Rodrigues. O cineasta e presidente do Júri técnico, Aly Muritiba também está entre os homenageados da 42ª edição.  

Inovação e tecnologia no Festival

Dentre as novidades do Festival Guarnicê, está a criação de um aplicativo que permitirá a participação direta do público nas votações das mostras competitivas. Lá, também será possível acessar a programação detalhada e estar por dentro das atualizações diárias sobre o festival. O app, desenvolvido por estudantes de Engenharia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), participantes da Empresa Júnior ADA, pode ser baixado na Play Store.

Outra novidade é a criação de novas mostras competitivas, com o objetivo de explorar as demais linguagens do audiovisual. São elas: Filmes de Curtíssima-Metragem; Videoclipes; Reportagem Televisiva e Filmes Publicitários.

Fortalecimento da produção local

O Guarnicê promove a exibição de filmes de todo o Brasil. Neste ano, foram 680 inscritos e 98 selecionados. E vários produtores maranhenses estão entre os participantes, tanto em mostras competitivas maranhenses quanto nacionais. Taciano Brito, cineasta maranhense que teve o curta “Marina” premiado na edição anterior tanto por júri popular quanto técnico, destaca o papel do Festival como incentivador para os produtores locais.