Connect with us

Artigos

The Voice Brasil precisa renovar elenco de técnicos o quanto antes

Coaches são ótimos, mas a gente já conhece eles demais!

Foto: Divulgação/Globo

Já tem tempo que o The Voice Brasil é um dos programas preferidos do público brasileiro – perde só para o Big Brother Brasil em audiência e repercussão. A sétima temporada começou nesta terça-feira (17) tendo como ponto alto, ironicamente, a ex-técnica Cláudia Leitte, que botou quente ao cantar “It Hurt So Bad” (Susan Tedeschi) em uma brincadeira com os atuais coaches da atração.

Desde que estreou, em 2012, a versão brasileira fica cada vez mais bonita. Novos telões surgem a cada ano (o que muito me gusta) e clipes de apresentação dos candidatos fazem diferença no conteúdo do programa. Mas tem uma verdadeira questão que o programa tem dificuldades em solucionar: uma renovação de verdade.

Todo ano surge um recurso ou regra nova. Em 2018, as duas grandes novidades foram: um novo dia de exibição e um botão de “bloqueio” para ajudar a tornar menos fake a rivalidade entre técnicos, que, dessa forma, assumem ter conhecimento da previsibilidade de escolha de certos perfis de candidatos.

Lulu, Ivete, Brown e Teló são ótimos, carismáticos e talentosos. Ninguém é tolo de questionar isso (desculpe o exagero), mas uma mudança significativa no elenco poderia ser uma boa para dar ao programa o aspecto de novidade que tanto se esforça em trazer a cada ano.

Os irmãos mexicanos, por exemplo, pescaram uma brasileira para dar uma mexida nos ânimos por lá. Uma ousadia louvável que deve estar gerando o maior rebuliço entre os espectadores do programa. Para o bem ou para o mal, atenção está chamando.

Assim como nos últimos anos, o The Voice Brasil começa muito bem e ninguém duvida que ali estão alguns dos melhores cantores do país (nem que a temporada será lindíssima). A pouca coragem de mexer no comando daquelas cadeiras e correr o risco de se indispor com o público, no entanto, impede o programa de colocar aquele famoso fogo no parquinho (Leifert agradece a citação) que a gente tanto gosta.

Em alta agora