Connect with us

Artigos

Retrospectiva Otaku | O que rolou na Temporada de Verão 2017

A terceira parte de nossa matéria especial de retrospectiva destaca agora os principais acontecimentos e lançamentos que os otaku conferiram ao longo do verão nipônico (entre julho e setembro). Entre animês, mangás e eventos muita coisa aconteceu e repercutiu.

Teve situações para ficar na memória e algumas outras que os otaku vão preferir esquecer. O que vale é que esse verão japonês foi recheado de muitas novidades. Vamos lá!

 

TEMPORADA DE VERÃO 2017

 

JULHO

A Temporada de Verão 2017 começou com o lançamento de uma nova safra de animês, muitos deles repercutindo de forma positiva. Entre os destaques figuraram produções como GAMERS! do estúdio Pine Jam, que encerrou a temporada como o mais visto pelos usuários da plataforma Crunchyroll em todas as três Américas. GAMERS! não tinha um roteiro tão genial assim, mas foi uma comédia romântica adolescente que provocou diversos sorrisos em situações engraçadas, além de contar um uma OST fazendo referências ao cenário musical 8 bits dos clássicos dos games dos anos 1980 e 1990.

Junto com GAMERS! outros destaques foram Fate/Apocrypha (mais recente adaptação de uma trama da franquia Fate Series) e Shokugeki no Souma: San no Sara, que marcou o retorno da terceira fase do animê shonnen de batalhas culinárias.

No Brasil o mês de julho teve como principal acontecimento para os otaku a realização do Anime Friends. O evento – que contou com mudança de local indo para o Expo América em São Paulo e a diminuição de sete para três dias – acabou agradando o público pelas boas atrações musicais com shows inéditos da banda de j-rock Do As Infinity e do showman T.M. Revolution. Além deles os já conhecidos Asian Kung-Fu Generation voltaram mais uma vez ao país e fizeram dois shows para os visitantes do AF 2017.

 

(Capa do volume 63, que só deve ser publicado no Brasil em 2018)

 

 

Já no cenário dos mangás o AF 2017 foi o momento para reunir os editores da JBC, Panini e NewPOP para dialogar sobre o cenário editorial de quadrinhos japoneses e também trocar provocações a respeito de anúncios. O que repercutiu mesmo foi o cenário internacional com o fim da publicação do mangá Fairy Tail de Hiro Mashima após 11 anos nas páginas da revista Weekly Shonnen Magazine com um total de 63 volumes encadernados.

 

AGOSTO

Bem que muitos otaku gostariam de apagar o mês de agosto de 2017 de suas memórias simplesmente por causa de um filme: Death Note, que foi lançado oficialmente pela Netflix.

A produção dirigida por Adan Wingard desagradou boa parte dos fãs da obra de Tsugumi Ohba e Takeshi Obata ao apresentar um reboot controverso para o duelo psicológico entre Kira e L. Com uma nítida americanização da trama e personagens a disputa entre as duas principais personagens é abafada por contexto imaturos e um foco maior no próprio “Canderno da Morte” e seu dono, o shinigami Ryuki, que é bem representado por William Defoe.

 

(Esse filme decepcionou os fãs e foi motivo de muitas críticas sobre as adaptações de mangás)

 

 

Para se redimir a Netflix anunciou, em evento no Japão, um pacote de cerca de 30 animês para 2018 em seu catálogo. Entre eles um reboot em 3D CG de Saint Seiya (Os Cavaleiros do Zodíaco). Isso agradou os fãs brasileiros que já esperam ansiosos.

Já entre os mangás a curiosidade ficou por conta da publicação “bilíngue” de Inuyashiki, que chamou a atenção por conter páginas visualmente poluídas com balões de diálogo e onomatopeia traduzidas em português e japonês. Por incrível que pareça o mangá foi bem recebido. Bem diferente do que aconteceu com Pride –  O Supercampeão publicado pela Nova Sampa, que por alguma razão sofreu com uma reação oposta (vai entender o consumidor…).

 

SETEMBRO

Para o último mês do verão japonês o frenesi ficou por conta do quinto e penúltimo filme da série Digimon Adventure Tri. Ignorando toda e qualquer expectativa dos fãs esse longa-metragem veio muito aquém do esperado e acabou deixando as explicações da trama para o desfecho no sexto filme. Uma das maiores frustrações foi a aparição em apenas 15 segundos da personagem Ophanimon Falldown Mode. Mas se no Brasil o filme (que está em catálogo no Crunchyroll) não agradou, lá no Japão ficou entre os mais assistidos do cinema em 2017. Outra coisa que ninguém sabe como explicar.

No universo dos animês outro assunto que repercutiu foi o anúncio da segunda temporada de One-Punch Man, que mudou de estúdio saindo do Madhouse para J.C. Staff. Essa foi uma notícia que não foi bem aceita pelos fãs de começo, mas já há indícios que tudo foi superado.

 

(Outro filme que decepcionou, mas dividiu os fãs brasileiros e japoneses)

 

 

No cenário dos mangás pouca coisa interessante se sucedeu em setembro. De maior relevância mesmo só anúncio de uma reedição do mangá Battle Angel Alita pela Editora JBC. Aqui no Brasil ainda tivemos uma notícia que pegou muitos de surpresa que foi a venda das marcas Anime Friends e Ressaca Friends para um grupo de investidores dono da marca Energy Drink. Após negociações a Yamato Corporation, criadora e dona da marca do maior evento de Cultura Otaku da América Latina, vendeu os direitos do Anime Friends e passou suas redes sociais para o novo investidor, que logo tratou de renomear esclarecer que os eventos seguirão acontecendo, mas agora sendo mais geek do que nunca. Já estamos na defensiva para 2018.

 

Esse foi o resumo do que de mais interessante aconteceu ao longo da Temporada de Verão de 2017. Se você perdeu as retrospectivas de Primavera e Inverno é só clicar aqui e ficar por dentro.

Até a próxima e… Sayonara!

Continue Lendo
INSCREVA-SE NO VOLTS PLAY
Comments

Em alta agora