Connect with us

Artigos

Artigo | O meme de ‘Infinity War’ e o debate sobre o conceito de crossover

Uma brincadeira no Twitter nos leva ao questionamento.

Um meme vem se tornando viral nos últimos dias envolvendo o filme The Avengers: Infinity War (Vingadores: Guerra Infinita). De forma bastante engenhosa os tweets aparecem sempre com uma imagem referente a algum crossover de universos cinematográficos ou de TV acompanhados da  frase Infinity war is the most ambitious crossover event in the history”. Veja um exemplo:

Muita, mas muita gente mesmo já embarcou na graça e destacou diversas referências do tipo como Power Rangers e Tarataruga Ninja, Os Muppets e Star Wars, Mario e Sonic em um game dos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, Pernalonga e Michael Jordan em Space Jam, etc. Enfim, são muitas referências que não cabem agora nesse texto.

Para além dos usuários comuns do Twitter algumas contas mais, digamos assim, famosas também embarcaram na brincadeira. É o caso da conta da revista japonesa de mangás Weekly Shonem Jump, que aproveitou o meme e comparou a ideia com seu game J-Stars Victory Vs (produzido pela Bandai Namco em 2014), que reúne as principais personagens dos mangás mais famosos de quase cinquenta anos de revista (entre eles One Piece, Naruto, Saint Seiya, Gintama, Jojo’s Adventure Bizarre etc.).

Até mesmo em outras redes sociais como o Facebook a brincadeira começa a criar forma. Fanpages e grupos vinculados aos fãs de tokusatsu fazem o comparativo entre a película da Marvel Studios e os filmes da Toei Company como Kamen Rider x Super Sentai: Super Hero Taizen, que reúne as duas maiores franquias de tokusatsus do Japão em um mesmo longa-metragem.

As postagens, além de divertidas servem para que uma reflexão seja feita: de fato e de direito, o que é crossover?

Numa definição pragmática o crossover é – como o nome já diz – uma interseção entre elementos de diferentes narrativas. Podem ser personagens, cenários e acontecimentos. Para isso basta que exista uma ação que não tenha relação anterior em qualquer que seja o produto de mídia. Ou seja: deve haver um certo ineditismo naquele evento para que ele permita a interação entre as narrativas, nascendo assim um novo conteúdo, uma nova história.

Dito dessa forma a questão que fica é que Vingadores: Guerra Infinita não tem fundamentos suficientes que o enquadrem como crossover. Isso por alguns motivos em específico:

1) As personagens e elementos fazem parte de um mesmo universo narrativo temporal e linear;

2) O próprio MCU – Marvel Cinematic Universe foi pensado e executado para que o filme existisse como está;

Se levarmos esse pensamento em consideração é fácil entender que vender a ideia de um “crossover” deveria ser uma estratégia da Marvel Studios. Mas aí outro problema surge: Quando foi que a Marvel disse que “Infinity War” era um crossover? No Twitter a brincadeira é sem dúvida bastante afirmativa, mas se formos atrás não encontramos (pelo menos não visível agora) nenhuma plataforma que comprove que a empresa, ou alguns de seus representantes, proferiu essas palavras. O mais próximo que se consegue chegar de algo com a mesma ideia é a frase “How Marvel crafted the most audacious cinematic universe in movie story” em uma das capas da revista Empire dedicadas à publicidade do filme.

A brincadeira já ganhou espaço até mesmo no site do jornal britânico Independent, mas nem mesmo ele pode explicar quando, onde e em que circunstâncias a Marvel proferiu qualquer outra máxima que atribuísse a ideia de “o maior crossover de todos os tempos” já feito.

Crossover é uma estratégia de marketing narrativo usado para trabalhar a comercialização de marcas e produtos em um mesmo ambiente. No caso do entretenimento, quando uma mesma empresa reúne seus diversos personagens (de diferentes universos narrativos) em uma mesma história aí ele de fato acontece. Para os heróis dos quadrinhos onde a temporalidade e a linearidade nunca foi um problema sempre foi comum vermos crossovers entre eles nas páginas de outra HQ (mesmo que do mesmo grupo). Homem-Aranha  é dos mais emblemáticos para exemplificar isso com crossovers com Superman e Batman (ambos da DC) o próprio crossover Liga da Justiça e Vingadores (2003-2004) de Kurt Buseik e George Pérez é outro exemplo forte do conceito e de como ele se dá.

Portanto a brincadeira pode continuar a vontade, mas é bom que se saiba que é sem fundamento afirmar que o novo filme do MCU é um crossover com toda a pompa que o termo exige. Crossover de respeito nos tempos de hoje é Scoobynatural, que chega um pouco antes no dia 10 de abril.

Advertisement Image Map

Facebook

Volts Charts

Em alta agora